The New Life Mission

Sermões

Assunto 24: Sermões para Aqueles que são Nossos Colaboradores

[24-68] (Gênesis 38:1-30) Os justos têm que cumprir sua função

(Gênesis 38:1-30)
“E aconteceu, no mesmo tempo, que Judá desceu de entre seus irmãos e entrou na casa de um varão de Adulão, cujo nome era Hira. E viu Judá ali a filha de um varão cananeu, cujo nome era Sua; e tomou-a e entrou a ela. E ela concebeu e teve um filho; e chamou o seu nome Er. E tornou a conceber, e teve um filho, e chamou o seu nome Onã. E continuou ainda, e teve um filho, e chamou o seu nome Selá; e ele estava em Quezibe quando ela o teve. Judá, pois, tomou uma mulher para Er, o seu primogênito; e o seu nome era Tamar. Er, porém, o primogênito de Judá, era mau aos olhos do SENHOR, pelo que o SENHOR o matou. Então, disse Judá a Onã: Entra à mulher do teu irmão, e casa-te com ela, e suscita semente a teu irmão. Onã, porém, soube que essa semente não havia de ser para ele; e aconteceu que, quando entrava à mulher de seu irmão, derramava-a na terra, para não dar semente a seu irmão. E o que fazia era mau aos olhos do SENHOR, pelo que também o matou. Então, disse Judá a Tamar, sua nora: Fica-te viúva na casa de teu pai, até que Selá, meu filho, seja grande. Porquanto disse: Para que, porventura, não morra também este, como seus irmãos. Assim, foi-se Tamar e ficou-se na casa de seu pai. Passando-se, pois, muitos dias, morreu a filha de Sua, mulher de Judá; e, depois, se consolou Judá e subiu aos tosquiadores das suas ovelhas, em Timna, ele e Hira, seu amigo, o adulamita. E deram aviso a Tamar, dizendo: Eis que teu sogro sobe a Timna, a tosquiar as suas ovelhas. Então, ela tirou de sobre si as vestes da sua viuvez, e cobriu-se com o véu, e disfarçou-se, e assentou-se à entrada das duas fontes que estão no caminho de Timna; porque via que Selá já era grande, e ela lhe não fora dada por mulher. E, vendo-a Judá, teve-a por uma prostituta; porque ela havia coberto o seu rosto. E dirigiu-se para ela no caminho e disse: Vem, peço-te, deixa-me entrar a ti. Porquanto não sabia que era sua nora; e ela disse: Que darás, para que entres a mim? E ele disse: Eu te enviarei um cabrito do rebanho. E ela disse: Dás-me penhor até que o envies? Então, ele disse: Que penhor é que te darei? E ela disse: O teu selo, e o teu lenço, e o cajado que está em tua mão. O que ele lhe deu, e entrou a ela; e ela concebeu dele. E ela levantou-se, e foi-se, e tirou de sobre si o seu véu, e vestiu as vestes da sua viuvez. E Judá enviou o cabrito por mão do seu amigo, o adulamita, para tomar o penhor da mão da mulher; porém não a achou. E perguntou aos homens daquele lugar, dizendo: Onde está a prostituta que estava no caminho junto às duas fontes? E disseram: Aqui não esteve prostituta alguma. E voltou a Judá e disse: Não a achei; e também disseram os homens daquele lugar: Aqui não esteve prostituta. Então, disse Judá: Tome-o ela, para que porventura não venhamos a cair em desprezo; eis que tenho enviado este cabrito, mas tu não a achaste. E aconteceu que, quase três meses depois, deram aviso a Judá, dizendo: Tamar, tua nora, adulterou e eis que está pejada do adultério. Então, disse Judá: Tirai-a fora para que seja queimada. E, tirando-a fora, ela mandou dizer a seu sogro: Do varão de quem são estas coisas eu concebi. E ela disse mais: Conhece, peço-te, de quem é este selo, e estes lenços, e este cajado. E conheceu-os Judá e disse: Mais justa é ela do que eu, porquanto não a tenho dado a Selá, meu filho. E nunca mais a conheceu. E aconteceu, ao tempo de dar à luz, que havia gêmeos em seu ventre. E aconteceu, dando à luz, que um pôs fora a mão, e a parteira tomou-a e atou em sua mão um fio roxo, dizendo: Este saiu primeiro. Mas aconteceu que, tornando ele a recolher a sua mão, eis que saiu o seu irmão; e ela disse: Como tens tu rompido? Sobre ti é a rotura. E chamaram o seu nome Perez. E depois saiu o seu irmão, em cuja mão estava o fio roxo; e chamaram o seu nome Zerá”.
 
 
Todo verdadeiro cristão nascido de novo é responsável por cumprir o que Deus lhe confiou. E sabemos quais são nossas responsabilidades e as cumprimos de modo correto perante ele. Dentre os doze filhos de Jacó citados no texto acima, Judá se tornou o ancestral da tribo real. Está escrito que ele tomou uma esposa para seu filho e sua nora se chamava Tamar. E ela era uma mulher gentia.
 
 
Tamar: uma mulher da linhagem da fé
 
Encontramos no início do evangelho de Mateus a genealogia de Jesus, ou seja, a linhagem da fé. Mateus 1:3 diz: “E Judá gerou, de Tamar, a Perez e a Zerá; e Perez gerou a Esrom; e Esrom gerou a Arão.” Diz aqui que Jacó gerou Judá e seus irmãos. Diz também que ele gerou Perez e Zerá de Tamar. Mas quem é Tamar? Ela era esposa do filho primogênito de Judá. Melhor dizendo, ela era nora de Judá. Mas o que foi que aconteceu? Depois de muitas reviravoltas, Judá se deitou com sua nora sem saber. Queridos irmãos, não é horrível ver algo assim na Bíblia? Mas eu creio que a intenção de Deus ao deixar registrado este texto é revelar nosso verdadeiro eu.
Para o povo de Israel, assim como para os coreanos, as mulheres têm que continuar na família de seus maridos. Quando uma mulher se casa, ele tem obrigação de gerar descendentes da linhagem do seu marido. Então, se o filho primogênito de um israelita se casasse mas morresse sem gerar um filho, cabia ao irmão abaixo dele gerar um filho na viúva. Por isso que alguns saduceus perguntaram a Jesus nos dias do Novo Testamento: “Dizendo: Mestre, Moisés nos deixou escrito que, se o irmão de algum falecer, tendo mulher, e não deixar filhos, o irmão dele tome a mulher, e suscite posteridade a seu irmão. Houve, pois, sete irmãos, e o primeiro tomou mulher, e morreu sem filhos; e tomou-a o segundo por mulher, e ele morreu sem filhos. E tomou-a o terceiro, e igualmente também os sete; e morreram, e não deixaram filhos. E por último, depois de todos, morreu também a mulher. Portanto, na ressurreição, de qual deles será a mulher, pois que os sete por mulher a tiveram?” (Lucas 20:28-33).
Como Tamar vivia esse contexto cultural, ela tinha o dever da dar continuidade à linhagem de Judá, mas seus filhos se recusaram a fazer isso. A Bíblia diz que Er, primogênito de Judá, era mau aos olhos do Senhor e ele o matou. Algo muito estranho é que de alguma forma Er sabia que se tivesse relações com sua esposa, a criança que nasceria não seria seu filho. Por isso está escrito que o Senhor se irou por causa da sua maldade e o matou. Mas para que ele não ficasse sem um descendente Deus deu Tamar a seu irmão, Onã. Está escrito em Gênesis 38:8: “Então, disse Judá a Onã: Entra à mulher do teu irmão, e casa-te com ela, e suscita semente a teu irmão.” Assim fez Judá com que ele procurasse sua cunhada. Mas Onã agiu do mesmo modo que seu irmão e por isso foi destruído. O versículo 9 diz assim: “Onã, porém, soube que esta descendência não havia de ser para ele; e aconteceu que, quando possuía a mulher de seu irmão, derramava o sêmen na terra, para não dar descendência a seu irmão.”
A coisa não ficou pior ainda? O próximo na linhagem de Judá era Selá, e a responsabilidade caiu sobre ele, obviamente. Só que ele ainda era muito jovem. Judá precisava dar continuidade à linhagem da sua família, mas seus dois filhos morreram. Sua nora teria então que esperar que Selá, seu terceiro filho, crescesse. Mas Judá ficou com medo de dar seu filho caçula em casamento a Tamar e perdê-lo também, e então não fez isso. Ele disse a Tamar: “Eu lhe darei Selá, mas espere até que ele cresça.” Como pai ele estava preocupado com o que poderia acontecer com seu filho. Judá imaginou que perderia seu filho caçula se permitisse que ele se deitasse com sua nora. Para ele sua nora era como uma viúva negra que devorava seus filhos. No fim ele acabou não dando seu terceiro filho a ela.
 
 
Tamar deitou-se com seu sogro
 
Assim está escrito em Gênesis 38:12-16: “Passando-se pois muitos dias, morreu a filha de Sua, mulher de Judá; e depois de consolado Judá subiu aos tosquiadores das suas ovelhas em Timna, ele e Hira, seu amigo, o adulamita. E deram aviso a Tamar, dizendo: Eis que o teu sogro sobe a Timna, a tosquiar as suas ovelhas. Então ela tirou de sobre si os vestidos da sua viuvez e cobriu-se com o véu, e envolveu-se, e assentou-se à entrada das duas fontes que estão no caminho de Timna, porque via que Selá já era grande, e ela não lhe fora dada por mulher. E vendo-a Judá, teve-a por uma prostituta, porque ela tinha coberto o seu rosto. E dirigiu-se a ela no caminho, e disse: Vem, peço-te, deixa-me possuir-te. Porquanto não sabia que era sua nora. E ela disse: Que darás, para que possuas a mim?”
Lemos no texto bíblico que alguém disse a Tamar que seu genro estava indo para Timna; o que nos leva a presumir que era naquela cidade que Tamar morava. Lemos também que a nora de Judá tirou as vestes da sua viuvez, cobriu seu rosto, sentou-se numa pedra à beira do caminho e fingiu-se de prostituta.
Amados irmãos, este é um retrato verdadeiro de um homem como Judá. E tudo foi registrado no Bíblia fielmente. A Palavra de Deus não esconde nada no que diz respeito ao homem. E como a Bíblia é a Palavra de Deus, ela diz tudo sobre nós. As biografias dos grandes homens da história só retratam seu lado bom. Por exemplo, dizem que o general sul coreano Lee Soon Shin era um gênio, inteligentíssimo desde pequeno. E que, além disso, ele era corajoso, honrado pelos anciãos e muito educado. Mas não é assim que a Bíblia retrata nossos pais na fé. A Palavra de Deus não omite ou adiciona nada ao falar de quem quer que seja. Esta é a razão de lermos que Judá teve relações sexuais com uma prostituta depois da morte de sua esposa.
Os israelitas tinham um dia específico todos os anos para tosquiar as ovelhas. É o mesmo que acontece no outono em nosso país, onde recolhemos toda a colheita do nosso árduo trabalho. Só que em Israel o trabalho era mais voltado para a criação de animais, e depois de ceifar sua colheita abundante, era a hora de tosquiar as ovelhas. E no dia em que Judá saiu para tosquiar suas ovelhas, ele encontrou uma mulher ao longo do caminho e teve relações com ela. Só que ela tinha o rosto coberto. Eu acho que este era um hábito das prostitutas naquela época. Judá lhe disse que queria se deitar com ela, e ela lhe pediu dinheiro para isso. Ele então lhe disse que não tinha dinheiro, no que ela lhe pediu alguma coisa como garantia de que ele lhe pagaria depois. Judá disse então que lhe daria seu selo, seu lenço e seu cajado. E ela os tomou como garantia. Só que esta mulher não era prostituta, mas Tamar, nora de Judá. Era a esposa do seu primogênito e dos seus outros filhos.
Passado algum tempo, chegou a hora de Tamar dar à luz a uma criança. E algumas pessoas contaram isso a Judá. Elas lhe disseram sua nora havia cometido adultério e já estava grávida havia algum tempo. Disseram também que ela deveria morrer apedrejada. Se isso fosse verdade, ela tinha mesmo que morrer por causa do seu pecado, segundo o mandamento da lei. Mas antes de matar sua nora, Judá a pegou pelos braços, a fez sentar e perguntou quem tinha feito aquilo com ela. Então Tamar mostrou para ele o selo, o lenço e o cajado, e lhe disse que o dono deles é que havia feito aquilo com ela. Judá ficou sem palavras ao ouvir isso. O que Tamar estava dizendo era isso: “Se você tivesse me dado seu filho caçula, Selá, isso não teria acontecido. Você não cumpriu a obrigação que tinha comigo. E como era meu dever dar continuidade à linhagem da família, eu não tive outra escolha. Meu único propósito era continuar a linhagem da família.”
Amados irmãos, quando uma mulher se casa, ela tem obrigação de dar continuidade à linhagem da família de seu marido. Melhor dizendo, ela precisa garantir que a linhagem da família para que ela não seja cortada. Ninguém pode negar isso. Por isso que as mulheres israelitas eram desprezadas quando não podiam gerar filhos. Foi por esta razão também que Judá não pôde matá-la. Assim, os filhos gerados por Judá e Tamar se tornaram parte da linhagem genealógica da fé. E quem foi gerado através desta linhagem genealógica muito tempo depois? Jesus Cristo, o Salvador que veio em carne a esta terra.
 
 
Temos que cumprir nosso dever espiritual
 
Vemos aqui que Er e Onã, filhos de Judá, morreram porque não cumpriram seu dever perante Deus. E seu dever era gerar filhos para continuar a linhagem da sua família. E todos nós temos que cumprir nosso dever. Mas por que então eles derramavam sua semente na terra para não gerar filhos? Quais são as funções e as responsabilidades dos que creem no evangelho da água e do Espírito?
Amados irmãos, é um grande mal não cumprirmos nossas funções perante Deus. E não há nada pior do que aqueles que creem na justiça de Deus mas não a anunciam. Isso é um pecado maior do que assassinato. O que estou dizendo é que estes homens citados aqui não foram fiéis ao seu dever perante Deus e sua família, e os crentes que creem no evangelho da água e do Espírito mas não o anunciam são iguais. O dever dos justos é cumprir o que foi confiado a eles. E os que não cumprem seu dever não poderão evitar a morte. E há alguns crentes que não pregam o evangelho da água e do Espírito. Eles não servem à justiça de Deus e não se envolvem com sua igreja, mas precisam se retratar e não fazer mais isso.
Vemos aqui que dois filhos de Judá morreram porque não cumpriram seu dever. E eu até acho que eles não se interessaram muito por Tamar como mulher. Por que vocês acham que Deus matou Er? Está escrito que o primogênito de Judá era mal aos olhos do Senhor e ele o matou. E eu acho que isso acontece porque ele derramou sua semente na terra para não gerar um filho com Tamar. E ao ver sua atitude errada, Deus o matou. Onã, seu outro irmão, também foi morto. Judá lhe disse: “Onã, dê continuidade aos descendentes de seu irmão. Deite-se com sua cunhada no lugar dele e gere nela um filho para que ela continue a linhagem da família.” Mas ao ver a situação, Onã percebeu que se gerasse um filho, ele não seria seu, mas do seu irmão. Ele não viu razão de engravidar sua cunhada e não fez isso. Mas Deus olhou para atitude errada de Onã e o matou por causa disso. Ele tinha que cumprir seu dever, mas não o fez. E assim morreram estes dois irmãos por causa dos seus pecados.
Amados irmãos, este texto bíblico também diz respeito a nós. Por isso que devemos analisar bem esta passagem. Nós nascemos de novo porque cremos na Palavra da água e do Espírito. Foi com este evangelho que Jesus Cristo nos salvou de todos os pecados do mundo. Ele apagou todos os nossos pecados. Mas se nós que fomos salvos de todos os nossos pecados não fizermos nossa função de salvar outras almas, não seremos iguais aos filhos de Judá? Por isso que o texto bíblico deste capítulo tem um significado profundo para os justos. Melhor dizendo, quem nasceu de novo mas não se une à igreja não está cumprindo suas funções espirituais. Se alguém entre os nascidos de novo não abrir sua boca e pregar o evangelho da água e do Espírito às pessoas, ele será como aqueles dois homens que não cumpriram seu dever.
Se alguém me perguntasse qual a coisa mais terrível que um nascido de novo pode fazer, eu diria que a pessoa mais maligna de todas é aquela que recebeu a remissão de pecados mas não serve à justiça de Deus, somente ao desejos da sua carne. Todo aquele que não consegue pregar o verdadeiro evangelho sozinho tem que se unir à igreja de Deus para que possa fazer isso sempre que possível. Eles precisam passar adiante a semente e pregar o evangelho para que muitos venham a nascer de novo. Mas sempre haverá irmãos miseráveis que se recusarão a fazer isso. E até o bandido mais ordinário não pode ser comparado a alguém assim. O que estou dizendo é que tal bandido não é tal vil quanto ele aos olhos de Deus.
É claro que um bandido como este deve ter cometido algo terrível. Mas alguém que foi salvo, crê de fato no evangelho da água e do Espírito e foi salvo de todos os seus pecados, mas se recusa a cumprir seu dever de pregar este evangelho junto à Igreja de Deus é abominável e está cometendo um pecado passível de morte. Alguém assim merece ser amaldiçoado por Deus e ser destruído física e espiritualmente. Quem não cumpre seu deve perante Deus é a pessoa mais maligna para ele. Não foi assim que o Senhor fez com aqueles na parábola dos talentos? A Bíblia diz que um recebeu um talento do seu senhor e o escondeu no chão. Seu senhor voltou depois e disse ao saber o que ele tinha feito: “Lancem fora este servo infiel.”
A Bíblia diz que “haverá choro e ranger de dentes.” Por esta razão, temos que fazer parte da Igreja de Deus e pregar a justiça do Senhor enquanto estivermos neste mundo.
Amados irmãos, na sua opinião, qual o maior pecado que um marido pode cometer contra sua esposa? É não cumprir seu dever como marido. Se você é casado mas se recusa a viver com sua esposa, não há nada pior do que isso. Vamos supor que um casal teve um filho. E se este filho não cumpriu suas obrigações perante seus pais, isso não tem problema algum. Agora, se ele não cuidar dos seus pais quando eles envelhecerem, isso será uma maldade muito grande.
Amados irmãos, na sua opinião, qual o maior pecado que alguém que nasceu de novo crendo no evangelho da água e do Espírito pode cometer? É não cumprir a função que Deus lhes determinou. Aquele que crê na Palavra do evangelho da água e do Espírito mas não cumpre seu dever ou obrigação é a pessoa mais maligna que existe. Nosso dever é servir à justiça de Deus, mas se alguém não cumpre sua responsabilidade, isso é um pecado que merece a morte espiritual. E este é o pior de todos os pecados. Qual é o maior pecado que alguém pode cometer depois que recebe a remissão de pecados e passa a fazer parte da Igreja de Deus? É o pecado de esquecer da graça de Deus depois disso.
Para Deus, eles são uma pedra no sapato. E eu acho que quem age assim está jogando fora as bênçãos que Deus lhe deu. E é assim que Deus pensa ao planejar sua vingança: “Você pensa que é esperto, mas você vai ver o que acontecerá se continuar fazendo isso.” Se os servos de Deus desprezarem alguém que vier à igreja, isso será o fim da sua vida. Amados irmãos, vocês sabem qual é o maior castigo para um santo? É não mais fazer parte da Igreja de Deus. E se os justos não fizerem mais parte da Igreja de Deus, isso será o seu fim.
Quem é uma pedra no sapato de Deus? Quem é amaldiçoado por ele? Nós que cremos na justiça de Deus não amaldiçoamos ninguém, mas Deus os amaldiçoa. Quem então está condenado à maldição? Os que não receberam a remissão de pecados são o alvo da maldição de Deus. Mas também são o alvo da sua misericórdia. Eles são o alvo da compaixão de Deus. Por outro lado, somente a morte espera os que creem no evangelho da água e do Espírito mas não fazem parte da Igreja de Deus e não cumprem suas funções – eles acham que podem enganar os outros e rejeitar a justiça de Deus até o fim.
Deus matou Er e Onã, filhos de Judá, e fez com que Tamar fizesse parte da genealogia dos ancestrais da fé. Mas como Tamar teve relações com Judá e ainda assim foi ancestral de Jesus Cristo? A Bíblia exalta a fé de Tamar e por isso mostra que ela faz parte da genealogia da fé. Quem é melhor no que se refere à fé, Tamar ou Judá? A fé de Tamar era maior do que a fé de Judá. Mas por quê? Tamar passou a fazer parte da família de Judá e quis dar continuidade à sua descendência. E foi assim que ela cumpriu seu dever fielmente. A Bíblia cita a genealogia de Jesus, e Tamar aparece de forma bem clara nela: “E Judá gerou, de Tamar, a Perez e a Zerá; e Perez gerou a Esrom; e Esrom gerou a Arão” (Mateus 1:3).
Mas humanamente falando, como Tamar se encaixa na genealogia de Jesus? Ela foi esposa de Judá, não foi? É assim que este relato acaba. É estranho ver que Tamar era nora de Judá e como ela depois se tornou sua esposa. No entanto, há muitas coisas estranhas que acontecem na dimensão da fé.
O que precisamos entender aqui é que por mais que sejamos fracos ou imperfeitos, a vontade de Deus é que façamos tudo que ele nos confiou. Jamais devemos esquecer quais são nossas responsabilidades. Aquele que cumpriu sua função é alguém que pode estar na presença de Deus com toda confiança por ter feito o que ele lhe confiou. Portanto, temos que cumprir nossa função de pregar o evangelho da água e do Espírito. Não há coisa mais maligna do que um nascido de novo ser negligente em suas responsabilidades. Vocês que creem na justiça de Deus e a ela servem são abençoados por ele. Vocês servem à justiça do Senhor e fazem parte do corpo de Cristo. Por isso devem estar determinados a viver e a morrer na pela igreja. Se a igreja prosperar, vocês prosperarão; se ela perecer, vocês também perecerão. Temos que cumprir nossas funções espirituais perante Deus para estarmos com confiança na sua presença.
Amados irmãos, eu fiquei muitos anos sem visitar o túmulo dos meus pais. E isso aconteceu porque eu estava servindo à justiça de Deus. O fato é que minha prioridade é servir a Deus e não deixar de cumprir meu dever para fazer outra coisa. E minha responsabilidade diante de Deus e dos meus irmãos é levar uma vida de fé que serve à justiça do Senhor. Devemos fazer três coisas ao longo da nossa vida: crer na justiça do Senhor, pregar o evangelho da água e do Espírito e fazer parte da Igreja de Deus. Em tudo que fazemos, o mais importante é pregar o evangelho da água e do Espírito. Temos que servir à justiça de Deus e exaltá-la.
Precisamos entender que nosso Senhor nos disse que veio a esta terra não para ser servido, mas para servir. Depois que somos salvos no evangelho da água e do Espírito e crescemos um pouco mais na fé, temos que aprender com servir à justiça de Deus. Amados irmãos, temos que saber quais são nossas funções espirituais, como servir à justiça de Deus e o que precisamos fazer. Temos que aprender como servir à justiça de Deus pela fé.
Não devemos viver como Er e Onã, que foram mortos por não cumprirem suas obrigações. Também não devemos ser tolos em nossa vida e servir às pessoas com algum interesse. Temos que fazer parte da Igreja de Deus para que ele nos ajude através dela no tempo oportuno. Além disso, devemos usar nossas habilidades da melhor forma possível para sermos obreiros fiéis que servem à justiça do Senhor. Aqueles que anunciam a justiça de Deus são os que cumprem suas funções espirituais.
Nós fomos salvos de todos os nossos pecados crendo no evangelho da água e do Espírito. Por isso não estaremos reputando Deus como um ser maligno se não cumprirmos nossas funções? Deus se agrada daqueles que cumprem seu dever na sua presença. E por mais que sejamos falhos em alguma área da nossa vida, temos que cumprir nossas funções da melhor forma que pudermos. Obviamente, algumas vezes faremos isso muito bem, mas outras não. Mas o que importa mesmo são nossas aptidões. Tudo que precisamos é querer cumprir realmente nossas funções. E Deus amará e cuidará daqueles que agem assim.
 
 
A função de nós que somos santos é fazer parte da Igreja de Deus
 
Amados irmãos e servos de Deus, eu creio que por mais que vocês sejam maduros ou meninos na fé, vocês devem fazer parte da Igreja de Deus se foram salvos de todos os seus pecados. E se vocês são bons em pregar o evangelho da água e do Espírito, pelo menos devem cumprir suas responsabilidades e ajudar na proclamação do evangelho. Se vocês fizerem isso de modo correto perante Deus, ele os amará. E quando vocês sentirem que são falhos em alguma área, orem a Deus, pois assim ele os ajudará e dará graça em tudo. Deste modo, a relação entre vocês e Deus será mais forte porque vocês confiarão nele. Amados irmãos, temos que cumprir nossas funções para que possamos estar na presença de Deus com segurança. Se cumprirmos nossas responsabilidades, mesmo sendo imperfeitos, poderemos ter uma vida de comunhão com Deus e receber sua graça e bênçãos abundantes.
 
 
Orem para a salvação de almas
 
Está escrito no evangelho de Mateus 8:28-34: “E, tendo chegado ao outro lado, à província dos gergesenos, saíram-lhe ao encontro dois endemoninhados, vindos dos sepulcros; tão ferozes eram que ninguém podia passar por aquele caminho. E eis que clamaram, dizendo: Que temos nós contigo, Jesus, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo? E andava pastando distante deles uma manada de muitos porcos. E os demônios rogaram-lhe, dizendo: Se nos expulsas, permite-nos que entremos naquela manada de porcos. E ele lhes disse: Ide. E, saindo eles, se introduziram na manada dos porcos; e eis que toda aquela manada de porcos se precipitou no mar por um despenhadeiro, e morreram nas águas. Os porqueiros fugiram e, chegando à cidade, divulgaram tudo o que acontecera aos endemoninhados. E eis que toda aquela cidade saiu ao encontro de Jesus e, vendo-o, rogaram-lhe que se retirasse dos seus termos.”
Vemos no texto acima que dois homens possuídos por demônios são libertos dos espíritos malignos quando têm um encontro com Jesus. E no processo de libertação, os demônios entram numa manada de porcos, se jogam de um precipício e se afogam. Quando as pessoas ali viram isso, pediram a Jesus que deixasse a região.
Jesus Cristo realizou o milagre de libertar o homem dos espíritos malignos. Só que esta passagem é um pouco estranha do ponto de vista espiritual. Dois homens tiveram um encontro com o Senhor, que tinha grande poder e autoridade para expulsar demônios. Apesar disso, os moradores pediram a ele que deixasse a região. Se aquelas pessoas entendessem o que aconteceu e não se preocupassem apenas com a manada de porcos, elas seriam gratas pelos dois homens terem sua saúde totalmente restaurada. Também pediriam a Jesus que ficasse mais tempo ali com elas para curar os enfermos e libertar os endemoninhados. Mas elas não fizeram isso. Elas não queriam ser salvas. Por isso reclamaram que a manada de porcos se afogou e pediram Jesus para deixar sua região. Elas viram que Jesus lhes causaria mais prejuízo material se ficasse ali, e então pediram a ele que fosse embora.
Sempre pensamos como vamos levar uma vida de fé na nossa caminhada espiritual. Mas não devemos continuar fazendo a obra para salvar as almas perdidas dos seus pecados? Minha preocupação é não sermos pessoas carnais como os gergesenos. Por isso que devemos levar uma vida cristã no espírito. E nosso foco deve ser salvar as almas perdidas do pecado. No texto em questão, dois homens tiveram um encontro com Jesus, foram libertos de espíritos malignos que os possuíram e receberam a salvação. Por isso que nosso foco deve estar na salvação das almas perdidas. Não devemos ficar cegos como os donos dos porcos, que só estavam interessados nas coisas materiais, não é verdade? Nossa vida de fé não deve ser assim, não é?
Todos ali deveriam ser gratos a Jesus, que veio pelo evangelho da água e do Espírito. É isso o que eles deveriam ter dito: “Nossos porcos morreram e grande foi nossa perda, mas dois homens foram libertos de demônios e estamos gratos por isso. Muito obrigado! Os porcos não eram tão importantes assim. Mas já que não podemos vendê-los e gostamos muito de comer carré, vamos pegar os porcos no mar e fazer uma festa na região. Vamos limpá-los, preparar a carne e fazer um churrasco. Esta não é uma ocasião para nos alegrarmos?” Mas infelizmente eles pediram Jesus para deixar a região.
O foco da nossa vida espiritual deve estar na salvação de todos os pecados que há neste mundo. Para isso, nosso interesse deve estar totalmente voltado para a obra de Deus. Temos que entender bem isso e fazer a obra de Deus com mais fervor ainda. Temos que ser pessoas de fé, de todas as formas possíveis. Se nosso coração não for guiado pelo espírito, seremos como os donos daqueles porcos. Precisamos decidir se estamos dispostos a perder as coisas materiais para ganhar as espirituais ou o contrário. A verdade espiritual consiste em dedicarmos todos os nossos esforços para salvar almas dos seus pecados. Nosso Deus requer que tenhamos fé e concentremos nossos esforços na obra espiritual.
Recentemente distribuímos nossos livros na Universidade de Gangwon e muitas almas receberam a remissão de pecados. E isso me mostrou que os membros da Igreja de Deus precisam se esforçar mais para fazer a obra espiritual ao longo da sua vida de fé. Só que o alvo do nosso evangelismo não deve ser apenas os alunos universitários, mas os alunos das escolas também. E não podemos demorar para fazer isso porque senão será muito tarde. Os alunos das escolas crescem muito rápido. Eu acho que seria maravilhoso se distribuíssemos nossos livros para os alunos das escolas e nos eventos que eles organizam. Investir para libertar as almas perdidas dos seus pecados é algo que faz bem ao nosso coração, ao nosso corpo, à nossa mente e à nossa fé.
Quando nos dedicamos a salvar as almas perdidas, Deus nos dá toda a fé que precisamos para fazer esta obra. Não somos nós que agora estamos debaixo das bênçãos de Deus? Mas o que acontecerá se não nos dedicarmos à obra para salvar as almas pedidas? Deus perderá o interesse em nós e, apesar de ter nos abençoado, vai pensar que só estamos preocupados com as coisas materiais. Por isso que devemos nos dedicar à obra espiritual e viver pela fé. Todos nós temos que nos esforçar para pregar o evangelho da água e do Espírito, a fim de salvar as almas perdidas de todos os seus pecados. Mas para isso, temos que nos dedicar ao serviço do evangelho. Precisamos investir muito tempo na obra de Deus e nossa mente deve ser guiada pelo Espírito. E nossa fé tem que ser ‘espiritual’ também. Não devemos concentrar nossos esforços em nada que tenha a ver com a carne, e sim na salvação do pecado de uma alma que seja. Mas para fazermos isso, nosso interesse deve estar voltado para a obra da justiça de Deus, e não para nossos assuntos, dificuldades ou orgulho pessoais. Temos que orar, meditar e considerar como podemos salvar almas todos os dias.
Se não conseguirmos discernir bem o que é espiritual do que é carnal, titubearemos sempre entre a obra da carne e a do espírito. Por isso que na passagem de Mateus capítulo 8 o Senhor nos diz que devemos estar cientes da responsabilidade que temos de salvar as almas perdidas. Ao invés de agradecer ao Senhor por ter libertado os dois homens endemoninhados, as pessoas do vilarejo pediram a ele que deixasse a região porque só se preocuparam com a manada de porcos que se afogou. E aqui o Senhor nos mostra como não devemos levar nossa vida espiritual. Temos que viver pela fé espiritualmente, e nosso foco deve ser salvar as almas perdidas dos seus pecados. Quer comamos ou bebamos, devemos fazer tudo para a glória de Deus. Temos que trabalhar duro, nos esforçar e usar tudo que temos para a glória de Deus e para a salvação de almas. Mas para fazermos isso, temos que definir bem a linha divisória da fé que há no nosso coração que nos leva a procurar fazer primeiro a obra do Espírito. Quando estivermos preocupados e nossa carne em conflito, aí é que devemos pôr em prática ainda mais a nossa fé espiritual. Se não fizermos isso, acabaremos decepcionados e tudo será muito trabalhoso para nós. Mas se olharmos para obra de Deus por um ângulo espiritual, tudo será maravilhoso e frutífero.
 
 
Temos que nos preocupar mais em fazer a obra Espiritual
 
Precisamos nos dedicar mais para salvar as almas perdidas. E temos que dar mais atenção a isso do que a qualquer outra coisa. É exatamente isso que Deus nos diz aqui. Então surge a pergunta: “Como você está vivendo agora?”
Vamos ver se estamos gastando mais tempo com as coisas da carne ou do Espírito. Como somos seres humanos, é natural que dediquemos tempo às coisas da carne e do Espírito. Mas já que nascemos de novo, temos que dar mais atenção às coisas do Espírito. Temos que nos preocupar com a salvação das almas perdidas, e não com os porcos que se afogaram.
No entanto, há muitos que já foram salvos mas pedem a Jesus para partir, pois não conseguem esquecer os porcos que perderam. Estes precisam se arrepender, pois isso está errado. Eles aceitaram o evangelho e nasceram de novo, mas dizem que não conseguem levar uma vida de fé assim, que não podem fazer somente a obra do Espírito. Dizem também que só poderão seguir o Senhor se forem bem sucedidos materialmente, ou seja, se o número de porcos em seu rebanho aumentar. Mas isso é errado, amados irmãos. E infelizmente há muitas pessoas que pensam assim.
A Bíblia diz que nosso espírito deve ser pleno primeiro para que possamos prosperar materialmente. Mas aqueles que não creem nisso pensam diferente e acham que deve ser o contrário. Se sua alma crescer espiritualmente, você prosperará materialmente. É cem por cento garantido de que quando seu espírito for pleno, sua vida material será também, como está escrito: “Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas, e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma” (3 João 1:2). Não há prova alguma de que nossa carne prospera antes do nosso espírito. A Bíblia diz que devemos buscar o reino de Deus primeiro e a sua justiça antes de fazermos sua obra, pois assim todas as coisas nos serão acrescentadas. A obra de Deus deve ser prioridade. Se formos ver no que devemos pensar primeiro e também fazer, com certeza é a obra de Deus. Temos que pensar primeiro na obra do Espírito. Quem é espiritual deve fazer a obra do Espírito antes de qualquer coisa. Seja qual for a situação da nossa carne, seja ela má ou não, se servirmos ao evangelho do Senhor e o proclamarmos de todo o coração, Deus nos considerará pessoas realmente espirituais. Por mais que alguém seja reto e justo, ele será uma pessoa carnal se não fizer a obra do Senhor. Como vemos muito bem acima, nosso Deus deseja que vivamos segundo o Espírito.
Por que isso está registrado na Bíblia? Não sabemos quantos porcos do texto que lemos antes morreram, mas talvez tenham sido milhares. Só que eles valiam muito menos do que uma alma. Alguém que é realmente espiritual trocaria a alma de dois homens por milhares de porcos? Por isso que o Senhor está nos dizendo aqui que devemos ser pessoas de fé.
Jesus realizou uma grande obra de salvação quando esteve entre os gergesenos. Mas por causa do sistema de valores carnal das pessoas ali, eles pediram para Jesus ir embora. Todos nós estamos propensos a rejeitar o Senhor quando enfrentamos lutas e dificuldades em nossa vida espiritual. No entanto, não devemos ser como os cristãos que se corrompem e acabam buscando as coisas carnais. Devemos buscar o Espírito de todas as formas, além de pensar na obra de Deus e na salvação de almas primeiro. Temos que buscar a Deus acima e antes de tudo, além de fazer sua vontade em nossa vida de fé. É claro que isso não é tão fácil como parece; ao contrário, é muito difícil. Mas é assim que devemos viver. Não temos outra escolha senão levarmos uma vida espiritual e fazermos a obra do Espírito primeiro. Vocês estão entendendo, amados irmãos?
 
 
O certo é vivermos para salvar as almas perdidas
 
“E Jesus, vendo em torno de si uma grande multidão, ordenou que passassem para o outro lado; e, aproximando-se dele um escriba, disse-lhe: Mestre, aonde quer que fores, eu te seguirei. E disse Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.E outro de seus discípulos lhe disse: Senhor, permite-me que primeiramente vá sepultar meu pai. Jesus, porém, disse-lhe: Segue-me, e deixa os mortos sepultar os seus mortos.” (Mateus 8:18-22).
O Senhor fala sobre duas escolhas no texto acima: viver para o Espírito ou para a carne. E ele nos ensina que o certo é viver para o Espírito. Jesus era muito popular quando estava nesta terra. Mas as pessoas acabaram rejeitando-o e arrancaram suas vestes, o chicotearam, cuspiram em seu rosto, e o crucificaram. Mas ele foi um verdadeiro superstar em seu ministério nesta terra. Hoje eu vejo muitos cartazes de superstar. Mas Jesus era um verdadeiro superstar. Quem é aquele lá no céu? É um pássaro, um avião? Não, é o super-homem. Só que Jesus era mais popular que o super-homem e mais poderoso que ele. O super-homem não poderia alimentar quase dez mil pessoas no deserto, mas Jesus fez isso. Jesus era muito popular entre homens e mulheres quando estava nesta terra. Ele era popular entre os doentes e até entre os poderosos. Se houvesse um concurso de popularidade entre os israelitas, Jesus certamente tiraria o primeiro lugar. Por isso que o povo de Israel queria coroá-lo como seu rei. Jesus poderia ser rei em Israel se quisesse. Mas o que ele queria era ser Mestre da multidão que o buscava e clamava: “Mestre, mestre” e se atropelavam para estar junto a ele.
Certa vez um escriba procurou Jesus. E um escriba naquela época era um servidor público, que era um cargo muito importante. Ele foi até Jesus e disse: “Mestre, eu o seguirei aonde que fores.” Ele ficou impactado com Jesus depois que viu os sinais e milagres que o Senhor realizou. E queria tanto segui-lo que disse: “Jesus superstar, tu podes mesmo fazer todas as coisas. Se alguém estiver enfermo, tu curas; se alguém estiver com fome, tu alimentas; se alguém precisar de alguma coisa, tu supres. Portanto, eu o seguirei.”
Mas o Senhor lhe disse: “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.” Foi isso o que ele disse ao escriba. E é isso que ele nos diz: “Vocês querem me seguir porque demonstrei meu poder e posso dar-lhes muitas bênçãos neste mundo? Na verdade, eu não quero ser seu rei terreno ou ser muito popular entre vocês. Eu não estou interessado nas coisas carnais deste mundo. O Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça. As aves do céu têm ninhos, mas não o Filho do homem. Ele não tem nem casa. Por mais que me sigam para o resto da vida, eu não tenho nada para dar a vocês.” O que ele está dizendo é que o escriba deveria buscar as coisas espirituais, mas só quis segui-lo por causa de coisas carnais, escolhendo assim um caminho totalmente errado.
Temos que examinar a nós mesmos para vermos se estamos seguindo o Senhor pelas coisas carnais ou espirituais. Amados irmãos, como devemos viver depois que cremos em Jesus e recebemos a remissão de pecados? A questão é se vamos viver para salvar almas ou para buscar a prosperidade material. Temos que meditar bastante sobre isso.
Já que vivemos nesta terra, é natural que desejamos ser prósperos. E como ainda somos humanos, queremos crescer tanto material como espiritualmente. Mas se tivéssemos que escolher entre os dois, qual escolheríamos? Qual seria a escolha certa? É disso que estou falando. Primeiro temos que perguntar a nós mesmos se vamos fazer a obra para salvar almas ao longo da vida ou procurar satisfazer nossa carne. O que deveríamos escolher? É claro que nos dedicar à obra para salvar almas é a escolha certa.
Alguém pode até perguntar: “Qual será sua escolha?” E eu responderei: “Eu escolho fazer a obra para salvar almas.” Então a pessoa fará outra pergunta: “Você não deseja viver para as coisas do mundo, já que é um ser humano?” É claro que eu desejo isso. Mas embora eu seja um ser humano e deseje viver para as coisas do mundo, não é certo dar lugar aos desejos carnais e buscar somente as coisas materiais. Eu não estou dizendo que odeio as coisas da carne, mas como nascido de novo, eu abomino estas coisas e não as busco. Por isso que eu rejeito as coisas da carne.
Temos que rejeitar a forma que vivemos até hoje e considerar como vamos viver a partir de agora. Vamos viver pelo espírito ou pela carne? É claro que vamos viver pelo espírito. Mas o que significa viver pelo espírito? Não significa fazer a obra para salvar as almas perdidas? Não é pregar o evangelho para que elas recebam a salvação? Não é a obra de viver para o Espírito? Não importa como seja daqui para frente então, “não devemos viver pelo espírito, ou seja, para as obras espirituais de Deus?”
Eu não tenho muitas habilidades ou dons, mas já que o certo é viver pelo espírito, é isso que vou fazer. E em tudo que sou falho ou necessito, é assim que oro sempre a Deus: “Senhor, me dê tudo que preciso. Se tu fizeres isso, não precisarei de mais nada. Tudo que me deres, eu aceitarei. E eu creio que proverás tudo em minha vida. Eu não consigo me concentrar em duas coisas de uma vez, só em uma. Permita que eu faça a obra para salvar almas então. Eu quero me dedicar a esta obra espiritual, pois sei que o certo é viver pelo espírito. Apesar de saber que por mim mesmo não posso fazer a obra da fé, procurarei fazer o que é certo e dedicarei minhas mãos, meus pés, meus lábios, meu coração, minha mente, minha alma e tudo que possuo a ti para o resto da minha vida.”
O Senhor nos diz que devemos viver para salvar as almas perdidas. E precisamos nos apegar ao que o Senhor nos disse, que ‘as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça’. Deus concede as bênçãos que todas as criaturas deste mundo precisam. Até os pássaros do céu tem um ninho para se abrigar quando chega a noite. E pela manhã eles acordam, saem para voar no céu que Deus preparou para eles, se alimentam de insetos e vivem alegremente.
Só que nosso Senhor não tinha um lugar para reclinar a cabeça quando estava nesta terra. E o que isso quer dizer? Que ele não tinha uma casa. O Senhor não tinha uma casa material. Se Jesus quisesse prosperidade material, ele teria se tornado o rei da nação ou de todo o mundo. Ele poderia ter recebido toda a glória dos povos e reinar como um rei bem sucedido. Mas o Senhor abriu mão de todas as coisas materiais para salvar a alma do homem, ou seja, nossa própria alma.
O ministério terreno do Senhor durou três anos, e um dia no jardim do Getsêmani, antes de morrer na cruz, ele orou: “Se possível, passe de mim este cálice.” Jesus se alegrou e sofreu como todos nós. Ele sabia muito bem o que a carne deseja, mas nunca cedeu a este desejo. O que Senhor desejava então? Seu desejo era salvar as almas perdidas. Por isso que ele seguiu apenas o Espírito Santo.
As pessoas voltam ao pó quando morrem ou se tornam um punhado de cinzas. Nós deveríamos ir a um crematório de vez em quando. Até mesmo quem é muito rico se torna um punhado de cinzas depois que morre e seu corpo é cremado. E não sobra mais do que um pote de cinzas depois que o corpo de alguém é cremado. Toda a cartilagem é queimada, assim como os joelhos, os tornozelos e até os mínimos ossos. Quase todos os ossos são consumidos. Alguns ossos grandes que sobram são enterrados. Mas se o forno for mais aquecido, tudo se torna em cinzas. E para a família não ficar muito comovida, eles deixavam algumas partes. Então, todos quando morrem se tornam pó ou um punhado de cinzas. E a quantidade de cinzas depois que alguém morre não é muita. Se abrirmos uma sepultura, veremos o corpo totalmente em decomposição lá no fundo. E como o caixão não resiste muito também, veremos muito ossos na terra. O solo fica diferente depois disso, e se tentarmos tirar as cinzas, só conseguiremos um punhado. Todos nós seremos um punhado de cinzas algum dia.
Mas a alma do homem sempre existirá. Se crermos que Jesus nasceu nesta terra, levou todos os nossos pecados ao ser batizado por João Batista, foi condenado a morrer na cruz em nosso lugar e ressuscitou dos mortos, nossa alma viverá para sempre. Portanto, foi o próprio Senhor que completou a obra que dura para sempre, que foi nos salvar de todos os nossos pecados. E seu desejo é que os discípulos que o seguem façam a mesma obra do Espírito. Por isso que ele diz a todos nós em Mateus 8:18-22 que nosso coração deve estar voltado para fazer a obra do Espírito por toda a nossa vida. Não devemos fazer as obras da carne. E embora as façamos de vez em quando, o propósito do nosso coração deve ser fazer a obra espiritual. É isso o que o Senhor está nos dizendo hoje.
Enquanto Jesus falava com o escriba, um de seus seguidores que estava ao seu lado lhe disse: “Senhor, permite-me que primeiramente vá sepultar meu pai.” No que Jesus respondeu: “Segue-me, e deixa os mortos sepultar os seus mortos.”
Nosso Senhor fez uma distinção bem clara entre a vida e a morte, entre as coisas que perecem e a vida eterna quando disse isso. Ele disse que não devemos fazer nada que perece, pois isso é algo fútil e sem sentido. A obra mais valiosa e eterna é levar as pessoas a receber a remissão de pecados e a vida eterna como filhos de Deus. E o desejo de Deus é que façamos a obra para salvar almas, a fim de que todos recebam a remissão de pecados e suas bênçãos celestiais nesta vida e na vindoura.
Nosso Senhor disse aos seus discípulos: “Segue-me, e deixa os mortos sepultar os seus mortos.” Amados irmãos, a Palavra que Jesus disse aos discípulos é a mesma que ele nos diz hoje, que devemos ter um coração que deseja segui-lo após crermos nele e recebermos a remissão de pecados. Como devemos viver então? Devemos viver para a carne ou para o Espírito? Deus quer que façamos a obra do Espírito para o resto da vida. É assim que ele quer que vivamos. O Senhor disse: “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo” (Hebreus 9.27). Deus quer que façamos a obra espiritual agora, antes de partirmos para encontrá-lo.
 
 
Devemos estar muito seguros
 
Já que ainda vivemos neste mundo, certamente vamos passar momentos de lutas e dificuldades. Há muitos conflitos em nosso coração quando temos que decidir se vamos viver para fazer a obra do Espírito ou da carne. Embora não consiga fazer cem por cento de tudo, meu coração está voltado para fazer a obra espiritual minha vida toda, pois tenho certeza que isso é o certo a fazer. De agora em diante, eu vou fazer a obra do Espírito para o resto da minha vida antes de partir para o Senhor; eu vou me dedicar totalmente a esta obra. E eu quero dizer a todos vocês, meus irmãos, que voltem seu coração para fazer a obra do Espírito em sua vida, embora ainda estejam nesta terra.
Vocês precisam fazer isso para não se arrepender depois e ter uma vida abençoada na presença de Deus. E isso também fará com que muitos recebam a remissão de pecados através de nós. Não podemos esquecer que somos abençoados porque temos a fé de Abraão, e muitos serão abençoados se viverem pelo Espírito, inclusive nossos familiares. Se desistirmos de viver pelo Espírito, não seremos nós a morrer, mas muitos vão seguir por um caminho de destruição. Precisamos entender que se não cumprirmos com nossas responsabilidades, nossa alma será salva, mas nossa carne será destruída, como está escrito: “Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo” (1 Coríntios 3:15). Portanto, não há dúvida alguma de que devemos fazer a obra do Espírito.
Temos que fazer a obra do Espírito com o Senhor para o resto da vida, a fim de que possamos ir ao seu encontro depois. Apesar de sermos fracos e falhos em muitas áreas, temos que fazer a obra do Espírito e pregar o evangelho da água e do Espírito para o máximo de pessoas que pudermos. Também temos que orar por elas e viver para salvar outras almas a fim de que elas tenham uma nova vida. E quando o Senhor nos chamar ou vier nos buscar, iremos para junto dele. Temos que levar uma vida importante e uma fé que valha a pena. Os que ajudam as pessoas a voltar para o caminho correto, ou seja, a voltar para o Senhor, brilharão como o sol. O Senhor disse que “os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai.” (Mateus 13:43). E ele também disse:
“Os que forem sábios, pois, resplandecerão
Como o fulgor do firmamento;
E os que a muitos ensinam a justiça,
Como as estrelas sempre e eternamente.” (Daniel 12:3).
Como está escrito no livro de Daniel e de Mateus, temos que viver o resto da nossa vida como instrumentos que levam muitos a voltar para Jesus Cristo e ser vestidos da sua justiça.