The New Life Mission

Sermões

Assunto 14: A Primeira Epístola de JOÃO

[Capítulo 2-3] (1 João 2:7-11) Você está Vivendo Segundo o Mandamento de Deus?

(1 João 2:7-11)
“Amados, não vos escrevo mandamento novo, mas um mandamento antigo, que desde o princípio tivestes. Este mandamento antigo é a palavra que ouvistes. Contudo vos escrevo novo mandamento, que é verdadeiro nele e em vós, porque as trevas vão passando, e já brilha a verdadeira luz. Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está nas trevas. Aquele que ama a seu irmão permanece na luz, e nele não há nenhum tropeço. Mas aquele que odeia a seu irmão está nas trevas; não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos.”
 
 
O Apóstolo João era alguém que havia alcançado um profundo entendimento do amor de Deus. Ele era o discípulo que mais foi amado pelo nosso Senhor, o Filho de Deus; ele foi aquele que sentiu o amor do Senhor profundamente, e aquele que nos deu um forte testemunho desse amor. O Senhor deixou seu trono de glória e veio a essa terra para nos salvar dos pecados do mundo.
O Apóstolo João acreditava que o Senhor veio a essa terra no corpo de um homem para salvar toda a humanidade dos seus pecados, e que Ele pessoalmente suportou o sofrimento, as maldições, o desprezo, os insultos, a morte, e a condenação do pecado que Ele tinha mesmo que suportar. E porque João creu dessa maneira na Verdade da salvação que Jesus deu a ele, ele pôde ser salvo de todos os seus pecados.
O Apóstolo João sabia muito bem o quanto ele deveria estar agradecido pela sua salvação do pecado, e quão grande era o amor do Senhor. João sabia, em outras palavras, quão grande foi o sacrifício que o Senhor teve que fazer por ele, e quão profundamente Ele o amou. Foi porque ele conhecia o amor de Deus tão bem que ele escreveu essa epístola de amor a todos os santos.
Além do evangelho de João e suas três epístolas de 1, 2, e 3 João, o Apóstolo João também escreveu o livro do Apocalipse. Foi para ele que Jesus mais se revelou. Foi através do Apóstolo João, acima de todos os outros discípulos, que Deus pôde nos contar mais o quanto Ele nos amou. Isso nos dá testemunho do fato de que foi o Apóstolo João quem teve mais conhecimento do amor de Deus.
Por isso, João é chamado o “Apóstolo do amor.” Pelo fato do Apóstolo João ter sido aquele que conheceu o amor de Deus mais do que nenhum outro, ele também foi o que mais deu testemunho desse amor.
Na verdade, não é nenhum exagero ver 1 João como o “livro do amor.” Nós geralmente nos referimos a 1 Coríntios 13 como o “capítulo do amor.” Esse capítulo, é claro, fala muito sobre o amor também. Mas aquele que deu testemunho do amor de Jesus em todos os seus aspectos foi o Apóstolo João, porque ele sabia muito bem o quanto Jesus amou os Seus santos.
 
 
João foi Aquele que Deu Testemunho do Amor do Senhor
 
O Apóstolo João foi aquele que falou do amor do Senhor. Em 1 João 4:18-20, ele disse: “No amor não há medo. Antes o perfeito amor lança fora o medo, porque o medo produz tormento. Aquele que teme não é aperfeiçoado em amor. Nós o amamos porque ele nos amou primeiro. Se alguém disser: eu amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso. Pois aquele que não ama a seu irmão, a quem viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?”
De acordo com o que foi dito aqui, que no amor não há medo, João quis dizer que aqueles que realmente conhecem o amor de Deus e receberam esse amor não se achegam a Ele como medo, mas em verdadeira alegria, e que eles também amam seus irmãos que se tornaram povo de Deus. Isto porque todos nós fomos vestidos do amor de Deus.
Foi por isso que ele declarou: “Se alguém disser: eu amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso. Pois aquele que não ama a seu irmão, a quem viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?”
Sendo assim, o principal tema de 1 João é o “amor de Deus,” e João conclui que a consolidação do amor de Deus é o evangelho da água e do Espírito. Ele lida com esses dois temas alternadamente nessa epístola, e finalmente no capítulo 5, ele explica que é o evangelho da água e do Espírito, “que desde o princípio ouvistes” (João 2:24).
  
O que o novo mandamento de Deus nos diz?
Ele nos fala do amor de Deus, e nos diz para vivermos neste amor.
 
1 João 2:8 diz: “contudo vos escrevo novo mandamento, que é verdadeiro nele e em vós, porque as trevas vão passando, e já brilha a verdadeira luz.” Antes de nós nascermos de novo, costumávamos ser pecadores que não conheciam a salvação e não tínhamos a remissão dos nossos pecados; não conhecíamos a Deus nem a Verdade; nós éramos povo de Deus mas filhos das trevas; e éramos simplesmente sementes do maligno. Por esse motivo, não podíamos amar uns aos outros na Verdade. Se aqueles que continuaram sendo filhos das trevas e não vieram para a luz da Verdade ainda amassem uns aos outros, cuidassem uns dos outros, e não fossem egoístas e se dedicassem uns aos outros, isto seria algo muito incomum e estranho. Honestamente falando, isso tudo seria somente hipocrisia.
Todavia, agora, nós viemos a entender que as trevas se dissiparam e a verdadeira luz brilhou sobre nós, e nós nos tornamos os filhos de Deus que receberam o Seu verdadeiro amor e a verdadeira salvação. Nenhum outro além de você e eu, que nascemos de novo por crermos no evangelho da água e do Espírito, são os filhos de Deus. Como podemos nós então, que somos filhos de Deus, odiar uns aos outros? Aqueles que odeiam uns aos outros acabam como mentirosos diante de Deus. Se nós realmente nos tornamos povo de Deus, o ódio então nunca brotará em nossos corações.
Já que podemos chamar atenção uns dos outros por causa das nossas falhas, erros, e má conduta, repreendermos uns aos outros por causa dessas falhas, e exortar e ajudar uns aos outros para que haja arrependimento, seria realmente um pecado odiarmos uns aos outros em nossos corações, e banirmos alguém da nossa presença, e julgarmos e acusarmos uns aos outros.
Na nossa família de nascidos de novo, em outras palavras, nós até podemos ter algum sentimento ruim uns pelos outros por algum tempo, mas nós de fato não podemos odiar os nossos irmãos, o povo de Deus e Seus servos, no fundo dos nossos corações. Até mesmo o mundo tenha um lema: “condenar a ofensa, mas perdoar o ofensor.” Mas este ditado, é claro, teve sua origem na tendência do homem de fazer justiça com suas próprias mãos, quando na verdade o tribunal é que tem todo o direito de julgar os crimes seculares.
Se nós realmente conhecemos e cremos na verdadeira luz de Deus, se nós fomos de fato remidos de forma perfeita de todos os nossos pecados no evangelho da água e do Espírito, se nós reconhecemos que Deus apagou todos os nossos pecados, e se você também conhece e crê nesse amor de Deus que te salvou, então nós não podemos mesmo odiar uns aos outros. Sendo assim, se alguém em seu coração odeia a seu irmão, ele então é um mentiroso diante de Deus.
Mesmo antes de nascermos de novo, Deus havia nos dado o mandamento do amor. Deus mandou que não fizéssemos coisas erradas, mas somente coisas boas. De acordo com Seus mandamentos, nós temos que fazer essas coisas diante dEle e das outras pessoas – isto é, temos que obedecer o que Ele nos mandou fazer: “Vocês não terão outros deuses diante de Mim. Apenas adorem, amem, e honrem a Deus. Honrem seu pai e sua mãe. Vocês não matarão, não cometerão adultério, não roubarão, ou dirão falso testemunho contra o seu próximo.”
Embora Deus tenha nos dito claramente que nós devemos viver cumprindo estes mandamentos, nós não conseguimos faze-lo. Nós somos totalmente incapazes de viver assim. Mas o Apóstolo João nos diz mais uma vez: “Amados, não vos escrevo mandamento novo, mas um mandamento antigo, que desde o princípio tivestes. Este mandamento antigo é a palavra que ouvistes. Contudo vos escrevo novo mandamento, que é verdadeiro nele e em vós, porque as trevas vão passando, e já brilha a verdadeira luz” (1 João 2:7-8). Ele está nos lembrando aqui mais uma vez que Deus nos disse para amarmos uns aos outros.
  
Qual é o maior tema em que a Bíblia está centrada?
É o amor de Deus.
 
O amor de Deus por nós é este: nosso Senhor veio a essa terra e apagou todos os nossos pecados com o evangelho da água e do Espírito. Esse amor, que Deus tem por nós, é o maior e mais importante amor que nos capacita a ter o verdadeiro amor uns pelos outros. Por causa desse amor, nós podemos ter todo tipo de amor – o amor que os pastores têm pelos santos, o amor que nós temos pelos nossos pastores e por nossos irmãos. Esse não é o amor carnal mas o amor espiritual, pois todos eles têm sua origem no grande amor de Deus por nós.
E neste amor de Deus, no evangelho da água e do Espírito, que nós experimentamos essas coisas. A verdadeira comunhão se encontra somente neste amor espiritual. Já que nossa própria existência só se tornou possível no amor de Deus, é por causa deste amor de Deus que nós podemos comer, beber, sorrir, conversar, respirar, e continuar vivendo. É porque o amor de Deus é tão abundante que nós podemos respirar nessa terra e sentir este amor. Neste amor de Deus, nós podemos receber as bênçãos espirituais dos céus. Porque Jesus mesmo nos amou, em outras palavras, você e eu podemos nos tornar filhos de Deus que agora vivem em paz.
É por isso que devemos amar uns aos outros ainda mais. Todas as exortações e repreensões de Deus estão basicamente fundamentadas no Seu amor. Então quando nós vemos irmãos mais fracos, devemos ter mais compaixão e um amor mais profundo por eles. Mas aqueles cujos corações estão endurecidos diante de Deus são repreendidos mais severamente no Seu amor.
Nestas pessoas, é o amor de Deus por nós que os repreende severamente, que os censura, e até mesmo que os pune a fim de que eles voltem seus corações para Ele. Deixá-los sozinhos, mesmo que seja óbvio que eles estejam caminhando para um abismo, não é o amor de Deus. Ao contrário, o amor de Deus é para preveni-los de todas as formas que eles estão indo em direção à sua própria destruição.
Você precisa entender que apontar os erros do seu irmão em Cristo não significa fazê-lo sofrer, mas apenas mostrar a ele o amor de Deus.
Um coração que se preocupa com os outros – é isto que é amor. Quando alguém com seus lábios diz bem-vindo a outra pessoa, mas seu coração está cheio de inimizade e intenções malignas, então ele não está no amor de Deus. Ser gentil mas com um intenção oculta e sombria não pode ser chamado de amor de Deus. Quando uma pessoa assim, conversa conosco com a intenção de fazer algo por nós, mas acaba roubando tudo aquilo que nós temos e foge, nós não podemos dizer que essa fraude foi cometida apenas no momento em que ela fugiu, mas a partir do momento que ela preparou sua armadilha para nos apanhar.
Cuidar uns dos outros do fundo do nosso coração é o que significa o amor de Deus. É no nosso coração que o amor brota. Se nossos corações arquitetaram planos malignos, então ainda que esses planos não sejam revelados por meio dos nossos atos, mesmo assim eles são fraudulentos.
O Senhor disse: “porque os que em nós são mais nobres não têm necessidade disso. Mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela, para que não haja divisão no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidando uns dos outros” (1 Coríntios 12:24-25). Isso significa que Ele nos deu membros fracos que não podem viver a não ser somente pelo Seu amor como os membros mais preciosos da Sua Igreja. Nós devemos cuidar de todo o povo de Deus, e devemos orar por aqueles que ainda não nasceram de novo.
Devemos orar pela Igreja, o Corpo de Cristo, pelos nossos irmãos, e pelos servos de Deus. Todas essas orações vêm do amor de Deus. Isto porque nosso desejo é que todos os santos prosperem no amor de Deus. Nós oramos por estas coisas porque quando os santos prosperam no corpo e no espírito, isso também é uma bênção para nós, servos de Deus.
Já que é uma alegria para Deus que Seu povo faça o bem no corpo e no espírito, é por isso que nós oramos por ele com alegria. Da mesma forma, pelo fato da alegria dos nossos irmãos não ser nada mais do que a verdadeira alegria da nossa Igreja, nós oramos por eles com toda boa intenção do fundo do nosso coração. Todas essas coisas devem ser realizadas pela fé no amor de Deus. Sem esse amor de Deus, nada do que nós fazemos tem algum sentido.
O meu desejo é que nenhum membro da família de Deus se perca. Eu nunca, jamais quis que isso acontecesse. É por isso que eu às vezes tento estimulá-los a voltar, mesmo que para isso eu tenha que repreendê-los duramente. Eu não quero que vocês se machuquem, sofram, se percam, ou fiquem vagando e chorando por aí. Tudo que eu quero é que sua alma prospere. Por quê? Porque eu amo demais a todos vocês. Quando é tempo de eu confortar o coração dolorido de vocês, é isso que eu faço realmente, mas quando não é esse o caso, até a minha repreensão severa brota do meu coração amoroso. Assim como Deus os ama, seus líderes espirituais também os amam.
Você precisa entender que se você não gostar de ouvir o que seus líderes espirituais dizem para você, achando que eles estão apenas te chateando, se você pensar que eles estão bravos com você, e você quiser tapar os ouvidos, você de fato está rejeitando o amor de Deus. Se seus pastores não têm nenhum amor por você em seus corações, nem repreendem você, muito menos te dão atenção, o contrário do amor é a indiferença. Quando nós não amamos alguém, nós não dizemos nada, mas somente mostramos indiferença.
Por crermos na verdade da salvação que Deus nos deu pelo Seu amor, nós agora nos tornamos novas criaturas. É pela nossa fé no evangelho da água e do Espírito que vivemos. Portanto, aqueles dentre os nossos irmãos cujos corações estão feridos devem ser curados dos seus ferimentos. Aqueles cujos corações são soberbos devem humilhar seus corações; aqueles que estão cheios devem se esvaziar, e aqueles que estão vazios devem ser cheios. Todos nós devemos ser renovados dessa maneira no amor de Jesus Cristo. Devemos ser renovados, e não perpetuar nosso velho eu.
Nós devemos viver no amor de Deus, crendo neste amor e praticando-o. É no amor de Deus que nós devemos viver nossa vida de fé tendo fé em toda a Sua Palavra. Qual é o maior mandamento de Jesus? É o amor. Essa única palavra chamada amor é o maior de todos os mandamentos.
O amor de Deus por nós é tão poderoso que nada nem ninguém pode nos separar do Seu amor. Está escrito: “porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme” (O Cântico dos Cânticos 8:6). Houve alguém que, quando aqueles que Ele amava foram enganados por satanás e enfrentaram a morte, mostrou Seu amor por eles ao entregar Sua própria vida – esse alguém não é nenhum outro senão Jesus Cristo. Jesus nos amou, e ainda enganados por Satanás, nós caímos em pecado, e por isso temos sofrido e morrido. Mas para nós, que estávamos balançando à beira do Hades, Jesus não hesitou em enfrentar a morte do Seu corpo. Esse é o próprio amor que Deus tem por nós. Nenhum outro além desse amor incondicional que Deus nos deu, o amor pelo qual Ele entregou Sua vida para nos salvar, é o verdadeiro amor.
  
Aqueles que se tornaram o povo justo porque creram na luz da Verdade podem continuar a viver em trevas?
Não, não podem.
 
O Apóstolo João disse em 1 João 2:9-10, “Aquele que diz que está na luz, e odeia seu irmão, até agora está nas trevas. Aquele que ama a seu irmão permanece na luz, e nele não há nenhum tropeço.” Meus amados irmãos, a Bíblia destaca claramente aqui aqueles que afirmam que habitam entre os justos e vivem na luz, mas ainda assim odeiam seus irmãos – isto é, aqueles que dizem que conhecem e crêem que Deus nos libertou dos nossos pecados e nos trouxe a vida, e ainda assim odeiam seus irmãos – têm vivido nas trevas até agora. João diz aqui que são aqueles que amam seus irmãos que de fato vivem na luz, e que neles não há nenhuma causa de tropeço. Se, por outro lado, você e eu realmente odiarmos nossos irmãos em nosso coração, nossa consciência então não terá paz. Porém se não odiarmos ninguém em nosso coração, então não teremos esse sentimento tão desconfortável.
Vamos dizer aqui que algum dos nossos irmãos ou algum servo de Deus nos fez algum mal. Se isso despertar a ira em nossos corações, nos levando a odiar essa pessoa de todo o nosso coração, a detestá-lo e tratá-lo com desprezo, então há algo muito errado conosco. Se um sentimento de ira assim é o que realmente se encontra no seu coração de nascido de novo, então você deve entender aqui que seu coração está no lugar errado agora. É porque você odeia alguém em seu coração, e fica irado com ele, e o detesta, que você passa a ter esse sentimento ruim por ele. Nós passamos a nos sentir mal diante de Deus e até mesmo com nós mesmos. Colocando de outra forma, nós nos sentimos culpados em nossa consciência.
“Eu o odeio porque ele me odiou primeiro, o que eu fiz de errado então?” As pessoas do mundo podem pensar assim e até se justificar dessa maneira, mas para aqueles de nós que crêem na Palavra do evangelho da água e do Espírito, isto não está certo, porque nós somos a luz da Verdade. Porque nós temos brilhado como a verdadeira luz, e porque nós fomos remidos de inúmeros pecados, nós simplesmente não podemos viver nas trevas. Os justos estão andando na luz, e não há nada em seus corações que causem tropeço.
Todavia, o Apóstolo João também disse: “Mas aquele que odeia a seu irmão está nas trevas; não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos.” Aqueles que odeiam a seus irmãos, em outras palavras, ainda estão vivendo nas trevas. João diz aqui que essas pessoas andam nas trevas porque elas não sabem aonde estão indo. Aqueles que estão nas trevas não sabem que eles estão propensos a cometer falsos julgamentos, porque não sabem o que é certo ou errado.
Às vezes, você e eu, que nos tornamos justos, podemos também nos encontrar nas trevas. Mas porque Deus fez brilhar Sua luz sobre nós, pela fé nós nos tornamos a verdadeira luz, o povo de Deus, justos e santos. Por isso, quando encontramos algo que causa tropeço em nossos corações, nós devemos realmente reconhecer nossos erros e buscar a presença de Deus. Como poderíamos nós continuar vivendo nas trevas?
Se nós odiamos mesmo alguém em nossos corações, isso se torna uma causa de tropeço e uma atitude errada diante de Deus, e se nós não conseguirmos entender que é errado odiar e continuarmos a cultivar o ódio em nossos corações, nós nos tornaremos espiritualmente cegos. Incapazes de discernir o certo do errado, nós acabaremos então caindo num grande erro e no fim nos tornaremos servos do diabo.
Por isso nós não devemos deixar que o ódio permaneça em nossos corações por mais de um dia, não devemos tolerar o pecado, mas ao invés disso devemos remover todas as sobras do pecado confessando-o com fé. Somente quando vivemos assim tendo essa fé pura em nossos corações é que podemos viver nossa vida na presença de Deus como Sua luz pura e brilhante.
As trevas se dissiparam da nossa vida ou não? Claro que sim. A verdadeira luz tem brilhado sobre nós agora. Então para nós, “as coisas velhas já passaram” (2 Coríntios 5:17). Nós já escapamos do nosso destino de maldição. Deus nos salvou dos nossos pecados, nos deu uma nova vida, e nos trouxe a vida, e porque nós cremos em tudo isso, nós nos tornamos Seu povo, e recebemos a vida eterna.
Como pessoas que receberam a vida eterna, então, onde devemos nós habitar? Devemos habitar na luz da verdade que tem conhecimento de Deus. Nossos corações devem viver na luz da salvação. Nós devemos viver na luz do amor de Deus. Deus realmente nos salvou dessa maneira através do evangelho da água e do Espírito, e Ele nos iluminou com a luz da Verdade. Ao nos salvar de forma perfeita de todos os nossos pecados, em outras palavras, Ele nos tornou Sua luz. Então mesmo que nos digam para não vivermos na luz da Verdade, nós devemos habitar nesta luz, e fazer brilhar essa verdadeira luz em cada canto dessa terra, e viver nossa vida pela fé. Este é o amor de Deus que Ele nos falou através do Apóstolo João.
Quando o Apóstolo João diz: “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis,” o que ele quer nos dizer é que não devemos cometer o pecado fundamental de não crermos no evangelho da água e do Espírito.
Esta passagem é particularmente importante para todos os cristãos. Aqueles que dizem que aceitam o Cristianismo mas não crêem no evangelho da água e do Espírito ainda não descobriram a verdadeira luz da salvação. Diante de Deus, essas pessoas ainda estão vivendo nas trevas, não na luz, porque elas não foram iluminadas pela verdadeira luz.
Essas pessoas são aqueles que tentam receber a salvação dos seus pecados todos os dias fazendo suas orações de arrependimento. Eles estão tentando seguir a Deus seguindo falsas doutrinas. Mas ninguém pode entender o evangelho da água e do Espírito através das suas orações de arrependimento, nem através dos ensinamentos da doutrina da santificação contínua. Aqueles que tentam entender a Palavra de Deus baseados nos seus próprios pensamentos, em outras palavras, não podem ser iluminados com a luz da Verdade. Colocando de outra forma, eles simplesmente não podem receber a remissão dos seus pecados.
  
Como os justos devem viver?
Os justos devem viver amando uns aos outros.
 
Depois de recebermos a remissão dos nossos pecados, como deve ser nossa vida espiritual? Aqueles cujos pecados foram remidos vivem no evangelho da água e do Espírito, e eles também amam todas as almas. Em outras palavras, pelo fato de termos sido remidos de todos os nossos pecados, nós amamos nossos irmãos cujos pecados também foram remidos, e nesse amor nós temos comunhão uns com os outros e cuidamos uns dos outros como os co-possuídores de uma nova vida. E nós não cultivamos o ódio em nossos corações, nem temos nenhuma intenção maligna contra os outros.
Se, de alguma forma, esses pensamentos aparecerem, então devemos primeiro pensar na luz de Deus, e ver se as pessoas com quem estamos lidando receberam a remissão dos seus pecados ou não, e então decidir como lidar com elas. Nós somos mais do que capazes de examinar a nós mesmos e aos outros, de arrancar nosso pecado maligno, e de amar uns aos outros no amor de Deus. Já que nosso Senhor apagou não somente os meus pecados mas também os pecados de todos os nossos irmãos, e os pecados de todos os seres humanos, é mais do que justo que amemos uns aos outros crendo no evangelho da água e do Espírito. Nós realmente devemos amar uns aos outros enquanto vivemos. Essa é a mensagem que o Apóstolo João está dando a todos aqueles que crêem no evangelho da água e do Espírito. Como está a sua vida de fé? Onde seu coração está habitando agora? Você já odiou alguém de todo o seu coração, até mesmo a ponto de querer matar essa pessoa? Você tem, de alguma forma, um coração cheio de ira nesse momento? Se tem, então seu coração está totalmente errado. Uma vez que o Senhor já purificou todos os seus pecados, por que você está se envolvendo com o pecado dos outros? Embora nossos pecados fossem tantos quanto as areias do deserto e vermelhos como o sangue, nosso Senhor os purificou a todos através do evangelho da água e do Espírito e tornou nossos corações mais alvos que a neve. Se essa é a questão, e se você foi mesmo completamente remido dos seus pecados ao crer nisso, seu coração não deveria, agora que está limpo, rejeitar as trevas?
Já que nosso Senhor apagou todos os pecados que nós tínhamos, todos aqueles pecados que eram escuros como as trevas, como nuvens de tempestade, como é que nós podemos ainda ficar presos a esses pecados que o Senhor já fez desaparecer, continuar a cultivar a ira, pecar, e viver nas trevas? Desde o momento que Deus apagou todos os nossos pecados e nos tornou Seus filhos, nós não temos mais que viver nas trevas. Já que Ele apagou todos os nossos pecados, em outras palavras, nós, da mesma forma, devemos confessar nossos erros uns aos outros, repreender uns aos outros por causa desses erros, e também nos desculpar uns com os outros, mas acima de tudo devemos lançar fora dos nossos corações todo o mal.
De alguma forma, meus amados irmãos, há alguém entre vocês que ainda range os seus dentes de tanto ódio? Há alguém que vive sempre com ira no coração? Alguém que pensa assim: “Quando eu tiver uma chance, com certeza vou me vingar!” Se há alguém assim, essa é uma pessoa que ainda não veio para Cristo. Tais pessoas não são somente cegos espirituais, mas também estão enganando a si mesmas e mentindo. Elas mesmas estão sendo iludidas. Se você veio mesmo para Cristo e foi iluminado com a verdadeira luz, você pode até odiar o pecado, mas não odiar o pecador. Isso não é verdade? É claro que é!
Nós temos que ouvir atentamente o que o Apóstolo João nos disse. Em 1 João 1:5, ele diz: “Deus é luz.” Deus é luz ou não? Nesta luz, há algumas manchas negras às vezes, ou tudo que existe é apenas a luz em si mesma? A luz é completa. Isso então significa que nossos corações, como crentes, estão também completamente cheios de luz. Há algumas manchas negras nesta luz? Não, nenhuma! Deus por acaso deixou algum dos nossos pecados por aí, ao invés de ter apagado todos eles, ou Ele os fez desaparecer completamente? Nosso Senhor de fato apagou todos eles de uma forma perfeita, e por isso nós não temos mais nenhum pecado. É por isso que nós somos justos, e como o povo de Deus vestidos do amor de Deus pela fé, devemos amar e cuidar uns dos outros, e fazer brilhar a luz da Verdade àqueles que, ainda não conhecendo a Verdade, não vieram para Jesus Cristo, e tomá-los em nossos braços também. Pelo menos entre nós, que recebemos a remissão de pecados, devemos lembrar que os crentes são da nossa classe, nossa família, nosso povo, nosso irmãos. Tais pensamentos, tal fé, tais corações devem sempre nos acompanhar enquanto vivemos.
Uma vez, Jesus perguntou àqueles que estavam sentados ao redor dele: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” Ele então respondeu Sua própria pergunta, dizendo: “Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Portanto, qualquer que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, irmã e mãe” (Marcos 3:33-35).
O que, então, é essa “vontade do Pai”? A mesma frase é usada na oração do Senhor: “seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mateus 6:10). É que Ele nos salvasse de todos os nossos pecados através da propiciação do Seu único Filho, Jesus Cristo. É que Ele salvasse nossa alma da sua destruição eterna, como está escrito na Bíblia: “E esta é a vontade daquele que me enviou, que eu não perca nenhum de todos os que ele me deu, mas o ressuscite no último dia” (João 6:39). Portanto, nós seremos a família do Senhor contanto que nos dediquemos ao evangelho da água e do Espírito.
O Senhor guiou a nós, que estávamos nas trevas, à luz para nos salvar completamente dos nossos pecados. Jesus Cristo, concebido no ventre da virgem Maria, nasceu nessa terra; quando completou 30 anos, Ele levou sobre Si todos os pecados da humanidade ao ser batizado por João Batista; e ao morrer na Cruz e ressuscitar dos mortos, Ele nos iluminou com a Sua perfeita Luz. Ele nos deu a Sua perfeita salvação. Por crermos nessa Verdade, nós fomos salvos de uma maneira perfeita, e assim nos tornarmos os filhos de Deus que fazem a Sua vontade. Aqueles que crêem assim são a família de Deus. Você e eu não temos como evitar de continuar pecando durante nossa vida inteira. Mas nosso Senhor veio a essa terra a mais de 2000 anos atrás, e quando Ele fez 30 anos, Ele levou todos os nossos pecados completamente ao ser batizado por João. Com 33 anos de idade, Ele entregou Seu corpo e morreu na Cruz, ressuscitou dentre os mortos em três dias, e assim nos trouxe a vida com perfeição. E Ele nos deu uma nova vida. Você crê nisso? Nós agora nos tornamos a perfeita luz. Você e eu, portanto, devemos viver agora nessa luz.
Meus amados irmãos, luz e trevas podem se unir, se misturar, e viver em perfeita harmonia uma ao lado da outra? Luz e trevas não podem coexistir juntas. E por quê? Porque mesmo quando o menor raio de luz aparece nas trevas, ela se torna completamente luz. Tome o templo da sua igreja como exemplo. De noite, quando vem a escuridão, com a luz apagada, todo o templo fica envolvido pela escuridão, mas quando se liga a luz, ela começa a iluminar todo o templo de novo e toda a escuridão é dissipada.
Se nós nos tornamos um com Jesus Cristo, então nós somos luz também, porque o próprio Jesus Cristo é a luz. Se nós cremos que Ele nos salvou de uma forma perfeita, nós também somos luz por causa da nossa fé. Nós não somos mais trevas. A Bíblia diz: “As coisas velhas já passaram, tudo se fez novo.” Porque nós somos luz, nós devemos viver uma vida de luz pela fé.
Você realmente se uniu ao Senhor ao crer no evangelho da água e do Espírito? Se você fez isso, você então é luz ou trevas? Você é luz. Luz ainda é luz, mesmo que você seja deficiente em seus atos. Se você guarda algum ressentimento contra seu irmão e então você percebe que cometeu um pecado contra Deus sendo filho da luz, então a luz que quase foi tomada pelas trevas brilha ainda mais forte.
Já que Deus riscou todos os nossos pecados, que necessidade nós temos de ainda nos apegarmos a eles? Já que Jesus levou sobre Si todos os pecados do mundo ao ser batizado, e completou a nossa salvação ao suportar toda a condenação na Cruz, como podemos nós, sendo irmãos na fé e servos de Deus, guardar ressentimento uns contra os outros por causa de pequenos erros e ranger os dentes por causa deles? Como é que nós podemos ter esse tipo de trevas em nós?
Quando essas trevas nos visitam, devemos confessar na mesma hora que essas trevas estão em nós, confessar nossos erros a Deus, nos apegarmos a luz e aceitarmos o fato de que Jesus Cristo levou até mesmo esses pecados quando Ele foi batizado no Rio Jordão, e meditar nessa Verdade. Pelo fato de Jesus ter suportado todos os nossos pecados ao ser batizado, carregado os pecados do mundo na Cruz ao ser batizado, e tendo assim cumprido toda a justiça de Deus, nós podemos permanecer na perfeita luz. Nossos corações são iluminados quando meditamos mais uma vez na Verdade que Jesus nos salvou de forma perfeita ao aceitar todos os nossos pecados através do Seu batismo, recebendo sobre Si todos eles, e suportando toda a condenação em nosso lugar. Nós devemos então agradecer a Deus com nossa fé por Ele ter nos permitido viver um tipo de vida onde suportamos uns aos outros, cuidamos do coração uns dos outros, e amamos uns aos outros. Essa é a vida de luz que o Apóstolo João está falando.
Porque os seres humanos são deficientes, é mais do que normal que erremos uns com os outros, mas se nós formos incapazes de suportar isso, e ao invés disso deixarmos que esses erros se tornem defeitos que nos levam sempre a fazer uma tempestade em copo d’água e guardar rancor uns pelos outros, então essa não pode ser uma vida de fé apropriada. Se, de alguma forma, seu coração é assim, então pense em como Jesus apagou todos os seus pecados, em como Ele te salvou de todos os seus pecados. Mesmo que haja alguns erros que cometemos uns com os outros, já que o Senhor apagou todos esses pecados também, como é que nós podemos julgar uns aos outros? Se seu coração está magoado, tudo que você tem que fazer então é dizer e explicar porque você está assim, e assim a outra pessoa poderá admitir seu erro e se desculpar com você. Portanto, no amor do nosso Senhor, na Sua luz, devemos ser capazes de nos reconciliar uns com os outros de coração e viver em harmonia.
Todos nós devemos conhecer a Verdade da água e do Espírito que nos capacitou a nascer de novo. Eu agradeço a Deus por permitir que eu conheça essa Verdade. Aqueles que ainda não conhecem a Verdade do evangelho da água e do Espírito devem ouvir e aprender daqueles que conhecem, e vir assim para a luz da Verdade.
Uma coisa que eu gostaria de dizer claramente aqui é que seres humanos são seres humanos. Não pode haver nenhuma dúvida de que todos nós somos seres humanos e não temos como evitar de pecar por causa da nossa fraqueza. Os seres humanos são assim e sempre desobedecem a Deus, não fazem Sua vontade, e cometem erros contra Ele. Contudo, o Senhor ainda nos mostra a Sua misericórdia, nossos erros, e diz: “Pois Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, a fim de para com todos usar de misericórdia” (Romanos 11:32). Foi porque nosso Senhor teve misericórdia de pessoas como nós que Ele nos iluminou com a luz da Sua Verdade. Nosso Senhor finalmente nos diz que Ele nos fez seres fracos para que pudéssemos ser salvos.
Você não deve olhar para os seus próprios pensamentos e seus próprios atos, mas você deve olhar para o Senhor. Não pense somente com o seu próprio conhecimento, mas ouça atentamente ao que a Bíblia está te dizendo. A verdadeira salvação então virá até você e será plantada em seu coração. Quando toda a confusão que contamina a sua mente for tirada, você entenderá que Deus é realmente o Salvador que nos salvou de todos os nossos pecados. E quando você crer que Deus te salvou de todos os seus pecados, você poderá se unir ao Senhor, e também à sua Igreja, por meio dessa fé. Ao crermos no evangelho da água e do Espírito, nós nos tornamos um só corpo com Deus, e por isso Seu próprio povo. Deus já te concedeu essas bênçãos.
Porém se existe alguém que ainda não recebeu essas bênçãos de Deus que Ele nos concedeu por meio do evangelho da água e do Espírito, minha oração e meu desejo então é que todas essas pessoas creiam e venham para o evangelho da água e do Espírito dado por Deus.