The New Life Mission

Sermões

Assunto 21: O Evangelho segundo MARCOS

[Capítulo 12-2] (Marcos 12:18-27) Deus não é Deus de Mortos, Mas de Vivos

(Marcos 12:18-27)
“Então os saduceus, que dizem que não há ressurreição, aproximaram-se dele, e perguntaram-lhe, dizendo: ‘Mestre, Moisés nos escreveu que, se morresse o irmão de alguém, e deixasse a mulher e não deixasse filhos, seu irmão tomasse a mulher dele, e suscitasse descendência a seu irmão. Ora, havia sete irmãos, e o primeiro tomou a mulher, e morreu sem deixar descendência; E o segundo também a tomou e morreu, e nem este deixou descendência; e o terceiro da mesma maneira. E tomaram-na os sete, sem, contudo, terem deixado descendência. Finalmente, depois de todos, morreu também a mulher. Na ressurreição, pois, quando ressuscitarem, de qual destes será a mulher? porque os sete a tiveram por mulher.’ E Jesus, respondendo, disse-lhes: ‘Porventura não errais vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus? Porquanto, quando ressuscitarem dentre os mortos, nem casarão, nem se darão em casamento, mas serão como os anjos que estão nos céus. E, acerca dos mortos que houverem de ressuscitar, não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou na sarça, dizendo: ‘Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó’? Ora, Deus não é de mortos, mas sim, é Deus de vivos. Por isso vós errais muito’”.
 
 
Que Tipo de Deus é Deus?
 
Os saduceus não criam na ressurreição. Como está escrito em Marcos 12:18-23, alguns foram até Jesus e fizeram uma pergunta complicada para testá-lo. Mas não é sobre isso que eu quero falar no meu sermão hoje.
Vamos um pouco à frente e ler os versículos 26 e 27: “Porquanto, quando ressuscitarem dentre os mortos, nem casarão, nem se darão em casamento, mas serão como os anjos que estão nos céus. E, acerca dos mortos que houverem de ressuscitar, não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou na sarça, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é de mortos, mas sim, é Deus de vivos. Por isso vós errais muito”. Eu quero falar sobre essa passagem hoje.
Para entendermos o contexto da passagem acima, primeiro temos que entender que naqueles dias havia um debate entre os fariseus e saduceus sobre a ressurreição. Os fariseus defendiam a ressurreição e diziam que todos seriam trazidos de volta à vida depois da morte. Os saduceus, porém, não criam nisso e diziam que não havia ressurreição. A questão era bastante complicada porque, segundo o costume judeu, o irmão mais novo tinha que tomar a esposa do irmão mais velho se este morresse sem um filho. Além disso, essa prática era repetida entre os irmãos se não houvesse dele um descendente – ou seja, se o outro irmão também morresse sem um filho, o outro irmão tinha que casar com a mesma mulher.
Por que a Bíblia menciona esse costume? Por que Deus permitiu uma tradição tão sem ética naqueles dias? É certo que tudo isso acontecia pela vontade de Deus, mas agora podemos explicar isso muito bem; e eu farei isso, se o tempo permitir.
Para entendermos melhor esse costume, o melhor é que tomemos nossa família como exemplo. Imagine que seu irmão mais velho morreu sem ter um filho. E você tem que casar com sua cunhada. Mas o que aconteceria se você também morresse sem gerar um filho nela? Seu irmão mais novo teria que casar com sua cunhada também. Embora seja totalmente contrária às leis da sociedade, a Bíblia diz que essa era uma prática legal nos dias do Antigo Testamento. Imagine agora que todos os seus irmãos morreram sem ter um filho. De quem ela seria a esposa se todos vocês voltassem à vida no mundo vindouro?
Vamos voltar para o texto bíblico deste capítulo e ver o que os saduceus diziam: “Ora, havia sete irmãos, e o primeiro tomou a mulher, e morreu sem deixar descendência; E o segundo também a tomou e morreu, e nem este deixou descendência; e o terceiro da mesma maneira. E tomaram-na os sete, sem, contudo, terem deixado descendência. Finalmente, depois de todos, morreu também a mulher. Na ressurreição, pois, quando ressuscitarem, de qual destes será a mulher? porque os sete a tiveram por mulher” (Marcos 12:20-23).
Foi essa a pergunta que os fariseus fizeram ao Senhor. Para os incrédulos, era até uma pergunta pertinente. Já que todos os sete irmãos haviam casado com a mesma mulher, cada um deles teria o direito de querer ser seu marido depois que todos ressuscitassem. O mais velho diria que ela é sua esposa por direito, assim como os outros sete, e todos brigariam para saber quem ficaria com a mulher afinal.
Os saduceus acharam este argumento para contestar a ressurreição. Mas o que Jesus lhes respondeu? Ele lhes disse: “Seu entendimento sobre a ressurreição está errado. Quando as pessoas ressuscitarem, não haverá casamento, pois elas serão como os anjos do céu”. Quando ressuscitarmos, não haverá nenhuma barreira física diante de nós como muros ou qualquer outro obstáculo. Já que nosso corpo será transformado num corpo espiritual quando ressuscitarmos, nós passaremos por qualquer obstáculo, até muros. E também não haverá mais casamentos. Por acaso Deus se casou? Não, claro que não! Então, nós ressuscitaremos e teremos um corpo perfeito.
Foi por isso que nosso Senhor disse aos saduceus que eles estavam errados. E ele disse mais nos versículos 26 e 27: “Não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou na sarça, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é de mortos, mas sim, é Deus de vivos”.
 
 
Como Você Interpreta essa Passagem?
 
É claro que já que essas palavras foram ditas por Jesus Cristo, todos nós temos que considerá-las verdadeira. De fato, Deus não é Deus de mortos. Jesus está dizendo aos fariseus aqui que Deus é Deus de vivos, porém o mais importante é como eles entendem quem é Deus.
O Senhor citou um texto do Antigo Testamento, que diz: “Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó” (Êxodo 3:6). Ele explicou através desse texto que a verdade é que Deus não é Deus de mortos, mas de vivos. E Deus de fato é Deus de vivos.
Quem são “os vivos” então? Quando os vivos forem separados dos mortos por Deus, veremos que os mortos são os infiéis. Os descendentes pecadores de Adão são espiritualmente mortos. Mas os que têm fé em Deus são os vivos. Os vivos aqui então se referem àqueles que têm fé em Deus. E o Senhor diz àqueles que têm fé em Deus: “Deus é o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, o Deus de Jacó”.
Nós podemos entender bem melhor o que Jesus quis dizer sobre Moisés quando lemos Êxodo 3:1-6: “E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe. E apareceu-lhe o anjo do SENHOR em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia. E Moisés disse: ‘Agora me virarei para là, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima.’ E vendo o SENHOR que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse: ‘Moisés, Moisés.’ Respondeu ele: ‘Eis-me aqui.’ E disse: ‘Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa.’ Disse mais: ‘Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó.’ E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus”.
Deus cita aqui três patriarcas da fé ao dizer que é o Pai de Abraão, Isaque e Jacó. Jesus também diz no texto bíblico deste capítulo que Deus não é Deus de mortos, mas de vivos. Deus é o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Abraão era um homem de fé que cria na Palavra de Deus, Isaque era um homem obediente, e Jacó alcançou a graça de Deus. Isso quer dizer que Deus é o Deus de pessoas de fé. Espiritualmente falando, nosso Senhor é o Deus dos nascidos de novo.
Quando eu falo de Deus, eu quero dizer o Deus trino: Deus Pai, seu Filho e o Espírito Santo, nosso Consolador. Mas por que nós que nascemos de novo chamamos nosso Deus de Pai? Temos que prestar bastante atenção no que Deus diz aqui: “Eu não sou Deus de mortos, mas de vivos”. Isso quer dizer que Deus é o Pai dos nascidos de novo que receberam a remissão de pecados.
Deus é o Pai de Jesus Cristo, não é? E já que Jesus Cristo o chama de Pai, Deus também não é nosso Pai? Sim, Deus é nosso Pai. Já que Jesus Cristo nos salvou, Deus nos tornou seus filhos, e o Espírito de Jesus Cristo é o mesmo Espírito Santo que habita em nós. Ao chamar Deus de Pai, Jesus Cristo disse que ele era Deus de vivos, não de mortos, e também disse que ele era o Deus de Abraão, Isaque e Jacó.
Já que Jesus Cristo chamou Deus de Pai, todo aquele que foi salvo também pode chamá-lo de Pai, não é verdade? Afinal, não chamamos Deus de Pai quando oramos? E podemos fazer isso não somente quando oramos, mas o tempo todo, pois Deus é mesmo o nosso Pai. Jesus Cristo é o Filho de Deus. E nós recebemos a remissão de pecados e fomos salvos por ele. Foi assim que também nos tornamos filhos de Deus. E já que nós recebemos a remissão de pecados através do sacrifício do Filho de Deus, herdamos sua vida. Então, podemos chamar Deus de Pai. Talvez alguns de vocês até hoje não entendam isso muito bem, mas podemos chamar Deus de Pai em nossas orações porque Jesus Cristo o chama de ‘seu Pai’. E já que recebemos a remissão de pecados através de Jesus Cristo, podemos chamar Deus de Pai também.
Deus Pai, o Filho e o Espírito Santo são o mesmo Deus, e Deus é o nosso Pai. Como é isso então? Bem, nós recebemos a remissão de pecados, não foi? E Jesus Cristo é o próprio Deus. Ele também é o nosso Salvador. Ele também é o nosso Senhor, não é? O Espírito Santo aqui se refere ao Espírito de Deus, que habita em nós agora. A Bíblia diz que todo aquele que tem o Espírito de Deus é filho de Deus. Todo nascido de novo tem o Espírito de Deus em seu coração. O Espírito Santo entra no coração sem pecado e habita ali para sempre. Portanto, o único Deus é o Deus trino. E já que o texto bíblico deste capítulo fala de Deus, é preciso explicar a Santa Trindade.
Embora as três Pessoas da Trindade Santa sejam o mesmo Deus, cada um deles tem um papel diferente a desempenhar como o Pai, o Filho e o Espírito Santo, o Consolador. Melhor dizendo, embora cada Pessoa do Deus trino tenha um papel diferente, eles são o mesmo Deus para nós; e este Deus é nosso Pai, nosso Salvador e nosso Consolador. Deus está totalmente inserido na Santa Trindade. Embora o Pai, o Filho e o Espírito Santo sejam o mesmo Deus, cada um tem um papel diferente. É assim que cremos, e essa é a maneira correta de entender a Santa Trindade. Jesus Cristo chamou Deus de Pai, e também podemos chamá-lo de Pai porque recebemos a remissão de pecados de Jesus Cristo e Deus nos salvou por meio dele. É por isso que podemos chamar Deus de Pai. Eu vou continuar a falar sobre este assunto no meu sermão de amanhã.
Quando o povo de Israel passou 400 anos cativo no Egito, Deus não os desamparou, mas esteve com ele o tempo todo. Quando Moisés fugiu para o deserto após matar um egípcio, chegou à terra dos midianitas e passou a viver ali. E enquanto cuidava do rebanho, ele viu a sarça ardente no deserto, mas a sarça não se consumia. Ao ver aquilo, Moisés se aproximou da sarça ardente e ouviu a voz do Senhor, que disse: “Tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa”. E disse mais: “Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó”. Este é o Deus da aliança.
 
 
Por Que Deus Se Revelou na Sarça Ardente?
 
Deus se revelou na sarça ardente para mostrar que esteve com seu povo durante aqueles 400 anos de dor e aflição. Deus esteve com o povo de Israel durante os 400 anos de sofrimento antes de entrar na terra de Canaã. Mas antes dessa promessa se cumprir, os israelitas sofreram 400 anos, e poucos deles tinham fé e esperavam o livramento de Deus.
Muitos israelitas pensavam que Deus havia se esquecido deles. Em sua aflição, eles oravam ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó para que os livrasse, mas como nada acontecia, eles não tinham certeza se Deus ainda estava com eles. E a aflição no Egito endureceu ainda mais seu coração. Deus então se revelou a Moisés e disse a ele que tinha ouvido todo clamor e súplicas dos israelitas, que ele era um Deus fiel, e já que os israelitas eram descendentes dos patriarcas da fé, ele também era seu Deus. Melhor dizendo, Deus disse a Moisés que não era Deus de mortos, mas de vivos. Espiritualmente falando, isso quer dizer que Deus é o Deus dos nascidos de novo.
 
 
Deus é Conhecido como Deus de Vivos, e Não de Mortos
 
Muita gente nesse planeta acredita em Deus, e há muitos outros deuses além do único e verdadeiro Deus, mas só que sua divindade é diferente da deles. Vamos meditar por um instante e pensar como Deus é diferente. Todo cristão invoca o nome do mesmo Deus, independentemente se ele crê no evangelho da água e do Espírito ou não. Mas há uma diferença crucial aqui. Quando clamamos a Deus – ou seja, quando os que realmente nasceram de novo clamam a Deus – há um significado especial nisso. A questão é que Deus é nosso Pai e Salvador, que ele nos ajuda e caminho conosco em meio às adversidades. Nós clamamos o nome de Deus porque cremos que ele está conosco todos os dias da nossa vida. É por isso que os nascidos de novo clamam a Deus e creem nele. E este Deus é o nosso Deus; ele é o Deus dos nascidos de novo.
Deus não é um Deus qualquer. O que nosso Senhor disse? Ele disse: “Eu não sou Deus de mortos, mas de vivos”. Para ser mais simples, isso significa que embora Deus exista até para os que não nasceram de novo, ele não é o seu Deus. Deus não pode ser seu Pai, seu Senhor, e muito menos seu Consolador – em suma, Deus não faz diferença para eles.
Quando Deus disse que era o Pai de Abraão, Isaque e Jacó, o que ele queria dizer é que somente os nascidos de novo são seu povo e seus filhos. Abraão nasceu de novo pela Palavra, não foi? E Isaque herdou a fé intacta de Abraão, não herdou? Jacó também herdou essa fé e se tornou filho de Deus pela sua graça.
Vamos examinar a nós mesmos por esta Palavra. Como é o nosso Deus? Não é ele que nos chama agora, ao contrário do deus dos que ainda não nasceram de novo? O Deus a quem pedimos ajuda está realmente vivo, e ele se tornou o Deus dos nascidos de novo, seu Pai e seu Salvador. Ele é o Deus vivo que está conosco e nos ajuda o tempo todo. Vocês creem nessa verdade?
Nós sempre clamamos o nome de Deus ao longo da nossa vida de fé e buscamos a sua presença. E é clamando o nome do Senhor que recebemos a remissão de pecados, clamando o nome do nosso Senhor Jesus Cristo. Na verdade, recebemos a remissão de pecados pelo que Jesus Cristo fez por nós nessa terra. E por causa da obra da salvação feita por Jesus Cristo, todos os pecados que cometemos ao longo da nossa vida nessa terra já foram totalmente purificados e tirados do nosso coração. Agora, graças a Jesus Cristo, podemos chamar Deus de nosso Pai. É claro que as tentações sempre estarão em nosso caminho, pois ainda temos nossas fraquezas e ainda podemos pecar e cair. Mas apesar de tudo isso, não temos mais pecado e podemos chamar Deus de nosso Pai. E também não temos mais pecado no coração porque Jesus Cristo se tornou nosso Deus. Nos tornamos puros, e apenas aqueles que não têm pecado – ou seja, os santos – podem se tornar filhos de Deus.
Apesar de termos nascido de novo, nós passamos por grandes lutas porque ainda estamos neste mundo. Até os que nasceram de novo passam por aflições constantemente. O Escritor de Salmos diz que muitas são as aflições dos justos (Salmos 34:19). O apóstolo Paulo passou por aflições ainda maiores depois que nasceu de novo. Ele conhecia a Bíblia e sabia que Abraão não tinha outra escolha senão deixar a sua parentela depois que teve um encontro com Deus. Na verdade, muitos foram afligidos e perseguidos depois que tiveram um encontro com Deus e passaram a segui-lo.
Os ímpios não entendem que este Deus está vivo, que ele é o Pai dos nascidos de novo, seu Senhor e seu Consolador. No entanto, nós que nascemos de novo não podemos esquecer que este Deus é o nosso Deus, nosso Salvador e nosso Senhor que nos livrou do pecado. E também temos que entender que ele está sempre conosco e nos ajuda o tempo todo em nossa vida neste mundo. Ele caminha conosco e opera em nós. E sempre que não tivermos forças para fazer sua obra, o Senhor opera em nós e nos ajuda para que possamos cumprir nossa missão. O Deus em que os nascidos de novo creem é o Deus vivo. Ele é o Deus que habita em nós. Este Deus trabalha com os nascidos de novo e os ajuda em tudo que eles fazem. Vocês creem nessa verdade?
 
 
Quem é Deus?
 
Deus está vivo. Ele é o nosso Consolador. E já que Deus é onipresente, ele cuida dos nascidos de novo o tempo todo e jamais tira seus olhos deles; seu coração está com eles e ele ouve atentamente todas as suas orações. Deus cuida de todo crente nascido de novo o tempo todo para saber quais são suas necessidades e impedi-los de se desviar dele. E ele não apenas cuida deles, mas também desce do céu para cuidar de nós, nos ajudar, nos proteger do perigo e, às vezes, intervir em nossa vida.
Deus não é Deus de mortos, mas de vivos. Ele é o Deus dos servos nascidos de novo, o Deus do povo que nasceu de novo. É isso que a Bíblia quer dizer quando fala que Deus é o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó.
Por que Deus cita Abraão, Isaque e Jacó para nos dizer que é Deus de vivos? Você sabe a razão? Porque eles são os nossos pais na fé. Afinal, não somos filhos da fé? Nós somos os próprios filhos da fé. Nós só estamos aqui porque a fé de Abraão, Isaque e Jacó nos alcançou, e, por essa razão, somos seus filhos. Nós somos os próprios herdeiros de Deus. Deus é o Deus dos filhos de Abraão, Isaque e Jacó. Ele é o Deus dos que obedecem à sua Palavra. Ou seja, ele é o Deus dos que creem na sua Palavra.
Nós não estamos sozinhos neste mundo. Quando temos problemas, não os enfrentamos sozinhos nem lutamos sozinhos, pois Deus habita em nós na Pessoa do Espírito Santo. Você se alegra com isso todos os dias da sua vida? Você tem certeza, por experiência própria, que o Espírito Santo habita em você? Alguns cristãos pecadores acreditam que o Espírito Santo entra no seu coração e sai a hora que quer. Mas isso não é verdade. Uma vez que o Espírito Santo entra em nosso coração, ele habita ali o tempo todo. O Senhor disse aos seus discípulos: “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (João 14:26). Portanto, sempre que aqueles que receberam a remissão de pecados ouvirem a Palavra de Deus, ele entenderão o que essas palavras significam.
Amados irmãos, Deus está conosco agora. Só que ele não está somente aqui neste lugar, mas também no coração e nas igrejas de todos os nascidos de novo em todo o mundo. Não seja inocente de pensar que Deus está apenas em nossa igreja.
Todos vocês sabem quem foi Arão, não é? Arão era sumo sacerdote. E como tal, ele tinha que cuidar de todo o povo. Ele tinha que ouvir todos os pecados cometidos pelos israelitas. E só então ele poderia oferecer sacrifício a Deus e confessar a ele todos os pecados cometidos pelo povo de Israel. Era assim que Arão apagava os pecados do povo, indo à presença do Senhor e passando seus pecados para a oferta de sacrifício.
Este é o mesmo papel que igreja realiza hoje. Jesus Cristo, que é o próprio Deus, é o Sumo Sacerdote do reino celestial, e a Igreja de Deus é o sumo sacerdote terreno. Você precisar ter a mente aberta. Você tem que ter a mente aberta e desejo de conhecer a Palavra, pois é algo importantíssimo obedecermos à Palavra.
Que tipo de Deus é o nosso Deus? Seu Deus é diferente do meu? Se de fato nascemos de novo, então temos o mesmo Deus. Na verdade, Deus é o mesmo em todos os lugares, e a única diferença é se alguém crê no Deus vivo ou num deus morto. Se você crê no Deus vivo, você terá muitas aflições. Mas mesmo assim, você suportará todas elas pela fé, pois saberá qual é a vontade de Deus para sua vida. Deus então trabalhará em você e te ajudará. Já que Deus é nosso Pai, ele nos ajudará por sermos seus filhos. Será que o Pai vai te desprezar se você procurar viver segundo a sua vontade? Por acaso ele vai deixar de te ajudar? É claro que ele não vai fazer isso. Ao contrário, ele trabalhará na sua vida e te ajudará ao longo do caminho.
Deus é nosso Deus, o Deus dos nascidos de novo. Antes de nascer de novo, eu já cria nesse Deus, convencido de todo o meu coração de que ele era o Deus de amor. Mas só depois de nascer de novo foi que eu realmente tive certeza disso. Antes de nascer de novo, eu não conhecia o amor de Deus, embora o amasse de todo o coração. Mas, na verdade, quanto mais eu cria, mais eu via que minha fé era em vão. Todos os dias eu me sentia frustrado.
Mas quando eu nasci de novo e comecei a seguir o Senhor, eu nunca mais fiquei decepcionado, nem uma vez sequer. O Senhor jamais me decepcionou. Não importa o que eu passasse, era só crer no Senhor e segui-lo que ele sempre vinha em meu auxílio. Isso porque eu nasci de novo e o Deus trino se tornou o meu Deus. Mas antes eu de nascer de novo, ele não era o meu Deus; meu deus era uma outra divindade.
Eu estou tão feliz agora que palavras não podem expressar minha felicidade. Às vezes eu vejo os santos passando por dificuldades, mas é nessas horas que temos que nos lembrar que Deus é o nosso Deus e que ele está conosco. Lembrem-se sempre disso. Aí então, Deus começará a ajudá-los. Enquanto estivermos vivos, jamais devemos pensar que Deus não está conosco, como se ele não se importasse conosco e nos deixasse à própria sorte. Deus é nosso Deus e nosso Consolador.
Temos que entender o quanto nosso Senhor é maravilhoso e bom, para que possamos ser sempre gratos a ele. Temos que ser gratos por ele estar sempre conosco, entendendo que ele é um Deus fiel, adorando-o, clamando seu nome e o glorificando pela nossa salvação. Eu oro para que todos vocês andem com Deus todos os dias da sua vida. Todos nós devemos reconhecer a grande bênção que é poder sempre clamar a Deus nosso Pai, e que privilégio foi ele ter se tornado nosso Deus. Nós temos que desfrutar dessas maravilhosas bênçãos.
Amados irmãos, eu peço a todos vocês que creiam que o Deus vivo não é outro senão nosso Deus. O Deus que amamos não é um Deus qualquer. Ele é o Deus vivo de todos nós que cremos no evangelho da água e do Espírito. Ele ouve as nossas orações e está conosco. Além disso, ele é o nosso Pai e o nosso Salvador, que está sempre conosco e nos ajuda o tempo todo. Nunca se esqueçam que somos um só corpo e uma só família com ele.
Já que Deus está conosco, ele nos vestiu com sua graça abundante e nos deu grandes bênçãos. Eu peço a todos vocês que reconheçam isso e sejam gratos a ele por isso. Embora as pessoas estejam procurando a Deus o tempo todo, a maioria delas o procura sem saber realmente quem ele é.
Nós, ao contrário, podemos sempre pedir a ajuda de Deus, pois sabemos que ele é nosso Pai, que Jesus Cristo é o nosso Salvador e que o Espírito Santo habita no nosso coração. Sendo assim, todos nós temos que fazer a obra de Deus com gratidão, adorá-lo todos os dias da nossa vida, seja em casa ou no trabalho, e servir à igreja com toda dedicação, sabendo que é este Deus vivo quem nos ajuda. E, através da igreja, temos que entender a glória de Deus e qual é a sua vontade, a fim de darmos muito valor a isso em nosso coração.