Sermões

Assunto 18: GÊNESIS

[Capítulo 2-1] (Gênesis 2:1-3) As Bênçãos que Deus nos Concedeu

(Gênesis 2:1-3)
“Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. Havendo Deus acabado no sétimo dia a obra que fizera, descansou nesse dia de toda a obra que tinha feito. E abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou, porque nele descansou de toda a obra de criação que fizera”.
 
 
O texto bíblico deste capítulo nos fala que Deus criou todo o universo, mas foi neste planeta em particular, onde habita o homem, que Deus nos deu Suas bênçãos. Os cientistas buscam encontrar vida fora do planeta terra sem cessar, achando que o homem poderia viver em outro planeta. No entanto, o mais importante para nós é saber e crer que foi Deus quem criou este planeta realmente.
Há uma diferença fundamental entre aqueles que crêem em Deus e os que não crêem. Aqueles que dizem: “Onde Deus está? Tudo veio à existência naturalmente”, foram enganados pela teoria da evolução e acabarão sua vida sem nenhuma fé. “Deus criou mesmo este universo e a nós?” Se Deus não criou este universo e tudo que nele há, como este planeta passou a existir então?” Quanto mais examinamos tudo que Deus criou, mais podemos ver que foi Ele mesmo quem criou o universo e tudo que nele há. Está escrito na bíblia: “Visto que o que de Deus se pode conhecer, neles se manifesta, porque Deus lhes manifestou. Pois os atributos invisíveis de Deus, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que foram criadas, de modo que eles são inescusáveis” (Romanos 1:19-20).
Quando olhamos para todos os animais e plantas neste planeta, e quando olhamos para as maravilhas da natureza, nós podemos como Seu poder e divindade se manifestam neles. Por exemplo, quando chega o outono, muitas mariposas voam no céu. Você sabe quantos tipos de mariposas há no mundo? Nós conhecemos algumas como as cortadoras, as esmeraldas, as espumadeiras, mas estima-se que há mais de 6000 espécies de mariposas em todo o mundo. Ao vermos isso, nos lembramos que Deus disse que criou todos os animais e plantas segundo a sua espécie. Deus disse que criou todo ser vivente segundo sua espécie. Nós podemos ver isso se consultarmos Sua Palavra.
Nós sabemos que nenhuma criatura neste planeta é igual, pois Deus criou cada uma segundo sua espécie. Algumas delas podem até parecer iguais aos nossos olhos, mas quando nós olhamos para elas mais atentamente, podemos ver que elas são muito diferentes. O homem foi criado como um homem, e os animais foram criados segundo a sua espécie. Só porque o ser humano e os chipanzés têm algumas similaridades, isso não significa que eles são iguais. A natureza revela que tudo foi criado por Deus segundo o Seu desígnio. E todas as estrelas do universo também foram criadas por Deus.
Como o homem foi criado? O que é o homem? Nós fomos criados por Deus mesmo? O planeta terra foi realmente criado por Deus? Ao buscarmos respostas para estas perguntas, vemos que tudo isso foi de fato criado por Deus. Apesar de não ser algo muito fácil explicar minuciosamente como a terra foi criada, uma coisa é certa, ela foi criada por Deus. E tudo que temos para afirmar isso é a nossa fé – já que a Palavra de Deus diz que foi Ele quem criou os céus e a terra, sabemos que isso é verdade porque cremos nisso.
Deixe-me te contar agora a história de Isaac Newton, um cientista que cria em Deus e que fez com que um amigo seu, um cientista ateu, viesse a entender a existência de Deus e a reconhecer que Ele de fato criou tudo o universo. Um dia, Isaac Newton observava o espaço com seu telescópio e seu amigo o visitou. Inspirado pela beleza das estrelas, Newton passou o telescópio para o seu amigo e disse: “Meu amigo, olhe aquelas estrelas. Você pode ver a mão de Deus?” O amigo de Newton, também cientista, começou a zombar dele enquanto olhava as estrelas pelo telescópio.
“Você me faz rir. Onde está Deus? Eu estou olhando pelo telescópio, mas não veja a mão de Deus nem as Suas vestes!” Como haviam estudado juntos, os dois cientistas eram muito amigos. Por isso, Newton queria que seu amigo pessoal cresse em Jesus também e recebesse a vida eterna, mas ele não podia fazer muita coisa, pois sempre que dizia algo sobre Jesus, seu amigo começava a defender a teoria da evolução e o ateísmo.
Newton então teve uma idéia brilhante. Ele construiu uma réplica perfeita da terra. E após passar várias noites acordado, ele acabou seu globo, o colocou em cima da mesa e chamou seu amigo. Hoje é fácil encontrar um globo, mas naqueles dias era muito difícil. Naquela época, até mesmo para os cientistas não era fácil fazer um. Então, quando o amigo de Newton veio visitá-lo para jantar em sua casa, ele ficou curioso quando viu o globo em cima da mesa. Olhando em volta dele, ele disse a Newton:
“Onde você arrumou este globo? Você o comprou?”
Newton respondeu: “Não, eu o tenho há muito tempo. E ele apareceu de repente, do nada, antes mesmo de meu pai ter nascido, e está aqui desde então”.
Seu amigo disse então: “O que você está falando? Você sabe que essa não é a primeira vez que estamos jantando nessa mesa, mas eu nunca vi isso antes. Onde você o comprou?”
“Eu não o comprei. Ele simplesmente apareceu”.
“Você está brincando comigo? Como pode este globo ter aparecido assim? Isso não faz sentido algum. Como este globo pode existir sem ninguém tê-lo feito? Não seja tolo!”
“Sim, você está certo. Fui eu mesmo que fiz este globo alguns dias atrás para dá-lo a você. Mas é aqui que eu queria chegar: você não acreditou quando eu disse que esta réplica do globo apareceu do nada, mas por que você vem insistindo todo este tempo então que o verdadeiro globo terrestre veio a existir por si mesmo? Deixe-me te dizer só mais uma coisa: a bíblia diz que Deus criou tudo que há nos céus e na terra. Alguém então deve ter criado este planeta. Você acha mesmo que isso aconteceu por acidente?”
“Não”.
“Se Deus não tivesse criado o planeta terra, como é que ele poderia existir então?”
“Bom, eu suponho que ele não existiria se não tivesse sido criado”.
“Você crê agora que foi Deus quem criou este planeta?”
Quando o amigo de Newton parou para pensar nisso, ele disse: “Esta réplica do globo existe porque alguém a fez, então, essa terra pode existir sem ter sido criada por alguém?”
Newton disse ao seu amigo então: “Você pode ver agora que existe um Deus? Ele criou este planeta e todo o universo, mas você crê nisso?”
“Sim, eu acho que sim. Agora eu concordo com você de que há um ser supremo que deve ter criado o universo e tudo que nele há”.
“É isso mesmo. Deus criou o planeta terra e este universo. E Ele criou você também. Os pássaros e animais, Deus criou tudo. Você crê nisso agora?”
“Sim, agora eu creio”.
Newton abriu a bíblia então, e leu uma passagem para seu amigo: “Toda casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus” (Hebreus 3:4). O amigo de Newton passou a crer na existência de Deus então. Agora, eu não tenho certeza se essa história é verdadeira ou não. Mas eu a contei aqui porque eu acho que valeria a pena para aqueles que não crêem na existência de Deus e se recusam a crer na Palavra da Verdade que afirma que Ele criou os céus e a terra.
 
 
Que Tipo de Criatura é o Homem?
 
Que tipo de criatura é o homem? Apesar de sermos todos seres humanos, não sabemos que tipo de criatura é o homem. Nós primeiro temos que entender, pela Palavra de Deus, quem realmente somos.
O homem se parece com o quê? Nós não devemos olhar para a aparência de alguém, mas sim como ele é por dentro. Eu tenho aqui um copo com água. Então, este é um copo d´água. No entanto, se este copo tivesse limonada, ele seria um copo de limonada; se ele tivesse leite, seria um copo de leite. Isso vai ser sempre um copo, mas dependendo do que haja dentro dele, ele pode ser um copo de qualquer coisa.
O homem por natureza é bom ou mal? A bíblia diz que o homem é mal e impuro por natureza. Está escrito em Marcos 7:20-22: “O que sai do homem é o que o contamina. Pois do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, e a loucura”. É por isso que a bíblia diz que o homem é cheio de toda sorte de iniqüidade.
O ser humano nasce pecador. Por isso, ele não tem como evitar de pecar sua vida inteira. Ele é mal e impuro desde o seu nascimento. Melhor dizendo, o homem tem pecados malignos. O ser humano não pode fazer o que é bom, pois todos eles são descendentes de Adão. O homem é mal por natureza. Deixe-me te dar alguns exemplos.
Qual o primeiro país a lançar modo no mundo inteiro? Praticamente tudo que é moda nasce em Paris, frança. A França é o país mais suscetível à moda, mais do que a Inglaterra ou os Estados Unidos. Dizem que as mulheres francesas são mais extravagantes e, particularmente, adoram os seus animais de estimação.
Uma mulher na França tinha um porquinho branco como animal de estimação. Como alguém que possui um animal de estimação também, é difícil para mim entender isso, mas, de todo modo, seguindo a última moda, a mulher tinha um porco branco como animal de estimação. E ela amava aquele porco branco. Ele era tão lindinho e fofinho que ela não conseguia tirar os olhos dele. Seu rabinho enrolado era tão engraçadinho, suas perninhas curtas tão jeitosinhas, e seu corpo cheinho tão fofinho. Ela dava banho no porco com leite para que seu pêlo ficasse cada vez mais branquinho. Além disso, o perfume que ela colocava nele era Montblanc, um perfume francês famoso; e até o nome do porco era Montblanc. Assim, ela cuidava do seu porquinho branco com todo carinho e o mimava.
Um dia, aquela mulher teve que viajar a negócios por uma semana. Mas o problema foi seu porquinho branco. Ela ficou em dúvida se o levaria consigo ou o deixaria em casa. Se ela o levasse, certamente seus negócios não dariam certo. E ela ainda ela ficou preocupada porque se o deixasse em casa não havia ninguém para dar banho nele, brincar com ele ou cuidar dele. Então, depois de pensar bastante, ela finalmente decidiu deixar o porquinho em casa. Ela trancou a porta da frente, mas deixou todas as outras portas da casa abertas para o porquinho circular livremente; ela preparou água e comida para durar por uma semana e, antes de viajar, ela lhe deu um bom banho. Ela então disse ao porco: “Cuide-se bem, meu porquinho, até eu voltar de viagem. Eu já deixei bastante comida para você aqui. Ande por onde você quiser na casa e durma nesse tapete limpinho que eu deixei aqui especialmente para você”.
Depois de tudo isso, mesmo assim ela não queria deixar seu porquinho, mas o beijou pela última vez e acabou viajando. Ao longo do caminho, porém, ela não parava de pensar no seu amado porquinho. Ele teve todo tipo de preocupação e pensou: “Será que meu porquinho vai ficar bem enquanto eu estiver fora? Tomara que ele não se suje muito”. Ela finalmente voltou para casa então, depois que acabou seu trabalho.
Assim que ela abriu porta, ela chamou seu porquinho pelo nome, Montblanc, mas ele não respondeu. Ela então procurou em todo lugar da casa, nos quartos, na sala, na cozinha, mas seu amado Montblanc não estava em lugar algum. Já apavorada pensando que alguém pudesse ter roubado seu porco, ela ouviu um ‘oinc’ vindo de algum lugar. Ela então foi seguindo o som e chegando mais perto, e quando chamou Montblanc não ouviu mais nenhum oinc. Onde você acha que o porco estava?
Ele estava no quintal sentado num monte de lixo. Ele se fartou de tanta imundícia na última semana que sua barriga estava cheia, e ele estava deitado no meio da sujeira com os pés para cima. Mas quando ouviu a voz da sua dona chamando por ele, ele ficou tão feliz e fez ‘oinc’. A mulher disse: “Venha aqui agora, Montblanc!” mas o porco nem se mexeu. Montblanc nem saiu do lugar e seu olhar parecia dizer para sua dona: “Eu gosto de onde estou!” A mulher jamais havia visto Montblanc com uma expressão tão feliz em seu rosto.
Foi a primeira vez que ela viu aquela expressão de alegria no rosto de Montblanc, mas isso só aconteceu quando ele se deitou na sujeira. Isso a deixou muito chateada. Então, ela disse ao porco: “Montblanc, você nunca deveria ter dormido aí nem comido essa sujeira. Você tem que comer a ração que eu te dou, beber o leite que eu te dou, brincar na água limpa onde eu te dou banho, e dormir na cama limpa que eu preparei para você. Você não deveria estar aí. Venha cá!” Mas ao invés de ir para ela, o porco olhou para ela com um olhar tão feliz. Você pode imaginar como a mulher ficou chateada com tudo isso.
O homem é como o porco dessa história. Por natureza, ele já nasceu com todo tipo de pecado imundo como o homicídio, o orgulho, o adultério, a maldade, os meus pensamentos, o engano, e daí por diante. O homem por natureza nasceu com pecado em seu coração (Salmo 51:5), e é por isso que ele não pode evitar a maldade e o sofrimento sua vida toda – esta é a natureza do homem.
Um porco escolheria viver dentro de uma casa? Por natureza, ele gosta da lama e da sujeira desde que nasceu. É claro que ele beberia leite se dessem para ele, mas o que ele gosta mesmo de comer é lavagem. Esta é a natureza do porco. Do mesmo modo, o homem pratica a maldade porque nasceu em pecado. O ser humano é assim.
Por natureza, o homem é bom ou mal, cruel ou gentil, puro ou impuro? O homem é impuro porque há pecado no seu coração. O homem é mais impuro do que qualquer outra coisa. É por isso que a bíblia diz: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e incorrigível. Quem o conhecerá?” (Jeremias 17:9). Quando olhamos para alguém, nós julgamos se ele é justo e correto pela sua aparência. A bíblia diz que o homem é impuro e mau justamente porque consegue ver o que há dentro de todo ser humano, tudo mais sórdido e maligno que há nele. Todos nós nascemos com todo tipo de sujeira e desejos pecaminosos no coração.
Em toda sua história, o homem endeusou a si mesmo por não se conhecer. Por mais de mil anos ele tem cuidado da sua aparência. Mesmo assim, ele continua mau em sua essência. Deixe-me dar outro exemplo para explicar como o coração do homem tem desejos homicidas.
Havia um chefe na África. Um dia, enquanto caçava, seu filho achou um lindo filhote de leopardo e o levou para a tribo. O filhote era tão lindo que toda a tribo de cara gostou dele, começou a cuidar dele e alimentá-lo com a mesma comida que eles comiam. Após alguns anos, o filhote cresceu e se tornou um leopardo adulto. O povo da tribo começou a ficar com medo, então eles pediram ao chefe para matá-lo ou mandá-lo embora, pois eles sabiam que mais cedo ou mais ele acabaria ferindo alguém. Eles sabiam que ele poderia atacar alguém na tribo, desde seu chefe e seu filho aos próprios moradores, e por isso eles tinham que matá-lo ou mandá-lo embora.
Então o chefe disse ao seu filho: “O povo da tribo está preocupado com o leopardo, e eu também estou convencido de que ele mais cedo ou mais tarde vai acabar ferindo alguém. Por isso, temos que matá-lo ou mandá-lo embora”. Seu filho então colocou as mãos nos dentes do animal, mas ele não o mordeu. E até quando seu filho colocou a cabeça na sua boca, ele não o mordeu. Ao contrário, ele abriu mais a boca e o lambeu. “Pai, como você pode ver, o leopardo me conhece muito bem e está acostumado comigo; como ele pode me fazer algum mal? De todo modo, ele nunca feriu ninguém até hoje, não foi? Este leopardo é diferente dos outros. Ele cresceu entre as pessoas desde que era um filhote, e é por isso que ele não é feroz. Veja como ele é carinhoso”. Já que o filho do chefe era contra, as pessoas da tribo não podiam matar o leopardo.
Mas ele disse ao seu filho: “Tudo bem então. Eu vou te propor uma coisa. De agora em diante, não dê carne a ele, só verduras. Vamos tentar fazer com que ele seja o mais dócil possível, como um bezerrinho”. Assim, com o consentimento da tribo, o leopardo começou a ser alimentado com verduras dali por diante.
Às vezes o filho do chefe caçava montado no leopardo. Um dia, quando saiu com seus amigos, ele caiu acidentalmente num penhasco. Seus amigos não tinham muito a fazer naquela hora, pois eles não podiam descer rápido pelo penhasco, e se fizessem isso levaria muito tempo para chegar até onde o filho do chefe estava. Porém, quando leopardo viu aquilo, ele desceu rapidamente o penhasco. Ele foi o primeiro a chegar onde seu dono estava e, instintivamente, começou a lamber suas feridas.
Geralmente, quando os animais lambem alguém, isso é uma demonstração de carinho. Entretanto, conforme o leopardo continuou a lamber o sangue do rapaz, seus olhos começaram a mudar. Com olhos de predador e sedento por sangue, o animal começou a rosnar bem alto. E como seu instinto carnívoro foi despertado, ele acabou despedaçando o corpo do seu dono e o devorando.
Os seus amigos viram tudo isso enquanto desciam bem rápido o penhasco. Assim que provou do sangue, o leopardo deixou de ser dócil como antes. Seus amigos então correram até a tribo para chamar seu pai, dizendo: “O leopardo atacou seu filho e o devorou”. E o povo disse: “Nós te avisamos. Um leopardo é um leopardo. Ele nunca seria dócil só porque nós o alimentamos com vegetais. Por que você não nos deu ouvidos quando te dissemos que ele era um animal carnívoro, que, por natureza, gosta de sangue e mais cedo ou mais tarde agiria por instinto?” O chefe e o povo da tribo se arrependeram, mas já era tarde demais.
As pessoas acham que se elas ensinarem coisas boas aos seus filhos eles serão justos, achando que eles já são bons por natureza. É assim que elas educam seus filhos. Elas também dizem que todos devem ser educados, porque um homem mal educado não é diferente de um animal. Todavia, a educação não torna ninguém justo. Independente se alguém aprendeu tudo sobre a moral e a ética, e por mais que ele tenha sido criado em uma boa família, isso não o torna um justo.
Por natureza, o mal habita no homem, pois ele nasceu mal em sua essência. É por isso que todos nós somos seres maus e não temos como evitar as obras malignas em nossa vida. Por isso que a bíblia diz que o homem é uma “descendência de malignos” (Isaías 1:4). O homem é mal por natureza. A bíblia diz que o homem é mal, totalmente perverso, adúltero e corrupto. E é o homem quem comete furtos e homicídios. Em outras palavras, a própria semente do homem é maligna.
O ser humano não é justo. Todos eles são malignos. Todo ser humano é maligno. Quando a situação não é propícia para pecar, as pessoas fingem ser muito virtuosas. Mas quando a situação é favorável, elas revelam sua natureza humana, assim como o leopardo da história revelou seu instinto natural. É por isso que a bíblia diz que todo ser humano é pecador. Por causa da transgressão de um só homem, todos se tornaram pecadores (Romanos 5:12-15). Melhor dizendo, foi por causa de Adão que nos tornamos pecadores. Nascemos como seres pecadores e maus em nossa essência. Por essa razão é que o homem é chamado de descendência de malignos.
Nós temos que entender muito bem o que somos como seres humanos. Nossa existência é do tipo que não tem como evitar o pecado. Até o dia da sua morte o ser humano não pode evitar o pecado. É por isso que todos eles vivem em desespero. Na sua obra “Confissão”, Tolstoi compara a vida como se segurar num galho de um penhasco. Como escreveu Tolstoi, um viajante caiu num poço seco quando tentava escapar de uma fera que o perseguia. Quando caiu no poço, ele viu um dragão no fundo dele com a boca aberta, simbolizando a morte. Ele não podia subir o poço por causa da fera, nem descer com medo do dragão, no que ele se agarrou a um galho do lado do poço.
Aí então ele vê dois ratos, um preto e outro branco – simbolizando o dia e a noite – rodando o galho e o roendo. O viajante sabe que o galho vai quebrar mais cedo ou mais tarde e ele vai acabar morrendo. Mas ele ainda vê algumas gotas de mel nas folhas do galho e apesar da sua situação desesperadora, ele se sente feliz por poder alcançá-las e lambê-las. Isso, como descrito por Tolstoi, é o homem. O homem está preso a tal situação onde não há esperança, onde é impossível escapar e a morte é inevitável. Mas, mesmo assim, ele não consegue ver como sua situação é desesperadora.
Tem gente que diz com toda certeza que consegue viver sem pecar se as circunstâncias foram propícias. Elas dizem: “Bem, a única razão de eu pecar são as circunstancias ruins”. Mas o homem pode realmente não pecar? Não, é impossível não cometer pecado. Já que todo ser humano por natureza já nasceu com um coração pecaminoso, é impossível não pecar. É por isso que ninguém pode evitar a morte e a maldição. Esta é a natureza do homem. O homem em si já está amaldiçoado e não tem mais nenhuma esperança.
Nós realmente temos como não cometer nenhum pecado em nossa vida? Claro que não! Nenhum ser humano é capaz de evitar o pecado. Já que todo mundo nasceu em pecado, todos são pecadores. A morte e o inferno são coisas inevitáveis para o homem. É por isso que Deus diz a todos os homens que são pecadores: “O salário do pecado é a morte”. Vocês conseguem entender isso? Por causa dessa situação desesperadora então, alguém tem que nos ajudar. Ninguém pode nadar até o meio do Oceano Pacífico. Deste modo, nós seres humanos estamos nos afogando no mar do pecado, e só sobreviveremos se alguém nos salvar. É por isso que precisamos de um Salvador.
Quem pode ser o Salvador de pessoas como nós então? Jesus Cristo. Nós somos apenas humanos, incapazes de evitar o pecado e condenados ao inferno. Segundo a lei de Deus, não temos como evitar o inferno, mas nosso Senhor veio para nos salvar. Nosso Senhor veio para salvar o ser humano maligno que estava condenado ao inferno. Nosso Salvador é Jesus Cristo. O nome Jesus significa o Salvador, e Cristo significa o Rei ungido (Mateus 1:21; Daniel 9:25). O Senhor, o próprio Deus criador, nos salvou quando estávamos desesperados. Por isso, Deus é o nosso Salvador. Somente Ele pode nos salvar.
Como Gênesis 1:1 diz: “No princípio criou Deus os céus e a terra”, Jesus Cristo também é o Deus criador que fez todo o universo e tudo que nele há. Deus disse: “Haja luz”, e a luz passou a existir. Este Deus que disse que houvesse luz não é nenhum outro senão nosso Salvador Jesus, que veio para nos salvar. Jesus Cristo é Aquele que se tornou nosso Salvador, nosso Deus e nosso Senhor. Jesus Cristo veio para nos salvar do pecado. E Ele apagou todos os nossos pecados quando veio nos salvar. Quando nós lemos na parte principal do texto deste capítulo que Deus abençoou o sétimo dia, isso significa que Ele nos salvou do pecado e nos deu a vida eterna.
A bíblia diz que “aos homens está ordenado morrer uma só vez, vindo depois disso o juízo” (Hebreus 9:27). Todos têm que morrer um dia. Para onde vai depois que morre quem tem pecado? Ele vai para o inferno. Mas se ele morrer depois de receber a remissão dos seus pecados, para onde ele irá? Ele vai para o Céu. Todos terão que enfrentar a morte um dia. Então, já que todos vão morrer, nos funerais nós cantamos: “♪Nessa doce caminhada, ♪um dia encontrarmos aquela bela praia”. Se nós já cruzamos o rio Jordão espiritual, encontraremos essa bela praia na Canaã celestial, no Reino dos Céus. Foi isso que nosso Senhor fez por nós no rio Jordão, o rio da morte: Ele aceitou a morte para ser condenado em nosso lugar.
 
 
Jesus é Realmente o Salvador do Homem?
 
Vamos analisar nossa salvação mais uma vez através do evangelho da água e do Espírito. E vamos analisar também se este Jesus em que nós cremos se tornou de fato o Salvador que nos salvou de todos os pecados do mundo. Se lermos Mateus 3:13-15, está escrito: “Então veio Jesus da Galiléia ter com João junto do Jordão, para ser batizado por ele. Mas João tentava dissuadi-lo, dizendo: Eu preciso ser batizado por ti, e vens tu a mim? Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por agora, pois assim nos convém cumprir toda a justiça. Então João consentiu”.
De todos os lugares, por que nosso Senhor escolheu o rio Jordão para ser batizado? O rio Jordão é o rio da morte. Neste rio da morte, Jesus entrou para morrer em nosso lugar, para aceitar a morte que o homem teria. O próprio Deus veio a essa terra à nossa semelhança e aceitou todos os nossos pecados com Seu batismo, a fim de nos salvar apagando todos eles, que eram a causa das maldições do homem.
Somente se Jesus aceitasse nossos pecados ao ser batizado e morresse em nosso lugar é que nós então poderíamos receber a remissão dos nossos pecados. Mas por quê? Porque Deus não pode nos considerar sem pecado se ainda temos pecado, pois Ele é justo. Apagar realmente nossos pecados em nosso lugar, morrer por nós, nos livrar da morte dando sua própria vida, nos livrando assim dos nossos pecados – este é o justo amor de Deus.
Vamos analisar então por que Jesus teve que ser batizado por João Batista para nos salvar do pecado.
Para realizar nossa salvação, o próprio Deus arquitetou um plano. E Seu plano foi tão perfeito que se cumpriu em Cristo na plenitude dos tempos (Efésios 1:9-10). Deus pôde descansar no sétimo dia, santificá-lo e abençoá-lo porque tudo foi cumprido segundo o Seu plano.
Para pôr Seu plano em prática e salvar o homem, Deus primeiro tinha que enviar um homem como seu representante. Quem foi este homem? João Batista. Por que Deus teve que enviar um representante para o homem? Porque através dele, Ele passou todos os pecados do homem para Jesus pelo método do batismo, pois a sabedoria de Deus é diferente da nossa. Por isso, apenas quando Deus morreu em nosso lugar é que nossos pecados puderam ser perdoados; e só então foi que pudemos vencer a morte e ter a vida eterna. Foi por isso que Deus enviou um homem, João Batista, como representante da humanidade.
O próprio Senhor então veio como Salvador encarnado como um homem. Todos os pecados do homem só puderam ser apagados porque Jesus recebeu todos eles do representante da humanidade ao ser batizado pela imposição de mãos. Nós só podemos nos achegar a Deus e evitar a morte se não tivermos pecado; por isso que Deus enviou João Batista ao rio Jordão. Esta é a própria sabedoria de Deus. Deus é muito mais sábio do que o homem. A bíblia diz que até a loucura de Deus é mais sábia do que a sabedoria do homem.
João Batista é o representante de toda humanidade. Está escrito: “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista; contudo, o menor no reino dos céus é maior do que ele. Desde os dias de João Batista até agora, faz-se violência ao reino dos céus, e pela força apoderam-se dele. Pois todos os profetas e a lei profetizaram até João” (Mateus 11:11-13). Como está escrito, Deus deixou bem claro que o maior entre os nascidos de mulher – ou seja, o representante da humanidade – é João Batista.
Deus diz em Malaquias que enviaria Elias (Malaquias 4:5) e que este homem prometido por Ele seria nenhum outro a não ser João Batista, o representante da humanidade. Deus primeiro enviou o representante da humanidade, e só depois de três meses foi que Ele mesmo veio encarnado como um homem. Então, através do representante da humanidade, João Batista, Deus recebeu pessoalmente todos os pecados do homem sobre Seu corpo ao ser batizado. E depois de ter aceitado todos os pecados do mundo sobre si, Deus os carregou até a cruz. Todos os pecados do mundo foram passados a Jesus por causa da Sua sabedoria.
Como a passagem bíblica deste capítulo nos diz: “Deus abençoou o sétimo dia e o santificou”. Deus de fato abençoou o homem. Em outras palavras, Jesus levou os pecados do mundo. É por isso que a bíblia diz: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29). Quando Jesus foi batizado no rio Jordão, todos os pecados do mundo foram passados a Ele. E os seus pecados? Todos eles foram passados a Jesus também? Na verdade, todos os seus pecados já foram passados a Jesus também.
A palavra batismo significa “ser enterrado, purificado, passar adiante ou transferir”. Nosso Senhor teve que morrer na cruz no lugar dos pecadores justamente por ter aceitado todos os seus pecados da maneira mais apropriada ao ser batizado. Por natureza, Ele não tinha pecado, mas por ter aceitado todos os pecados do homem de maneira correta, Ele foi morto por causa dos pecados dos pecadores. Todos os pecados do nosso coração foram purificados porque Jesus foi batizado no nosso lugar e aceitou todos eles. Foi para acabar com os pecados de toda raça humana que Jesus Cristo foi batizado.
Jesus disse em Mateus 3:15: “Deixa por agora, pois assim nos convém cumprir toda a justiça”. Cumpriu tudo que é justo aqui quer dizer: pelo fato de todo ser humano ser pecador e ter que morrer por isso, Deus veio a essa terra como o Salvador a fim de nos salvar dos nossos pecados. Ao vir a essa terra para fazer o que é justo pelo ser humano – ou seja, para enviá-los para o Céu ao invés do inferno – o Senhor teve que torná-lo sem pecado; e para fazer isso, Ele levou todos os seus pecados. Portanto, essa obra, na qual Jesus foi batizado para levar todos os pecados do mundo, foi a mais correta de todas. Já que Jesus abaixou Sua cabeça diante de João batista, ele, o representante da humanidade, impôs suas mãos sobre ela e passou todos os pecados do homem para Ele. É isso que significa ‘toda a justiça’. E já que Jesus disse: “Nos convém cumprir toda a justiça”, toda justiça foi de fato cumprida corretamente.
O que Deus realizou ao ser batizado por nós foi o que cumpriu “toda a justiça”. Melhor dizendo, “toda a justiça” se refere ao fato de Deus ter tirado os pecados do homem levando sobre si todos eles. Foi assim que Ele nos salvou. Sendo assim, quando Jesus saiu do rio Jordão depois de ter sido batizado, Deus abriu as portas do Céu e disse: “Este é o meu filho amado, em quem me comprazo” (Mateus 3:17).
Já que o homem criado por Deus caiu na tentação do diabo e pecou, o Filho de Deus, o próprio Deus criador dos céus e da terra teve que vir a este mundo num corpo carnal. E para nos abençoar e nos tornar Seu povo, Ele nos salvou com o evangelho da água e do Espírito. Se nós continuássemos sendo apenas criaturas, não seríamos nada, mas Deus nos renovou e nos abençoou para que não fôssemos meras criaturas, mas sim recebêssemos bênçãos eternas como Seus filhos, reinássemos sobre toda a criação e desfrutássemos da vida eterna. O Senhor levou todos os nossos pecados. Ele tirou todos os pecados do mundo.
O Senhor tirou todos os pecados do mundo, e isso quer dizer exatamente isso: Jesus levou todos os pecados que nós cometemos desde que saímos do ventre de nossa mãe, todos os pecados que cometemos e iremos cometer até o dia da nossa morte. O desejo pecaminoso que é inato em nós desde o nosso nascimento, e os pecados que nós cometemos em nossos atos, todos eles são pecados, sem exceção. Não importa se nós o cometemos no nosso coração ou não, pecado é sempre pecado. Contudo, o Senhor levou todos estes pecados em Seu batismo. Nosso Senhor tirou todos os pecados do mundo. Nosso Senhor tirou mesmo todos os pecados do mundo com Seu batismo e os levou à cruz.
Desde os pecados que cometemos desde que nascemos até aqueles que nós cometemos até os 10 anos, todos eles foram passados a Jesus. Jesus levou todos os pecados do mundo. E os pecados que cometemos depois, dos 11 aos 25 anos, também foram todos passados a Jesus. Se vivêssemos até os 100 anos, todos os nossos pecados cometidos desde os 26 aos 100 anos foram passados a Jesus também. Vocês crêem nisso, amados irmãos? Todos os pecados do mundo foram mesmo passados para o corpo de Jesus. Como? Por Deus ser eterno, Ele pôde tirar todos os pecados deste mundo, desde o início até o fim. Quando visto na dimensão infinita de Deus, que é o Alfa e o Omega, o pecado do homem, que está limitado e preso ao seu tempo, não é nada. Na dimensão eterna de Deus, isto chamado de “o pecado do mundo” foi passado para Ele de uma só vez e apagado de uma vez por todas.
Nosso Senhor Jesus é o Ser eterno. Aquele que vive para sempre criou este mundo, existirá até o fim dele e depois ainda. Este planeta vai desaparecer no futuro. Os pecados do mundo se referem a todos aqueles que o homem cometeu nessa terra desde a criação até ela desaparecer. Jesus levou sobre si todos os pecados do mundo de uma vez por todas, e também salvou toda a raça humana de uma vez por todas.
Mas e os pecados dos nossos pais? Estes pecados também fazem parte dos pecados do mundo? Sim, eles também fazem parte dos pecados do mundo. Todos os pecados que nossos pais cometeram foram passados a Jesus também. Portanto, não há pecado neste mundo.
Nosso Deus é o Deus de amor. Ele amou todo ser humano e apagou seus pecados. Por isso, quando lemos aqui que Deus abençoou o sétimo dia, isso quer dizer que Ele abençoou tudo que criou. Ele nos deu a Palavra da vida eterna. Em outras palavras, Deus nos deu a bênção da remissão de pecados pelo evangelho da água e do Espírito. Foi pelo evangelho da água e do Espírito que o Senhor nos salvou de todos os nossos pecados.
Por que Jesus foi crucificado levando todos os pecados do mundo? Ele morreu em nosso lugar justamente porque foi batizado antes. Ele suportou o sofrimento que era nosso. Ao morrer na cruz Ele disse: “Está consumado!” Com isso Ele quis dizer: “Eu completei a obra da salvação para salvar vocês de todos os seus pecados”.
Depois de morrer na cruz, Jesus ressuscitou dos mortos ao terceiro dia. Por quê? Jesus veio para nos salvar, e foi por isso que Ele levou todos os nossos pecados e morreu. Então, Deus Pai trouxe Seu Filho de volta à vida para que pudéssemos ser salvos de todos os nossos pecados crendo no Senhor ressurreto. Se Ele tivesse morrido na cruz mas não ressuscitado dentre os mortos, nós jamais seríamos salvos. Nós recebemos a remissão dos nossos pecados pela graça de Deus porque cremos de todo coração no Senhor que apagou todos os nossos pecados e ressuscitou dos mortos. Receber esta remissão de pecados é o mesmo que receber o dom de Deus e ser abençoado por Ele. Deus nos abençoou para que nascêssemos de novo por meio do evangelho da água e do Espírito.
Está escrito: “E abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou” (Gênesis 2:3). Já que o próprio Deus apagou todos os pecados do mundo, todos nós fomos santificados. Apesar de todos parecermos imperfeitos na aparência, Deus nos abençoou nos santificando e aperfeiçoando pela fé. É por isso que nosso Senhor diz em Hebreus 10:18: “Ora, onde há remissão destes, não há mais oferta pelo pecado”. Nosso Deus se tornou o verdadeiro Salvador de todo ser humano. Ele nos deu bênçãos tremendas.
Agora, apesar de todo ser humano ser mal e pecador por natureza, todos podem receber a remissão dos seus pecados se crerem na existência de Deus e no que Ele fez para nos salvar. Nós podemos ver que foi para nos fazer Seus filhos segundo Seu plano que Deus permitiu que nós estivéssemos debaixo do pecado e tendo tantas fraquezas. Por natureza, todos nós somos criaturas muito frágeis, mas para nos fazer Seus filhos segundo Seu plano, Deus fez com que crêssemos no evangelho da água e do Espírito e nascêssemos de novo.
Desde o começo, Deus quis nos abençoar para que nos tornássemos Seus filhos. Ele abençoou o universo e tudo que nele há. Nosso Deus nos salvou dos nossos pecados.
 
 
Agora que Fomos Remidos dos Nossos Pecados e Nos Tornamos Justos, Nós Vamos Pecar Mais ou Menos?
 
Alguns podem até dizer: “Já que eu fui remido dos meus pecados, agora eu posso cometer quantos pecados quiser, haja vista que eu não vou ter mais pecado, não é?” A questão não é essa. Ao contrário, quando alguém não tem mais pecado, ele procura se afastar do pecado ainda mais. Antes, nós pecávamos porque éramos cativos do pecado, mas agora, por termos sido salvos pelo evangelho da água e do Espírito, não somos mais escravos do pecado. E aqueles que receberam a bênção da remissão dos seus pecados – ou seja, aqueles que crêem que o Senhor veio a essa terra e os salvou – vivem para praticar a justiça de Deus.
Os justos podem negar a si mesmos e fazer a vontade de Deus porque o Espírito Santo que neles habita os ajuda e os guia. Por mais maligno que este mundo possa ser, ainda assim eles negam a si mesmos e cumprem a justiça de Deus vivendo segundo a vontade do Senhor. Eles fazem parte da Igreja de Deus e pregam o evangelho. Eles oram a Deus e Ele os ajuda de todas as formas, pois eles receberam o direito de ser Seus filhos. Como diz a bíblia: “O justo viverá da fé” (Romanos 1:17); e os justos vivem pela fé realmente.
Os nascidos de novo que crêem no evangelho da água e do Espírito são justos. Deus disse: “Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. Havendo Deus acabado no sétimo dia a obra que fizera, descansou nesse dia de toda a obra que tinha feito. E abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou, porque nele descansou de toda a obra de criação que fizera”. Em outras palavras, Deus descansou justamente porque acabou Sua obra e abençoou tudo que criou.
O Senhor é o nosso Salvador. Foi Ele que nos salvou com o evangelho da água e do Espírito. Todos nós temos que viver tendo essa fé. Contudo, várias pessoas ainda não têm essa fé e vivem sem ela.
Por exemplo, os adventistas do sétimo dia não trabalham no sábado. Eles fazem isso para guardar o sábado, mas não é isso que a bíblia quer dizer quando diz que devemos guardar o sábado. Deus não nos diz para guardarmos o dia de sábado. Mas até hoje os adventistas guardam o sábado como um dia específico na semana para o santificar. Para eles, o sábado começa ao pôr-do-sol da sexta-feira e vai até o pôr-do-sol de sábado.
Seria assim se fôssemos guardar o sábado como um dia específico na semana, como no Antigo Testamento. Entretanto, quando Deus nos diz para guardarmos o sábado, Ele nos manda fazer isso em nosso coração. Melhor dizendo, Deus nos deu o sábado para que guardássemos a fé na Sua salvação, crendo que o Senhor nos abençoou e nos salvou. Nosso Senhor nos abençoou. Ele nos salvou. Deus nos diz para guardarmos o sábado para termos fé nisso.
Nem todos os países do mundo têm o mesmo horário. Há diferença de horário dependendo de onde você esteja. Quando é dia aqui, é noite em outro lugar; quando é domingo aqui, ainda é sábado em outro lugar. Então, como podemos guardar o sábado corretamente? Quando nós viajamos para longe, o fuso horário faz com que percamos ou ganhemos um dia. Então, por causa da diferença de horário, não faz sentido algum guardar o dia do sábado. O que temos que entender aqui é que quando o Senhor nos diz: “Guardai o sábado para o santificar”, Ele está nos dizendo para guardarmos a nossa fé na Verdade, no fato de Ele nos ter feito santos e apagado todos os nossos pecados.
Muitas pessoas ainda têm pecado no coração. No entanto, todo aquele que crê na Verdade não tem pecado por causa da graça de Deus. Deus disse: “Mas onde o pecado abundou, superabundou a graça” (Romanos 5:20). Assim como Deus diz aqui, o ser humano, que era cheio de pecados, não tem mais nenhum pecado. É por isso que nós somos muito gratos a Ele. Este é o mistério do evangelho.
Como diz a bíblia, após completar a obra da criação, Deus descansou no sétimo dia. Por não entenderem isso, entretanto, muitos ainda pedem a Deus que perdoe seus pecados. Existem aqueles que, apesar de crerem em Jesus, fazem suas orações de arrependimento todos os dias pedindo a Deus que perdoe seus pecados pessoais, pois eles crêem que apenas o pecado original foi remido. Nenhum deles entende o que Deus fez por eles.
O livro de Gênesis, especialmente a primeira parte, é o esboço de toda a bíblia. Melhor dizendo, todo o plano de Deus está no livro de Gênesis. Se alguém crer na Palavra que está na primeira parte de Gênesis conhecendo-a de forma correta, ele terá discernimento para entender toda a bíblia. É por isso que eu ensino essa parte em detalhes aos alunos da nossa Escola de Missões.
Deus disse que abençoou o sétimo dia, mas nós recebemos essas bênçãos só no sétimo dia realmente? Ainda existe algum pecado no seu coração que Deus não tenha apagado? Não, apesar de sermos imperfeitos, não temos mais nenhum pecado que precise ser apagado por Deus. Deus nos abençoou. Ser abençoado nada mais é do que crer no evangelho da água e do Espírito.
Há mais de 2000 anos, Jesus veio a essa terra e apagou os nossos pecados ao ser batizado. Ele eliminou todos os pecados do homem. Nós agora podemos descansar porque o Senhor já acabou com todos os nossos pecados naquela época. É por isso que Ele diz: “Abençoou Deus o sétimo dia... nele descansou”. O sábado é o dia do descanso, e Deus descansou porque não havia mais nada a fazer.
Por causa do Seu amor por nós, Deus salvou o ser humano que havia caído em pecado. E agora podemos descansar porque o Senhor salvou de modo perfeito o homem que não tinha mais esperança e estava amaldiçoado. Se Ele não tivesse completado essa obra com perfeição, Ele continuaria trabalhando até agora e não poderia descansar.
A única coisa que temos que fazer é crer no evangelho da água e do Espírito, pelo qual o Senhor nos tornou completos, e pregar essa mensagem. Nosso dever hoje então é proclamar a ressurreição do Senhor, Sua vitória, Seu triunfo sobre Satanás e a destruição de todo seu engano, morte e destruição. O Senhor nos confiou uma única tarefa, ou seja, pregar o evangelho. Ele nos confiou esta obra para pregarmos as boas novas de que o Senhor nos abençoou e nos salvou.
Na verdade, Deus abençoou a todos nós para pregarmos o evangelho da água e do Espírito. Aleluia!