The New Life Mission

Sermões

Assunto 9: Romanos

[Capítulo 1-1] Introdução a Romanos Capítulo 1

“A Epístola de Paulo, o Apóstolo, aos Romanos” pode ser considerada como o tesouro da Bíblia. Ela é frequentemente lida com a questão de como alguém pode obter a Justiça de Deus pela fé no evangelho da água e do Espírito. Comparando Romanos à Epístola de Tiago, alguém definiu aquela como “a palavra do tesouro” e a última como “as palavras de palha”. Contudo, Tiago é a Palavra de Deus da mesma forma que Romanos também é. A única diferença é que a Epístola de Romanos é preciosa porque provê uma visão geral da Bíblia, enquanto a carta de Tiago é preciosa, pois é a Palavra que faz o justo viver pela vontade de Deus.
 

Quem é o homem Paulo?

Vamos ler inicialmente Romanos 1:1-7. “Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus, o qual foi por Deus, outrora, prometido por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras,
com respeito a seu Filho, o qual, segundo a carne, veio da descendência de Davi e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor, por intermédio de quem viemos a receber graça e apostolado por amor do seu nome, para a obediência por fé, entre todos os gentios,
de cujo número sois também vós, chamados para serdes de Jesus Cristo. A todos os amados de Deus, que estais em Roma, chamados para serdes santos, graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo”.
Estas passagens podem ser consideradas como “Saudações de Paulo aos Cristãos de Roma”. Paulo os saúda como um servo de Jesus Cristo, que se tornou a Justiça de Deus.
O verso 1 fala sobre a questão “quem é Paulo?”. Ele era um judeu que encontrou o Senhor Jesus ressuscitado em uma estrada para Damasco, e que foi um vaso escolhido por Deus (Atos 9:15) para espalhar o evangelho entre os Gentios.
 

Paulo espalhou o verdadeiro evangelho baseado no sistema sacrificial e nas profecias do Antigo Testamento

No verso 2, Paulo estava espalhando o evangelho baseado nas palavras do Antigo Testamento. Ele definiu “o evangelho de Deus” como “outrora, prometido por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras”. Por meio deste verso nós podemos ver que Paulo pregava o evangelho da água e do Espírito, baseado no sistema sacrificial do Antigo Testamento. Além disso, o verso 2 indica que Paulo foi escolhido para fazer a obra do evangelho.
A frase “por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras” implica na promessa de Deus em enviar Jesus Cristo, que aparece no sistema sacrificial ou nas profecias do Antigo Testamento. Todos os profetas do Antigo Testamento, incluindo Moisés, Isaías, Ezequiel, Jeremias e Daniel, testemunharam o fato que Jesus Cristo viria a este mundo e morreria na Cruz após receber todos os pecados do mundo.
Qual é o evangelho que Paulo divulgou? Ele pregava o evangelho da água e do Espírito que falava sobre o Filho de Deus, Jesus Cristo.
Algumas pessoas dizem que as palavras do Antigo Testamento já terminaram, e outras insistem no mesmo ponto, apresentando as palavras de Mateus 11:13 como prova. Alguns evangelistas bem conhecidos até mesmo ignoram todo o Antigo Testamento.
Contudo, Deus fez a promessa para nós através do Antigo Testamento e Ele cumpriu esta promessa por meio de Jesus Cristo no Novo Testamento. Portanto, no mundo da fé, o Novo Testamento não pode existir sem o Antigo Testamento, e da mesma forma, as palavras do Antigo Testamento não podem ser cumpridas sem as palavras do Novo Testamento.
Paulo, o Apóstolo, foi escolhido para o evangelho de Deus. Portanto, a pergunta é, “Que tipo de evangelho ele pregava?”. Ele pregava o fato de Jesus Cristo vir a este mundo e ter nos salvado de todos os pecados por meio do evangelho da água e do Espírito, baseado no Antigo Testamento. Dessa forma, sempre que nós estamos pregando o evangelho da água e do Espírito, nós devemos fazê-lo baseados nas profecias e no sistema sacrificial do Antigo Testamento. Apenas assim as pessoas irão crer que o evangelho da água e do Espírito é verdadeiro, e que o Novo Testamento é o cumprimento das palavras do Antigo Testamento.
No início do Novo Testamento, nós podemos perceber que foi colocada uma ênfase no batismo que Jesus recebeu de João, e no Seu sangue na Cruz. Já no cerne do Antigo Testamento, havia o sistema sacrificial, que era o caminho da redenção para o pecador. A pessoa tinha que transferir seus pecados colocando suas mãos na cabeça da oferta e sacrificá-la, para ser perdoada de seus pecados.
Assim, se fazia a imposição de mãos e o sacrifício de animais para a remissão de pecados no Antigo Testamento. O que, então, havia no Novo Testamento? Havia o batismo que Jesus recebeu e havia também o Seu sangue derramado na Cruz. Além disso, o Sumo Sacerdote mencionado no Antigo Testamento (Levíticos 16:21) era o equivalente a João Batista no Novo Testamento.
Os versos 3 e 4 falam sobre a pergunta, “Que tipo de pessoa era Jesus?”. Os versos explicam Suas características gerais. Jesus Cristo era fisicamente nascido na linhagem de Davi, e pelo Espírito de santidade Ele foi reconhecido como Filho de Deus pelo Seu poder de ressurreição dentre os mortos. Portanto, Ele se tornou o Salvador dando a água e o sangue para aqueles que Nele creram. Jesus Cristo se tornou o Deus de salvação, o Rei dos reis, e o eterno Sumo Sacerdote do Céu, para aqueles que Nele creram.
Em algumas teologias cristãs, a divindade de Jesus tem sido negada. Estas teologias dizem, “Ele foi apenas um jovem notável”. Além disso, segundo Nova Teologia, “há salvação em todas as religiões”. Portanto, nos seminários liberais, as pessoas insistem que eles têm que aceitar o exorcismo, Budismo, Catolicismo e todas as outras religiões deste mundo. Esta tão falada Teologia Liberal ou Nova Teologia diz que todos devem se respeitar, e, portanto, todos os humanos devem se unir e se tornar “um”.
Contudo, foi dito claramente na Bíblia que no início, Deus criou o Céu e a Terra. Então, quem é este Deus? É Jesus Cristo. O nome ‘Cristo’ significa ter sido ungido com óleo. No Antigo Testamento, um rei ou um profeta era ungido pelo Sumo Sacerdote. Portanto, Jesus é referido como o Rei dos reis. Uma pessoa que nega Jesus como Deus não crê verdadeiramente em Deus.
Hoje em dia a fé das pessoas pelo mundo está se voltando para o Ecumenismo, baseado em um pluralismo religioso. As pessoas louvam e dão graças enquanto misturam todo tipo de elementos de religiões bárbaras, como o Budismo ou o Confucionismo. Algumas vezes, a congregação adora de uma forma Budista, e outras vezes, de uma forma Cristã. Bem, parece ser uma deliciosa mistura de alimentos. Contudo, quando nos voltamos para a fé, o melhor é a pureza.
Portanto, a resposta para a pergunta nos versos 3 e 4, sobre “quem é Jesus” é que Ele é Aquele que foi reconhecido como o Filho de Deus pelo Seu poder da ressurreição da morte. Cristo tornou-se nosso Senhor e Salvador.
Os versos 5 e 6 falam sobre como Paulo se tornou um Apóstolo por meio da ação divina. Ele se tornou uma testemunha para pregar o evangelho aos gentios, para que eles pudessem receber a salvação crendo em Jesus Cristo.
    
 
Que tipo de autoridade o Apóstolo Paulo tinha?

Como está escrito no verso 7, o Apóstolo Paulo tinha a autoridade para abençoar os crentes em Jesus pelo nome de Deus. A autoridade de um Apóstolo significa o poder espiritual de ser capaz de abençoar todas as pessoas pelo nome de Jesus Cristo.
Portanto, Paulo podia dizer, “Graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo”.
Neste ponto, gostaria de pensar um pouco mais sobre esta bênção. Parece que o Apóstolo Paulo tinha a autoridade de abençoar as pessoas, e sempre que nós terminamos os cultos dominicais, nós encerramos com uma bênção. “Deus deseja dar este tipo de bênção para os santos”. As palavras originais de bênção são as seguintes.
Vamos começar com Números 6:22-26. “Disse o Senhor a Moisés: Fala a Arão e a seus filhos, dizendo: Assim abençoareis os filhos de Israel e dir-lhes-eis: O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o rosto e te dê a paz”.
Foi dito para Arão, o Sumo Sacerdote, e para os seus filhos, “assim abençoareis os filhos de Israel”. Se eles abençoassem os Israelitas desta forma, Deus realmente os abençoaria como está dito nas Escrituras. Quando nós olhamos as Epístolas de Paulo, podemos perceber que ele frequentemente dizia, “A Graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém”. Isto indica que não era ele que daria as bênçãos, mas que Deus faria isso. Portanto, o Apóstolo Paulo sempre dava a bênção para os santos quando ele encerrava suas Epístolas.
Paulo tinha a autoridade de abençoar o povo de Deus. Esta autoridade não foi dada para todos os ministros Cristãos. Pelo contrário, foi dada apenas para os servos de Deus. Quando os servos de Deus dão a bênção dizendo que realmente desejam distribuir as bênçãos, então Deus realmente concede estas bênçãos, conforme foi dito.
Deus não dá autoridade celestial apenas para os Seus servos, mas também o faz com aqueles que são nascidos de novo. Deus diz, “Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos”. (João 20:23). Ele garante a todos os justos este tipo de autoridade. Portanto, devemos tomar cuidado para não confrontar os santos nascidos de novo ou os servos de Deus, porque isso é o mesmo que confrontar a Deus. Dessa forma, Deus tem garantido a autoridade de abençoar e amaldiçoar a Seus Apóstolos bem como aos seus servos e aos justos.
 

O Apóstolo Paulo desejava compartilhar os dons espirituais com os santos

Leiamos Romanos 1:8-12. “Primeiramente, dou graças a meu Deus, mediante Jesus Cristo, no tocante a todos vós, porque, em todo o mundo, é proclamada a vossa fé.
Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito, no evangelho de seu Filho, é minha testemunha de como incessantemente faço menção de vós em todas as minhas orações, suplicando que, nalgum tempo, pela vontade de Deus, se me ofereça boa ocasião de visitar-vos. Porque muito desejo ver-vos, a fim de repartir convosco algum dom espiritual, para que sejais confirmados, isto é, para que, em vossa companhia, reciprocamente nos confortemos por intermédio da fé mútua, vossa e minha”.
Primeiramente, por que o Apóstolo Paulo agradece a Deus? Ele agradece pelos Cristãos em Roma, porque eles acreditavam em Jesus e por meio deles o evangelho estava sendo pregado para outras pessoas.
Nos versos 9 e 10, alguém poderia fazer a pergunta, “Por que Paulo queria ir a Roma durante a sua viagem missionária?”. A razão para isso era que se o evangelho da água e do Espírito fosse pregado em Roma naquele tempo, ele seria espalhado para o mundo todo. Assim como o mundo inteiro hoje se volta para a América, nos tempos antigos, Roma era o centro do mundo, como se dizia, “Todos os caminhos levam a Roma”.
Nós estamos trabalhando muito para pregar o evangelho na América. Se nós espalharmos este evangelho da água e do Espírito na América, muitos missionários surgirão e sairão pelo mundo para pregar este belo evangelho para os outros. Portanto, Paulo desejava ir para Roma.
 

O dom espiritual a que Paulo se refere

No verso 11, está escrito, “Porque muito desejo ver-vos, a fim de repartir convosco algum dom espiritual, para que sejais confirmados”.
O que Paulo quer dizer com repartir algum dom espiritual para que as pessoas sejam confirmadas? O dom espiritual sobre qual Paulo fala é o evangelho da água e do Espírito, que nós estamos pregando. No verso 12, está escrito, “isto é, para que, em vossa companhia, reciprocamente nos confortemos por intermédio da fé mútua, vossa e minha”. Dizer que algum dom espiritual seria repartido para permitir que as pessoas fossem encorajadas com a fé mútua foi porque pelo evangelho da água e do Espírito, Paulo queria que as pessoas descansassem, tivessem conforto, recebessem as bênçãos, e tivessem comunhão dentro do mesmo tipo de fé.
Ao dizer que queria ser encorajado juntamente com eles pela fé mútua o Apóstolo Paulo mostra que desejava pregar o evangelho da água e do Espírito mais uma vez para a Igreja de Roma. Agora, todos os irmãos da Igreja entendiam e criam no evangelho da água e do Espírito, mas parecia haver alguns Cristãos que não mais criam no verdadeiro evangelho com o passar do tempo. Desta forma, a Igreja de Roma parecia necessitar de uma renovação do evangelho.
Portanto, Paulo disse que ele ficaria confortado pela fé mútua. De fato, nós recebemos conforto na presença de Deus e nosso coração pode descansar em paz graças à fé no evangelho da água e do Espírito. Nós não poderíamos descansar em paz sem este evangelho.
Além disso, está escrito, “Porque muito desejo ver-vos, a fim de repartir convosco algum dom espiritual, para que sejais confirmados”. Este dom espiritual é o evangelho da água e do Espírito. A pessoa só pode tornar-se filha de Deus e receber bênção quando crer no evangelho da água e do Espírito.
Contudo, de que vale para as pessoas viver virtuosamente ou cheios de fé, largando o cigarro e a bebida, e sem cometer erros, se elas não conhecem o evangelho da água e do Espírito, apesar de conhecerem a Jesus? Suas obras nada têm a ver com a Justiça de Deus. Esta Justiça é muito maior do que os seres humanos. É fácil levar uma pessoa à Igreja, mas é mais importante pregar o evangelho da água e do Espírito para estes novos crentes para que eles possam ser perdoados pelos seus pecados e tornarem-se filhos de Deus, sendo revestidos pelas bênçãos espirituais do Céu.
O Apóstolo Paulo queria que os santos em Roma fossem encorajados por meio de sua própria fé. Então ele disse, “isto é, para que, em vossa companhia, reciprocamente nos confortemos por intermédio da fé mútua, vossa e minha”. Portanto, Paulo tinha que pregar o verdadeiro evangelho para toda a congregação da Igreja para permitir que eles tivessem fé, e assim seriam fortalecidos pela sua própria fé no evangelho da água e do Espírito. Ele tinha que entregar aos crentes da Igreja em Roma o evangelho da água e do Espírito Santo, e ensiná-los o que ele realmente era.
Isto foi o que fez o Apóstolo Paulo diferente dos outros evangelistas do mundo atual. Na Epístola de Paulo aos Romanos, o Apóstolo disse que queria estar na companhia deles, para compartilhar um dom espiritual, para que ambos fossem confortados. Isso é o que todos os pregadores das Igrejas de hoje deveriam aprender de Paulo. Ele costumava pregar o evangelho da água e do Espírito, com o qual as pessoas podiam discernir entre os verdadeiros e os falsos irmãos.
Atualmente, as Igrejas permitem que um grupo de novos participantes receba os ensinamentos doutrinários por um período de 6 meses, e em um ano, eles finalmente são batizados. E é só isso. Eles são batizados não importando se conhecem ou não o evangelho da água e do Espírito que Jesus cumpriu. Em outras palavras, apesar das pessoas se tornarem membros de uma Igreja, elas não podem se tornar filhas de Deus que obtiveram a Sua justiça. A única coisa que os pastores das Igrejas exigem de seus novos membros é que eles memorizem os dez mandamentos e o credo dos Apóstolos. Se os novos crentes passam no teste de memória, então eles são questionados, “Você largará a bebida? Irá parar de fumar? Você vai dar o dízimo todo mês? Você levará uma vida correta?”.
A razão pela qual as Igrejas da Europa, Ásia e de todo o mundo se distanciaram da Justiça de Deus é porque elas perseguem a justiça humana. Hoje em dia na Coréia, ou na tão falada “Jerusalém da Ásia”, a população de Cristãos está diminuindo. Agora chegou o tempo em que ninguém quer ir à Igreja, a não ser que haja um evento especial, como um festival de louvor ou um concerto de música pop. Mesmo quando as pessoas comparecem, os sermões comuns que são ministrados à juventude contêm temas como, “Não fume, viva uma vida virtuosa, guarde os domingos e faça trabalho voluntário”, isso nada tem a ver com a Justiça de Deus.
Porque o ser humano está inclinado ao pecado e é muito fraco para parar de pecar, ele deve confiar no Senhor Jesus. Portanto, quando as pessoas vêm à Igreja de Deus, nós devemos pregar o evangelho da água e do Espírito para que elas possam obter a Justiça de Deus. Nós devemos transmitir a estas pessoas a Justiça de Deus, que diz que nós fomos libertos dos pecados, apesar de ainda sermos fracos.
Guarde isto em seu coração. A pessoa só pode viver segundo a vontade de Deus após ser liberta dos pecados, crendo na Justiça de Deus. Alguém pode pregar o evangelho uma vez que seus próprios problemas de pecados foram resolvidos. Nosso trabalho de transmitir o evangelho para os outros não deve preceder a tarefa de resolver nossos próprios problemas de pecados. Uma pessoa nunca pode pregar o verdadeiro evangelho para os outros antes de resolver os seus próprios problemas de pecados.
Fala-se que Paulo realmente compartilhou algum dom espiritual com os outros. O dom a que Paulo se referia não é o dom de línguas estranhas ou de cura, pregados pelo Movimento Pentecostal no Cristianismo atual. Grande parte dos Cristãos consideram alguns estranhos fenômenos como ter visões, profecias, falar em outras línguas, ou curar doenças, como dons.
Contudo, estas coisas não são dons espirituais do Céu. Ter visões enquanto se faz uma oração definitivamente não é um dom espiritual. Uma pessoa gritando ou uma pessoa em uma caverna ficando louca enquanto ouve estranhos sons e não dorme por três dias, não é um dom de Deus. Uma pessoa que diz que é capaz de falar em outras línguas e cai inconscientemente no chão após gritar estranhas palavras como “la-la-la-la” com a língua enrolada, não é um sinal da presença do Espírito Santo. Pelo contrário, parece mais com pacientes de uma instituição de tratamento mental. Contudo, existem os chamados “reavivalistas carismáticos” que insistem que eles podem ensinar aos Cristãos como falar em outras línguas ou como receber o Espírito Santo. Eles estão fazendo algo muito errado e a fé que eles possuem definitivamente não está correta.
A água viva do Espírito Santo flui dos corações quando nós fazemos com fé a obra espiritual de Deus e seguimos ao Senhor Jesus. A água do Espírito Santo irá fluir em nossos corações quando nós abandonarmos as obras da carne e seguirmos as obras espirituais.
Os Cristãos devem obter o dom espiritual da remissão dos pecados pela fé no evangelho da água e do Espírito. Dizem que numerosos Cristãos estão indo em direção ao inferno por meio das cadeiras das Igrejas de hoje. Isto indica que a Igreja atual desenvolve a justiça humana em vez de pregar a Justiça de Deus.
Irmãos, ainda que alguém acumule muita justiça humana após frequentar uma Igreja, isto não significa que tal pessoa pode receber o dom espiritual por tais obras. Nós devemos guardar a Justiça de Deus em nossos corações pela fé no evangelho da água e do Espírito para que nós possamos obter o dom espiritual.
Vamos ler os versos 13 a 17. “Porque não quero, irmãos, que ignoreis que, muitas vezes, me propus ir ter convosco (no que tenho sido, até agora, impedido), para conseguir igualmente entre vós algum fruto, como também entre os outros gentios. Pois sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes; por isso, quanto está em mim, estou pronto a anunciar o evangelho também a vós outros, em Roma. Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”.
O Apóstolo Paulo desejava ir a Roma. Contudo, ele não podia ir porque estava impedido. Portanto, ele tinha que orar pedindo que a porta de sua obra missionária fosse aberta. Da mesma forma, nós devemos fazer o mesmo tipo de oração enquanto estamos pregando o evangelho pelo mundo por meio deste ministério de literatura. Apenas quando nós oramos o coração de Deus é movido, e só quando Deus abre a porta e o caminho, nós somos capazes de pregar o evangelho da água e do Espírito pelo mundo.
 

Paulo que possuía um débito com todas as pessoas

A quem Paulo disse que tinha uma dívida, e a que tipo de dívida ele se refere nos versos 14 e 15? Ele disse que se tornou devedor tanto dos gregos como dos bárbaros, e que devia a todos a pregação do evangelho da água e do Espírito. Ele acrescentou que era devedor tanto dos sábios como dos ignorantes. Portanto, ele desejava pregar o evangelho para estas pessoas em Roma da melhor forma que pudesse.
Assim, o propósito de Paulo em escrever a carta para a Igreja era entregar o verdadeiro evangelho. Ele percebeu que mesmo nos corações dos membros da Igreja de Roma, o evangelho da água e do Espírito ainda não estava firmado pela fé, e, portanto, ele se refere ao evangelho como um dom espiritual. Dessa forma, ele pregou o evangelho para aqueles que já estavam dentro da Igreja, bem como para as pessoas de todo o mundo. Ele disse que era devedor dos sábios, dos ignorantes, dos gregos e dos bárbaros.
Que tipo de dívida Paulo possuía? Ele possuía o débito de pregar o evangelho da água e do Espírito e o Espírito Santo para todas as pessoas no mundo. Ele insistiu em pagar todo o débito que possuía para as pessoas no mundo. Da mesma forma, ainda hoje as pessoas que têm o evangelho da água e do Espírito devem a propagação do evangelho. O débito que eles têm que pagar é o trabalho de espalhar o evangelho. Esta é a razão pela qual nós temos que espalhar o evangelho da água e do Espírito para todo mundo.
As pessoas pensam erroneamente que apenas o sangue de Jesus é a salvação. Contudo, o evangelho celestial que a Bíblia nos traz é o evangelho da água e do Espírito, que o Apóstolo Paulo testemunhava. Portanto, em Romanos 6, Paulo disse que  foi batizado em Jesus Cristo e também na Sua morte. Como havia crentes na Igreja de Roma que só acreditavam no sangue da Cruz, Paulo queria levar até eles o segredo do batismo que Jesus recebeu. Da mesma forma, nós devemos pregar o evangelho da água e do Espírito para aqueles que ainda não ouviram sobre ele, apesar de estarem dentro da Igreja.
Quando os Cristãos são questionados se possuem ou não pecados, eles consideram tal pergunta como inútil. Contudo, tal pergunta é de fato muito importante e valorosa. Se os humanos estão destinados a ir para o inferno em razão de seus pecados, quem irá perguntar este tipo de coisa e irá prover uma solução? Apenas uma pessoa que não tenha pecados em seu coração, após ter nascido de novo pelo evangelho da água e do Espírito pode fazer tal pergunta e também dar a resposta correta para as pessoas. Apenas os nascidos de novo podem guiar os pecadores rumo à salvação, pela pregação do evangelho da água e do Espírito, do qual os pecadores nunca ouviram falar.
Irmãos, mesmo que alguém creia em Jesus, mas não tenha nascido de novo da água e do Espírito, tal pessoa não verá o Reino de Deus. Dessa forma, agradeça quando você encontrar pessoas que permitem que os pecadores recebam a remissão dos pecados por meio da pregação do evangelho da água e do Espírito. Assim, você irá receber grandes bênçãos.
 

O evangelho do qual Paulo não se envergonhava

No verso 16, qual era o evangelho do qual o Apóstolo Paulo não se envergonhava? Era o evangelho da água e do Espírito. Porque este evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. A razão pela qual ele não se envergonhava do evangelho da água e do Espírito era porque este evangelho liberta as pessoas do pecado e destrói as barreiras do pecado que separam a humanidade de Deus.
Pode haver libertação dos pecados quando as pessoas só acreditam no evangelho do sangue na Cruz? É aparentemente possível lavar os pecados cometidos até agora com este tipo de fé, mas é impossível limpar os pecados futuros. Portanto, as pessoas com este tipo de fé tentam ser libertas de seus pecados por meio de orações de arrependimento todos os dias. Elas confessam que seus corações estão cheios de pecados, que elas são pecadoras. Estes Cristãos pecadores não podem falar sinceramente sobre o evangelho para os outros, porque “o evangelho” que eles possuem não é mais do que “boas novas” para eles.
Evangelho é “euaggelion” no Grego, em outras palavras, é o evangelho que pode tirar todos os pecados deste mundo. O único evangelho verdadeiro é como dinamite. Este evangelho elimina todos os pecados do mundo. Portanto, uma pessoa como Paulo, que cria neste evangelho da água e do Espírito que tem o poder de eliminar os pecados, não se envergonhava dele. Hoje em dia, os Cristãos parecem se envergonhar de pregar o evangelho. Contudo, aqueles que possuem a Justiça de Deus são pessoas que demonstram mais dignidade quando pregam o evangelho. 
O Apóstolo Paulo não tinha nem mesmo um pouquinho de vergonha de pregar o evangelho. Isso porque o evangelho que ele estava pregando era o evangelho da água e do Espírito. Porque este belo evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.
Este evangelho, poderoso, é que permite que todos que acreditam nele possam ter seus pecados remidos, não importando quem o pregou. Os pecados do mundo foram completamente lavados. Contudo, o evangelho que fala só do sangue de Cristo fala de uma salvação incompleta para as pessoas, pois diz que apenas o pecado original é eliminado, e que, portanto, os outros pecados têm que ser eliminados por meio de orações diárias de arrependimento.
Jesus só levou uma parte de nossos pecados porque Ele não era poderoso o suficiente? Como Jesus conhecia bem os humanos, Ele não deixou para trás nenhum pecado. Ele levou sobre Si todos os pecados com a água, o sangue e o Espírito Santo. Eu creio que este belo evangelho dá a completa salvação dos pecados para todo aquele que ouvir e crer no evangelho do batismo de Jesus e no Seu sangue derramado na Cruz.
Portanto, o evangelho tem o mesmo poder para todos, tanto para gregos, quanto para judeus. O evangelho da água e do Espírito concede a mesma salvação dos pecados para todos que creem em Jesus, quando este evangelho é pregado. Por outro lado, quando alguém prega outra coisa, que não o evangelho da água e do Espírito, tal pessoa receberá a ira de Deus. Paulo disse, “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema”. (Gálatas 1:8). O Apóstolo disse claramente que só existe um evangelho verdadeiro, o evangelho da água e do Espírito.
Não importa se alguém é gentio ou judeu, ou se crê no Islamismo, Confucionismo, Budismo, Taoísmo, no deus sol ou em qualquer outra coisa, pois toda pessoa tem a chance de ouvir do evangelho. Além disso, este evangelho da água e do Espírito concede às pessoas a chance de serem salvas de todos os seus pecados. Então, nós devemos pregar que Jesus Cristo é Deus, que Ele criou o Universo, que Ele veio a este mundo como um homem para nos salvar, que Ele levou todos os nossos pecados sobre Si por meio do batismo de João, e que Ele recebeu o julgamento por nossos pecados ao morrer na Cruz.
Portanto, Paulo não se envergonhava do evangelho da água e do Espírito. Apesar do evangelho que fala somente da Cruz ser vergonhoso, o evangelho da água e do Espírito não pode ser de forma alguma vergonhoso, mas sim um poderoso evangelho que flui com orgulho e dignidade. Qualquer um que crer neste evangelho irá receber a plenitude do Espírito Santo pela fé no fato de que a pessoa se tornou filha de Deus. Novamente eu digo que o belo evangelho da água e do Espírito nunca pode ser um evangelho vergonhoso. Contudo, o evangelho que só acredita no sangue é vergonhoso.
Cristãos, vocês já se envergonharam de pregar o evangelho que fala somente do sangue na Cruz? Você se sentiu envergonhado quando você pregou e acreditou no evangelho que só fala do sangue, e que não se refere ao batismo de Jesus? Quando você não se envergonhava de pregar este tipo de evangelho, você sempre tinha que clamar ao Senhor Jesus ou fazer orações fanáticas em outras línguas para preencher seus sentimentos antes de sair às ruas gritando “Creia em Jesus. Creia em Jesus!”.
Isto é algo que uma pessoa só consegue fazer com sentimentos transbordantes, mas é algo que alguém não faria com uma mente sóbria. É por isso que aqueles que creem somente no sangue da Cruz clamam em altas vozes e causam distúrbios onde quer que eles estejam evangelizando. Tendo um megafone em suas bocas, eles simplesmente gritam as palavras, “Jesus, para o Céu, descrentes, para o inferno”. Contudo, um crente no evangelho da água e do Espírito prega o evangelho de uma forma gentil; enquanto ele abre sua Bíblia, ele bebe chá e conversa com os outros.
 

O que é dito sobre a Justiça de Deus?

No verso 17 o quê diz que é revelado no evangelho de Cristo? É dito que a “Justiça de Deus” é revelada no evangelho de Deus. A Justiça de Deus é completamente revelada no verdadeiro evangelho. Portanto, é dito que a Justiça de Deus é revelada nele de fé em fé, e que o justo viverá apenas pela fé. O evangelho que fala apenas do sangue na Cruz não contém a Justiça de Deus.
Irmãos se é dito que a pessoa que faz orações de arrependimento todos os dias por seus pecados, apesar de já ter alcançado o perdão por seu pecado original, torna-se gradualmente santificada para eventualmente se tornar uma pessoa justa, então será que este tipo de fé contém a Justiça de Deus? Isto não é algo em que a Justiça de Deus se revela. Algo que revela a Justiça de Deus deve falar sobre coisas perfeitas. O evangelho da água e do Espírito Santo fala sobre o perfeito evangelho, do início ao fim.
Pessoas que oferecem orações de arrependimento diárias porque estão cometendo pecados todos os dias são como se estivessem fazendo novas folhas de figueira para cobrir sua vergonha todo dia, ou talvez toda semana ou mês. Uma pessoa que repetidamente comete pecados e faz orações diárias de arrependimento age como se estivesse cobrindo seu próprio corpo vergonhoso com folhas de uma figueira. Este é o estado da vida religiosa daqueles que acreditam apenas no evangelho do sangue na Cruz. Eles são os ignorantes, que não desejam vestir as roupas de peles que Deus tem dado livremente, em vez disso, preferem vestir folhas de figueira.
O sangue de Jesus na Cruz foi resultado do Seu batismo, e não foi pelo sangue derramado na Cruz que Ele foi capaz de tirar todo o nosso pecado. Ele levou os nossos pecados no momento em que foi batizado, então foi para a Cruz, carregando todos os pecados do mundo, e morreu para expiar todos estes pecados. Portanto, a Cruz foi o resultado do batismo que Ele recebeu. Como Jesus recebeu todos os pecados do mundo por meio de Seu batismo, o sangue derramado na Cruz foi a Sua obra final para expiar todos os pecados. Jesus recebeu toda a maldição dos pecados na Cruz porque Ele tinha sido batizado.
Como nós podemos obter a Justiça de Deus? Nós podemos adquiri-la conhecendo e crendo no evangelho da água e do Espírito. Você pode me perguntar, “Você crê no evangelho da água e do Espírito?”. Então eu posso responder imediatamente ‘Sim’ para tal pergunta. O segredo de obter a Justiça de Deus é crer no evangelho da água e do Espírito.
A razão para isso é que o evangelho da água e do Espírito é a verdade e porque ele revela o amor e a Justiça de Deus. Também porque o evangelho da água e do Espírito contém a remissão dos pecados que Deus deu gratuitamente para toda a humanidade, o caminho para tornarem-se Seus filhos, a bênção da vida eterna pela qual a pessoa pode receber o Espírito Santo, e as bênçãos físicas e espirituais na Terra.
O Apóstolo Paulo disse que a Justiça de Deus foi completamente revelada no evangelho da água e do Espírito que ele pregava. Portanto, exaltar a justiça humana sem conhecer a Justiça de Deus é como pecar diante de Deus. Além disso, um evangelho que acredita apenas no sangue da Cruz, mas não contém a Justiça de Deus, é falso.
A Justiça de Deus se refere ao evangelho da água e do Espírito que Ele nos deu. O Antigo e o Novo Testamento nos salvam de nossos pecados. O Antigo Testamento prepara para o Novo Testamento, e o Novo cumpre as palavras das promessas contidas no Antigo Testamento. Deus nos salvou de todos os pecados do mundo nos dando o verdadeiro evangelho no qual a Sua Justiça é revelada. Portanto, Ele salvou a humanidade de todos os pecados.
Agora, o mundo inteiro deve se voltar para o evangelho da água e do Espírito. O único evangelho que salva as pessoas dos pecados é este. Irmãos, todos no mundo devem se voltar para este evangelho da água e do sangue, devem retornar para este evangelho da água e do Espírito, que contém a Justiça de Deus.
A razão para isso é que o evangelho da água e do Espírito é o único verdadeiro, que nos salva dos pecados. Apenas o evangelho que contém a Justiça de Deus pode nos salvar, nos fazer puros e nos tornar filhos de Deus. Além disso, o Espírito Santo dentro dos nossos corações nos protege, e o Espírito Santo intercede por nós, nos abençoa, sempre permanece conosco e nos dá o dom da vida eterna.
É impressionante ver que existem muitas pessoas que nem mesmo prestam atenção neste evangelho. Eu espero que todos creiam neste evangelho da água e do Espírito Santo, tendo um claro entendimento do batismo de Jesus. O batismo que Jesus recebeu de João não é algo que Ele aceitou porque era modesto. A razão pela qual Ele foi batizado foi para que pudesse receber todos os pecados do mundo. João, que foi o maior dos homens entre os nascidos de mulheres, colocou suas mãos sobre a cabeça de Jesus quando Ele foi batizado. Isto forma um paralelo com a imposição de mãos do Sumo Sacerdote na cabeça do sacrifício oferecido sem defeitos no Antigo Testamento. (Levíticos 16:21). A morte de Jesus na Cruz foi o resultado de Ele ter recebido sobre seu corpo todos os pecados, e faz um paralelo com a oferta pelo pecado que era morta e tinha o sangue derramado após a imposição de mãos.
Este evangelho da água e do Espírito é mencionado tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, qualquer um que crer em outro evangelho tem uma fé errada. O mais importante e a primeira coisa que Jesus fez quando Ele veio a este mundo foi ser batizado por João. É muito errado você crer que Seu batismo é simplesmente um símbolo e pensar que Jesus foi batizado por causa de Sua modéstia.
Que tipo de pessoa é um herege? Em Tito 3:10-11, está escrito, “Evita o homem faccioso, depois de admoestá-lo primeira e segunda vez, pois sabes que tal pessoa está pervertida, e vive pecando, e por si mesma está condenada”. Um homem faccioso é uma pessoa que está autocondenada. Uma pessoa que condena a si mesma significa que ela admite que possui pecados. Portanto, um Cristão que afirma “Eu sou um pecador” é um homem faccioso, portanto, um herege. Está escrito, “Evita o homem faccioso, depois de admoestá-lo primeira e segunda vez”.
Este tipo de Cristão está desviado e anda na corrupção, um santo sem pecados não deve se aproximar dele. Ele condena a si mesmo porque sua própria fé e vida religiosa estão desgastadas. Uma pessoa que comete pecados imperdoáveis diante de Deus não quer se tornar pura crendo no evangelho da água e do Espírito. Pelo contrário, ela continua pecando ao rejeitar a absoluta salvação de Deus ao dizer que ainda é pecadora. Uma pessoa que se autocondena enquanto pensa que, apesar de crer em Jesus, ela tem pecados e, portanto, se denomina pecadora, é um herege que caminha rumo ao inferno.
Alguns Cristãos colam um adesivo em seus carros que diz, “É minha culpa”. Isto parece muito gentil quando visto por olhos humanos, mas na verdade, significa que como tudo é culpa da pessoa, ela está indo para o inferno e tornando-se uma pessoa facciosa. “É minha culpa” é uma expressão paradoxal para dizer que alguém vai viver uma vida virtuosa. Contudo, pode-se dizer que uma pessoa que carrega tal slogan, que pensa que pode viver virtuosamente, está desafiando diretamente a Palavra de Deus, que define os humanos como a semente da iniquidade. Aqueles que perseguem este tipo de pensamento humano irão receber todo tipo de maldição.
Por acaso existem pessoas próximas a você que condenam a si mesmas? Então você deve novamente ouvir com cuidado o meu sermão sobre Romanos capítulo 3, que afirma que a remissão dos pecados não se refere à Doutrina da Justificação. Romanos fala sobre isso de forma detalhada. O Apóstolo Paulo sabia o que as pessoas diriam algum dia e, portanto, disse de antemão que tornar-se sem pecado é realmente estar sem pecados, e não simplesmente chamar alguém de justo. Ele também testifica claramente que só o evangelho da água e do Espírito é a verdade. Portanto, é natural que aqueles que creem apenas no sangue da Cruz não entendam a leitura de Romanos.
A Epístola de Paulo aos Romanos é um grande livro, porque testifica o evangelho da água e do Espírito. A pessoa pode se tornar justa após crer em Jesus, mesmo que tal pessoa fosse pecadora antes de crer. A pessoa pode realmente se tornar justa, sem pecados no coração. Este é o meio pelo qual uma pessoa adquire o tipo certo de fé.
Eu acredito que ainda que correta neste momento, a fé das pessoas não está completa, mas irá alcançar a perfeição enquanto ouvem as palavras do evangelho da água e do Espírito por meio da Igreja dos santos nascidos de novo. Por favor, aprenda mais sobre o evangelho da água e do Espírito por meio destes sermões e confirme as palavras da verdade.
Eu creio que Deus irá nos inundar com ricas bênçãos celestiais.