The New Life Mission

Sermões

Assunto 15: A Epístola do Apóstolo Paulo aos GÁLATAS

[Capítulo 2-5] (Gálatas 2:11-21) Nós Somos Justificados Somente pela Fé Autêntica

(Gálatas 2:11-21)
“E, chegando Pedro a Antioquia, resisti-lhe na cara, porque era repreensível. Porque antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, ele comia com os gentios. Mas, depois que chegaram, foi-se retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão. E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação. Mas, quando vi que não andavam corretamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro, na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? Nós, que somos judeus por natureza, e não pecadores dentre os gentios, sabemos que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, também temos crido em Jesus Cristo para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei, porque pelas obras da lei ninguém será justificado. Se nós, que procuramos ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, é Cristo ministro do pecado? De maneira nenhuma. Se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor. Pois eu pela lei estou morto para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim. Não anulo a graça de Deus, pois se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu em vão.”
 
 
 
Antes de eu começar meu sermão nesta passagem, vamos ler Galátas 5:2-3: “Escutai, eu Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. De nov testifico a todo homem que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei.” Eu pedi a vocês que lessem Gálatas 5:2-3 agora para que possamos analisar primeiro o fundamento e a razão pelos quais o apóstolo Paulo escreveu o livro de Gálatas, para que depois então eu possa prosseguir com meu sermão no capítulo 2.
Qual era o problema que as igrejas da Galácia estavam enfrentando? Ao contrário da igreja de Corinto, o problema das igrejas da Galácia era o tema sobre a circuncisão. Nas igrejas da Galácia havia muitos que eram circuncidados, e muitos outros que insistiam na circuncisão. Em outras palavras, havia nas igrejas da Galácia aqueles que insistiam na circuncisão, dizendo que todos que fossem para suas igrejas deveriam ser circuncidados. Isso com certeza foi o grande motivo da preocupação de Paulo.
O povo de Israel acreditava que a circuncisão era um sinal de que eles eram descendentes de Abraão, isto é, o povo de Deus. Mas o problema é que nas igrejas da Galácia havia tanto judeus como gentios. Sendo assim, quando alguns insistiam na circuncisão, muitos de fato eram circuncidados. Vendo o que estava acontecendo nas igrejas da Galácia, o apóstolo Paulo percebeu que se isso se tornaria um problema muito maior se ficasse daquele jeito. Foi por isso que ele escreveu essa epístola para exortar os crentes da Galácia. Como lemos agora pouco, Paulo disse: “se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará.” Nessa passagem, Paulo está dizendo: “Se vocês forem circuncidados, que proveito isso trará a vocês em Cristo? Vocês se tornarão povo de Deus por serem circuncidados? Se fosse assim, o que Jesus Cristo fez por vocês então?”
Na verdade, a circuncisão não traz benefício algum. Muito pelo contrário, ela só nos leva a perder a graça de Deus. Paulo estava dizendo: “Aqueles que insistirem na circuncisão da carne e quiserem mesmo ser circuncidados terão a obrigação de cumprir toda a Lei. Isso significa então que vocês terão que guardar toda a Lei, mas vocês de maneira alguma conseguirão fazer isso?” Foi por isso que o apóstolo Paulo, em outras palavras, escreveu essa carta para despertar os da circuncisão nas igrejas da Galácia. As Epístolas Paulinas tratavam dos problemas espirituais que havia em cada igreja, e no que se refere às igrejas da Galácia, Paulo lhes escreveu essa epístola por causa daqueles que diziam que eles só se tornariam povo de Deus sendo circuncidados.
Quando analisamos a passagem das Escrituras que vimos aqui compreendendo o seu fundamento, nós podemos entender mais nitidamente o que ela está tentando nos dizer.
Vamos ler de novo Gálatas 2:11-13: “E, chegando Pedro a Antioquia, resisti-lhe na cara, porque era repreensível. Porque antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, ele comia com os gentios. Mas, depois que chegaram, foi-se retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão. E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação.”
Paulo diz aqui que quando Pedro chegou a Antioquia, ele chamou atenção dele cara a cara porque ele era repreensível. Por que Paulo repreendeu a Pedro? Porque Pedro estava sendo hipócrita. Quando, então, Pedro se mostrava hipócrita? Quando ele comia com os gentios. Alguns homens da parte de Tiago vieram ter com Pedro, e esses homens eram da circuncisão. Os da circuncisão eram aqueles que, mesmo crendo em Jesus, insistiam que os crentes tinham que ser circuncidados. Então, temendo os da circuncisão, quando estes vieram ter com ele, Pedro comia com os gentios e depois saía bem rápido. Foi por essa razão que Paulo, vendo isso acontecer, repreendeu a Pedro. Quando paramos para analisar a passagem das Escrituras aqui, nós podemos ver que Pedro temia tanto os da circuncisão que fugiu rapidinho quando estes chegaram enquanto ele comia e tinha comunhão com os gentios.
Os da circuncisão, aos quais Pedro temia, continuavam teimando que até os santos precisavam ser circuncidados para fazer parte do povo de Deus. E afirmando que os incircuncisos não estavam aptos para se tornar povo de Deus, eles insistiam que eles fossem circuncidados assim com o foi Abraão. Qual era a base desse argumento? Era a idéia de que somente os circuncidados seriam aprovados para se tornar povo de Deus. Foi por ter medo desses da circuncisão que Pedro se retirou.
Isso mostra que os da circuncisão tinham muito influência na Igreja. Por causa disso então muitos crentes nas igrejas da Galácia foram circuncidados. E o apóstolo Paulo ficou furioso por causa disso. Ele ficou irritado porque os da circuncisão eram tão influentes que parecia que não havia nenhuma forma de impedi-los. Até mesmo Pedro fugiu deles. Os da circuncisão insistiam que mesmo crendo em Jesus, todos os homens tinham que ser circuncidados, e eles desprezavam os que não eram circuncidados, mesmo que fossem santos. Eles só reconheciam os que eram circuncidados.
Vamos voltar agora para Gálatas 2:14-16: “Mas, quando vi que não andavam corretamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro, na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? Nós, que somos judeus por natureza, e não pecadores dentre os gentios, sabemos que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, também temos crido em Jesus Cristo para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei, porque pelas obras da lei ninguém será justificado.”
O apóstolo Paulo repreende a Pedro aqui por causa da sua hipocrisia, dizendo: “Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?” E Paulo também diz aqui que um homem não pode ser justificado pelas obras da Lei. Ao dizer essas palavras, Paulo busca corrigir o erro dos da circuncisão com sua fé em Jesus Cristo. E já que os da circuncisão estavam se tornando muito influentes, o propósito de Paulo foi desafiá-los e corrigir seus erros; e é bem aqui que surge essa oportunidade para ele. O apóstolo Paulo primeiro começa repreendendo a Pedro, e logo depois ele usa sua exortação para criticar o engano e os erros dos da circuncisão.
Primeiro ele declara: “O homem não é justificado pelas obras da Lei.” Aqui, Paulo faz “das obras da Lei” o alvo da sua crítica porque queria ressaltar que ninguém se torna justo ao ser circuncidado. A Lei em si é muito vasta e detalhada em todo os seus pontos. Nas igrejas da Galácia, existiam muitos judeus, e entre esses judeus estavam os da circuncisão, que diziam que os santos só fariam parte do povo de Deus se fossem circuncidados. É por isso que Paulo está dizendo aqui: “Não é pela Lei que alguém se torna justo e povo de Deus, mas só quando as pessoas crêem em Jesus Cristo é que elas são justificadas.” E se a questão não fosse essa, Deus não poderia considerar justo nenhum ser humano. Em outras palavras, Paulo estava repreendendo os da circuncisão, deixando bem claro que é crendo no evangelho da água e do Espírito que eles são justificados.
Na época da Igreja Primitiva, havia aqueles que sempre defendiam a circuncisão até mesmo na Igreja de Deus. E eles continuavam afirmando que os crentes só fariam parte do povo de Deus se fossem circuncidados. O que precisamos considerar aqui é no que implicou essa situação. Sendo assim, onde essa questão da circuncisão poderia ser aplicada nos dias de hoje? Podemos aplicá-la à fé daqueles que crêem que seus pecados são apagados quando eles fazem orações de arrependimento. Os que defendem as orações de arrependimento hoje afirmam que quando um homem comete pecado depois de se converter, esse pecado só pode ser apagado quando ele faz orações de arrependimento.
Portanto, nossos pecados são mesmo apagados através das orações de arrependimento? Paulo diz aqui que o homem não é justificado pelas obras da Lei; assim sendo, alguém pode mesmo ter seus pecados apagados se ele fizer suas orações de arrependimento? Não, ele pode se sentir bem por algum tempo depois disso, mas seus pecados jamais poderão ser purificados para sempre com essas orações de arrependimento. Foi por isso que Paulo disse: “O homem não é justificado pelas obras da Lei.” Nós temos que entender que isso só é possível crendo em Jesus Cristo através da Palavra do evangelho da água e do Espírito. Por isso, Paulo disse: “também temos crido em Jesus Cristo para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei” (Gálatas 2:16).
Eu levanto sempre essa questão aqui pelo fato de muitos cristãos no mundo todo crerem que seus pecados são apagados quando eles fazem orações de arrependimento. Esse tipo de atitude não condiz com a Palavra de Deus, mas apesar disso, as orações de arrependimento têm sido difundidas nas igrejas deste mundo. Nenhuma outra além dessa é a fé dos legalistas da circuncisão, e são eles que hoje justificam as orações de arrependimento. Essas pessoas são hipócritas, e tentar ter seus pecados purificados com suas orações de arrependimento é algo que para Deus está nitidamente errado. Todavia, muitos cristãos no mundo inteiro, até mesmo os que crêem no evangelho da água e do Espírito, ainda não sabem disso.
Afirmar que o homem é justificado através das orações de arrependimento ou através da santificação contínua é o mesmo erro dos da circuncisão que vimos na passagem das Escrituras aqui, que confiam na circuncisão para se tornar povo de Deus. Por isso, é um grande absurdo dizer que alguém tem que crer primeiro no sangue de Jesus na Cruz, e então os pecados que ele cometer depois serão apagados somente com as orações de arrependimento. A Bíblia afirma claramente: “O homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo” (Gálatas 2:16). Em outras palavras, somos justificados apenas porque cremos que Jesus Cristo apagou nossos pecados através do evangelho da água e do Espírito, e não é por fazermos orações de arrependimento ou sermos circuncidados que nos tornamos justos. Essa não é a questão, de forma alguma. É isso que o apóstolo Paulo está dizendo aqui.
Entre tantos bilhões de cristãos neste mundo, quantos você acha que realmente sabem que seus pecados não são apagados com orações de arrependimento? Não são orações de arrependimento que os justos devem fazer, mas, sim, uma verdadeira confissão de arrependimento. Atualmente as orações de arrependimento são conhecidas como um ritual que leva a crer e a seguir ao Senhor. Assim como os católicos crêem que podem ter seus pecados purificados através do sacramento da confissão, muitos protestantes crêem de forma errada que seus pecados são purificados através das orações de arrependimento. Pelo fato dos cristãos em todo o mundo serem literalmente assim, eles não têm a menor idéia de quanto sua fé está errada. Alguns deles podem até ter algum conhecimento, mas não podem identificar esse problema de uma forma bem clara nos termos bíblicos.
Não é fazendo orações de arrependimento que alguém se torna justo, mas crendo no evangelho da água e do Espírito é que seus pecados se tornam mais brancos que a neve. Mesmo assim, quem entre os cristãos hoje em dia ousa dizer que confiar nas orações de arrependimento é uma crença errada? É errado tentar ter seus pecados purificados através das orações de arrependimento, mas quem tem coragem de afirmar isso? Uma vez que as orações de arrependimento já foram ratificadas pelo Cristianismo hoje como o processo pelo qual os pecados são purificados, denunciar esse erro é o mesmo que causar uma reforma na fé muito mais importante do que a que Lutero realizou quando denunciou o papado ao iniciar a Reforma. As pessoas acreditam que, para serem purificadas dos pecados que cometeram depois de se converterem, não há outra maneira a não ser as orações de arrependimento, mas Paulo está nos dizendo aqui como isso está errado. Todo cristão no mundo tem que entender o que o apóstolo Paulo está dizendo às igrejas da Galácia: “se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará” (Gálatas 5:2).
Cristãos no mundo todo estão tentando receber a remissão dos seus pecados através das orações de arrependimento. Como isso está errado! Independente se você crê ou não no evangelho da água e do Espírito, se você crê em Jesus como seu Salvador, você tem que entender que a fé que você tem de que seus pecados podem ser purificados com orações de arrependimento te afastará de Cristo – na verdade, você já está afastado de Cristo.
Entre os judeus, os homens eram aceitos como parte do povo de Deus quando eram circuncidados. E assim que isso acontecia, eles eram reconhecidos na mesma hora como povo de Deus. E os judeus que não eram circuncidados? Eles não eram tratados como judeus. Para o povo judeu, a circuncisão era o sinal do povo de Deus. Na verdade, Deus prometeu no Antigo Testamento: “Eu serei o teu Deus e o Deus dos teus descendentes, mas tu e teus descendentes deveis ser circuncidados.” Por isso que é dito no Antigo Testamento que a circuncisão é o sinal do povo de Deus.
Na época do Novo Testamento, então, o que o apóstolo Paulo fala em Romanos 2? Ele diz: “circuncisão a que é do coração” (Romanos 2:29). Ele disse que não é na carne que alguém tem que ser circuncidado, mas no coração. Crendo que Jesus Cristo apagou nossos pecados com Seu batismo e Seu sangue derramado, devemos ser circuncidados espiritualmente em nosso coração pela fé no evangelho da água e do Espírito. Em outras palavras, temos que receber a verdadeira salvação crendo de coração que Jesus levou sobre si todos os nossos pecados ao ser batizado por João Batista e ao morrer na Cruz, e que dessa forma Ele nos salvou de todos os pecados do mundo.
Foi por Jesus ter vindo a essa terra e nos salvado dos pecados do mundo através do evangelho da água e do Espírito que nós fomos salvos crendo nessa Verdade; não é através das orações de arrependimento que nossos pecados são purificados. Por ele ter nos salvado de forma perfeita através dos Seus atos de justiça, fomos salvos pela nossa fé nesse perfeito evangelho, nos tornamos povo de Deus, sem pecado e com Cristo, e fomos justificados. Não há outra maneira de fazer parte do Seu povo a não ser esta. Os santos não podem apagar nenhum dos seus pecados com suas orações de arrependimento, e muito menos podem fazer parte do povo de Deus sendo circuncidados na sua carne. Crer dessa forma é um grande absurdo.
A circuncisão espiritual em você vem da sua fé no evangelho da água e do Espírito, não de nenhuma das suas obras. Quando você crê em Jesus Cristo como seu Salvador, e quando você crê que Jesus te salvou ao ser batizado, ao morrer na Cruz, e ao ressuscitar dos mortos, aí então é que você recebe a remissão dos seus pecados de uma vez por todas. Não há outra maneira de você receber a remissão dos seus pecados a não ser crendo que Jesus Cristo apagou todos os seus pecados. Nunca houve outra maneira de Deus fazer isso.
Não importa se alguns cristãos foram muito inspirados, se tiveram visões, ou se ouviram a voz do Senhor em sonho ou enquanto estavam acordados; tudo isso é inútil. Por mais que alguém faça suas orações de arrependimento fervorosamente ao Senhor, por mais que ele esteja nos cultos freqüentemente, e mesmo que na sua fidelidade ele seja circuncidado, essas coisas não têm nada haver com a sua salvação. Guardar fielmente o sábado ou qualquer outro mandamento do Antigo Testamento também é totalmente irrelevante para a salvação de alguém.
É somente e completamente através da fé no evangelho da água e do Espírito que a salvação vem até nós. Somente crendo em Jesus Cristo como nosso Salvador que veio pela água e pelo Espírito é que podemos ser realmente salvos. Nós recebemos a verdadeira salvação pela nossa fé no evangelho da água e do Espírito, sem termos que fazer nenhum esforço, nem mesmo 0,1%. Supor que nossos pecados são purificados porque nós fazemos orações de arrependimento, ou que passamos a fazer parte do povo de Deus por sermos circuncidados – ou qualquer outra suposição que tem haver no mínimo 0,1% com as nossas próprias obras anula a salvação do Senhor. Se pelo menos 0,1% das nossas obras fossem necessárias para nossa salvação, isso só significa que Jesus Cristo falhou em nos salvar de forma perfeita através do evangelho da água e do Espírito. Mesmo assim, Jesus Cristo de fato nos salvou perfeitamente por meio do evangelho da água e do Espírito.
Portanto, se crermos apenas Nele e no que Ele fez por nós, nós poderemos ser salvos de todos os nossos pecados. Não há nada que possamos fazer. Não há nada a fazer nem nenhuma outra maneira a não ser crer no evangelho da água e do Espírito de coração. Mas ao invés disso, se alguém ainda quiser ser circuncidado ou fazer orações de arrependimento, ele estará pedindo para ser destituído da graça de Deus. Ele é alguém que está determinado a ser destituído da graça de Deus, da salvação que Deus nos deu.
Por esse motivo, todos no mundo inteiro devem conhecer a Verdade do evangelho da água e do Espírito, e todos devem parar de tentar alcançar a salvação com seu próprio esforço. Entre vocês que agora estão nessa Igreja, e entre os cristãos no mundo inteiro também, aqueles que crêem que seus pecados são apagados por causa das suas orações de arrependimento têm que entender que estão cometendo um grande pecado contra Deus. Eles têm que rejeitar sua fé carnal e crer no evangelho da água e do Espírito. E eles também precisam entender muito bem como sua fé está errada.
Fazer orações de arrependimento pode até parecer algo muito digno ou uma coisa boa, mas não há nada mais maligno do que isso. Temos que nos arrepender primeiro, e não fazer orações de arrependimento. Para nós, se arrepender significa rejeitar todas as nossas obras malignas. Primeiro nós temos que nos arrepender diante de Deus, e se nós realmente quisermos confessar nossos pecados, temos então que fazer orações de confissão. Temos que nos confessar diante de Deus e orar a Ele assim: “Eu cometi esses pecados. Mesmo assim Tu já me salvaste de todos eles. Eu tenho certeza que Tu apagaste até mesmo esses pecados com o evangelho da água e do Espírito. Por favor, guarda me para que eu não seja tentado por tais iniqüidades novamente.” Essa é a oração de confissão correta a fazer quando reconhecemos nossos pecados. Nossos pecados pessoais nunca podem ser apagados quando fazemos orações de arrependimento.
Se você fosse por certo caminho e percebesse que estava indo na direção errada, você certamente voltaria atrás e tentaria encontrar o caminho certo. Da mesma forma, as pessoas têm que voltar atrás do caminho de fé errado que estão seguindo e encontrar a direção correta para crer no Senhor de maneira apropriada. As orações de arrependimento, onde as pessoas confessam apenas com seus lábios: “Eu errei. Por favor, me perdoe, porque eu creio que nunca mais farei isso,” são um erro.
Até mesmo no Cristianismo de hoje, há aqueles que ainda afirmam que podem ter seus pecados purificados através das suas orações de arrependimento, e estão se tornando grandes inimigos de Deus. É totalmente errado crer que alguém pode ter seus pecados purificados pelas orações de arrependimento. Somente porque um homem que cometeu algum pecado, diz: “Senhor, me desculpe. Por favor, me perdoe,” não significa que seus pecados são apagados. E a situação não muda por mais que confiemos no sangue de Jesus na Cruz. Isso porque ele está ignorando as obras do Senhor relatadas no evangelho da água e do Espírito. Tentar purificar seus pecados através das próprias orações de arrependimento é o mesmo que ignorar o amor de Deus. É o mesmo que colocar sua própria justiça no lugar da justiça de Deus, cometendo assim um erro terrível.
O Cristianismo no mundo inteiro tem tantos problemas por causa da doutrina do arrependimento. Por isso, mesmo que alguém conheça o evangelho da água e do Espírito e creia nele, se ele for levado por essa corrente, sua fé acabará.
Agora então, qual a diferença entre alguém que crê no evangelho da água e do Espírito e alguém que crê que seus pecados são purificados com suas orações de arrependimento? Nós temos que entender isso muito bem. Somente quando nós sabemos a diferença é que podemos entender o que está errado nas orações de arrependimento e deixar essa prática. Somente então poderemos pregar o evangelho da água e do Espírito àqueles que fazem suas orações de arrependimento com fervor, porém inutilmente. Se formos dizer a eles que é errado fazer orações de arrependimento, primeiro temos que conhecer muito bem o assunto em questão; sem compreender bem este assunto, nós não poderemos fazer com que eles creiam no verdadeiro evangelho a fim de que recebam a remissão de pecados. Se nós mesmos não entendermos porque é errado fazer orações de arrependimento, é óbvio que não poderemos falar sobre isso com as outras pessoas.
Sun Tzu, um antigo estrategista chinês da antiguidade, escreveu no seu livro A Arte da Guerra: “Conheça a ti mesmo e os teus inimigos, e tu nunca serás vencido.” Da mesma forma, somente quando explicamos em detalhes o que está errado com a fé dessas pessoas, e quando pregamos o evangelho da água e do Espírito para elas, é que elas concordam conosco. A primeira coisa que temos que entender é que se alguém crê que pode ser purificado dos seus pecados com suas orações de arrependimento, nós não poderemos pregar o evangelho da água e do Espírito para ele. Muitos cristãos no mundo todo estão tentando receber a remissão dos seus pecados pelas suas orações de arrependimento. É por isso que a primeira coisa que temos que entender muito bem são os erros dessa doutrina do arrependimento. Por isso que precisamos falar muito sobre isso.
Não é exagero algum dizer que aqueles que afirmam que seus pecados são purificados pelas orações de arrependimento não crêem no evangelho da água e do Espírito dado por Jesus Cristo. Sendo assim, nós temos que pregar este evangelho da água e do Espírito de forma bem clara a todo aquele que tem esse tipo de fé. Essas pessoas cuja fé para a salvação está posta nas orações de arrependimento estão totalmente erradas, e por isso a primeira coisa elas têm a fazer é rejeitar essa fé injusta. Por isso, elas têm que crer no evangelho da água e do Espírito, porque só crendo nesse verdadeiro evangelho é que elas podem ser salvas. Para pregar essa Verdade aos outros, você primeiro precisar ter certeza em seu coração que você foi salvo de todos os seus pecados por crer em Jesus Cristo que veio a este mundo pela água e pelo Espírito.
Mas se você mesmo não estiver certo disso, você então não poderá pregar o evangelho àqueles cristãos que crêem que seus pecados são remidos com suas orações de arrependimento.
“Se nós, que procuramos ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, é Cristo ministro do pecado? De maneira nenhuma. Se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor” (Gálatas 2:17-18).
Se nós mesmos, que procuramos ser justificados em Cristo, fomos também achados pecadores, é Cristo ministro do pecado? Paulo disse que de forma alguma essa é a questão. O que o apóstolo Paulo está dizendo aqui é que os crentes no evangelho da água e do Espírito nunca mais serão pecadores se crerem em Jesus corretamente entendendo que a circuncisão carnal não adianta nada. Em outras palavras, se alguém rejeitar a fé que ele tem em suas próprias obras e crer em Jesus Cristo como seu Salvador que veio pela água e pelo Espírito, ele então se tornará um justo, e nunca mais poderá ser um pecador.
O apóstolo Paulo continuou dizendo: “Se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor.” Ele se referiu à Lei, especificamente à circuncisão, ao dizer “aquilo que destruí.” Portanto, aqui nessa passagem, a frase, “se torno a edificar aquilo que destruí,” significa a tentativa de se fazer parte do povo de Deus sendo circuncidado. Já que isso é o mesmo que tentar receber a remissão de pecados guardando e praticando a Lei, Paulo disse que todo aquele que o fizesse se tornaria um transgressor que peca contra Deus. Paulo faz a mesma afirmação em Gálatas 3 e em Romanos 4. Quando foi que Abraão se tornou justo? Como Abraão já cria na Palavra de Deus, sua fé foi reputada por justiça mesmo antes dele ser circuncidado. Isso significa que ele já havia sido aprovado por Deus por causa da sua fé na Palavra antes dele se tornar justo. Somente quando alguém crê na Palavra de Deus é que ele se torna justo.
O que vem primeiro então? Ser circuncidado ou crer nas bênçãos que Deus prometeu a Abraão na Sua Palavra? Abraão creu na Palavra de Deus que prometeu que seus descendentes seriam como as estrelas do céu. Foi por isso que a fé de Abraão foi aprovada. Muito antes de Abraão ser circuncidado, Deus prometeu em Sua Palavra bênçãos a Abraão e ele creu nessa promessa. Por Abraão ter crido nas promessas da Palavra de Deus antes de ser circuncidado foi que Deus o reputou como justo por causa da sua fé, e então, prometendo a ele que seria o Deus dos seus descendentes, Deus ordenou a Abraão que fosse circuncidado como um sinal dessa promessa. Deus disse que a circuncisão carnal era o sinal da circuncisão espiritual que ele havia recebido pela fé por crer na Palavra de Deus.
Portanto, isso significa que Deus está tentando dizer ao nosso coração que você e eu podemos nos tornar filhos de Deus se somente crermos na Palavra do evangelho, graças a Jesus Cristo que veio pela água e pelo Espírito. É através da nossa fé no evangelho da água e do Espírito que recebemos a remissão dos nossos pecados e nos tornamos justos de uma vez por todas. “Se torno a edificar aquilo que destruí, constituo-me a mim mesmo transgressor” (Gálatas 2:18). Se temos que ser circuncidados mais uma vez já tendo sido salvos por crermos em nosso coração em Jesus Cristo que veio pela água e pelo sangue, o que isso significa? Isso anula as obras de Jesus Cristo que cumpriram todas as exigências da Lei.
Nós nunca poderemos ser justos sendo circuncidados em nossa carne. Assim como a fé de Abraão foi aprovada quando ele creu na Palavra de Deus, não é através da circuncisão ou das orações de arrependimento que nossos pecados serão purificados. Ao contrário, nossos pecados são purificados de uma vez por todas e nos tornamos justos crendo de coração que Jesus Cristo é o nosso Salvador que veio através do evangelho da água e do Espírito. Você crê nisso? É isso que significa ser justificado pela fé. Somente pela fé nós podemos nos tornar justos. É pela fé que somos aprovados por Deus, e é pela fé que somos salvos e justificados. Como é que podemos permanecer nas práticas religiosas que se apegam às obras, e não à fé, já que fomos justificados por crermos de coração no evangelho da água e do Espírito dado por Deus, e no que Ele fez por nós? É por isso que nós afirmamos que somos justificados pela fé. A justificação pela fé significa que a justiça de Deus nos é dada porque cremos na Sua Palavra.
O apóstolo Paulo deixou bem claro que ninguém pode ser salvo sendo circuncidado. A circuncisão carnal não pode nos salvar; ao contrário, é por meio da circuncisão espiritual que alcançamos a salvação – isto é, crendo no evangelho da água e do Espírito. A circuncisão espiritual é o mesmo que receber a remissão de pecados no coração crendo no evangelho da água e do Espírito. Através dessa circuncisão espiritual, nós podemos retirar todos os pecados do nosso coração, assim como Abraão cortou seu prepúcio com uma faca de pederneira. É disso que o apóstolo Paulo está falando.
Vamos voltar agora para Gálatas 2:19. “Pois eu pela lei estou morto para a lei, a fim de viver para Deus.” O apóstolo Paulo declarou que havia morrido para a Lei. Ele não disse que estava tentando praticar a Lei. Por quê? Se alguém se colocar diante da Lei, apenas os seus pecados serão revelados, porque a Lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom (Romanos 7:12). E é por isso que a Bíblia diz: “Por isso ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei; antes, pela lei vem o conhecimento do pecado.” Em outras palavras, através da Lei os pecados de Paulo somente foram revelados, e assim ele pôde entender que seria destruído.
Foi por isso que o apóstolo Paulo, ao invés de defender a Lei, disse que através da Lei ele havia morrido para a Lei. Ele disse que estava morto para a Lei, a fim de viver para Deus. Isso quer dizer que o apóstolo Paulo reconhecia a Palavra de Deus. Ele reconhecia a soberana Palavra de Deus, a Palavra da Verdade. Por mais que tentemos, não podemos guardar a Lei. Isso porque as exigências da Lei são muito penosas, e se alguém fosse reputado justo por guardar a Lei, ele não teria que ser circuncidado apenas, mas também teria que guardar todas as festas sagradas e obedecer todos os 613 mandamentos que deixa bem claro o que ele deve e não deve fazer em sua vida.
Deste modo, Paulo não pôde deixar de reconhecer que ele era simplesmente incapaz de guardar a Lei, e confessou que já que a Lei de Deus era tão perfeita e justa, ele era tão sujo, tão impuro, que não tinha como evitar de ser destruído. Foi por isso que ele confessou que ao invés de guardar a Lei, ele havia morrido para ela. Ao entender a verdadeira importância da Lei, Paulo não tentou mais praticá-la, ao contrário, confessou que havia morrido por causa dos perfeitos requisitos da Lei de Deus, e era nisso mesmo que ele cria. Isso para ele era o mesmo que viver pela fé em Deus. Melhor dizendo, Paulo entendeu que ele nunca poderia ser salvo dos seus pecados a não ser por Deus; então ele não teve outra coisa a fazer senão crer no evangelho da água e do Espírito a fim de que Deus pudesse salvá-lo. Ele disse que havia morrido para a Lei para que pudesse encontrar seu Salvador e recebesse a salvação dada por Ele. E através de Jesus Cristo, ele recebeu uma nova vida pelo evangelho da água e do Espírito. Essa fé de Paulo era a própria fé que fez com que ele fosse justificado, a verdadeira fé.
Meus amados irmãos, se vocês não entenderem Gálatas corretamente, vocês não chegarão nem perto da Verdade. Vocês podem até pensar: “Antigamente havia os da circuncisão. Mas eu acho que eles aborreciam muito a Paulo com esse assunto da circuncisão. Até mesmo Pedro foi hipócrita, e Paulo, que se converteu depois dele, o repreendeu na frente de todo mundo. Eu acho que tudo isso tinha que acontecer mesmo. Não foi nada demais.”
Entretanto, vocês têm que entender que essa passagem foi escrita na Bíblia para nos ensinar algumas lições hoje em dia, e por isso é necessário que vocês entendam bem essa epístola. Se não fosse pelo livro de Gálatas, nós não poderíamos explicar detalhadamente, àqueles que crêem que a remissão de pecados é alcançada com suas orações de arrependimento, como sua fé está errada. Também é um grande erro insistir cegamente dessa forma: “Você está errado!” Essa é apenas uma teoria do “tudo ou nada,” que diz: “Eu estou certo, sendo assim, você está errado. Não há o que explicar aqui. Isso tudo é assim mesmo.” Mas isso é totalmente irracional, assim como era irracional a afirmação de Hitler de que a raça alemã era superior a todas as outras raças. A coisa certa que devemos fazer então é explicar racionalmente porque, como, e o que está errado com os da circuncisão. Na passagem das Escrituras que vimos aqui, Paulo está destacando nitidamente como é hipócrita e errado insistir na circuncisão. Através dessas três passagens de Gálatas, os cristãos agora podem entender como é errado confiar nas orações de arrependimento e firmar sua fé nessa crença errada.
Vamos ler Gálatas 2:20. “Estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.”
Isso nos mostra o fundamento da fé de Paulo. Ele cria em Jesus Cristo completamente: ele não se exaltava com suas próprias obras, mas ele cria de todo o seu coração nas obras de Cristo; e ele cria que Jesus Cristo veio a essa terra, levou nossos pecados com Seu batismo, foi crucificado e morreu por ele, ressuscitou dos mortos, e assim nos deu a vida novamente. Melhor dizendo, Paulo sabia em detalhes como Jesus Cristo havia se tornado seu perfeito Salvador e cria nisso.
Foi por isso que ele declarou: “Estou crucificado com Cristo” (Gálatas 2:20). Essa é a sua confissão de fé que crê totalmente em Jesus Cristo como seu Salvador. Ele fez essa confissão de fé crendo de todo o coração que Jesus levou sobre Si todos os pecados do mundo ao ser batizado por João Batista, morreu na Cruz, ressuscitou dos mortos, e assim o livrou de todos os seus pecados de uma forma perfeita. Isso se refere a uma fé pura. O apóstolo Paulo disse que foi por sua fé que ele morreu com Cristo e ressuscitou com Ele. Essa era a fé do apóstolo Paulo.
Meus amados irmãos, o apóstolo Paulo disse que seus pecados podem ser purificados ou santificados através das suas orações de arrependimento? Naquela época, pelo fato dos da circuncisão ficarem insistindo que os cristãos tinham que ser circuncidados, o apóstolo Paulo declarou: “Pois em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum. O que importa é a fé que opera pelo amor” (Gálatas 5:6). Nossa salvação, em outras palavras, só é alcançada quando nós temos 100% de fé no evangelho da água e do Espírito. Então, quando somos salvos dos nossos pecados, nenhuma das nossas obras pode ser considerada. As nossas obras não valem nada, e muito menos nossa própria justiça.
Imagine se uma das nossas irmãs estivesse perdendo o cabelo, e quando estivesse fazendo sopa para nós, seu cabelo caísse na sopa. Isso não seria um problema quando fôssemos tomar a sopa? Se víssemos um monte de cabelo flutuando na sopa, algum de nós conseguiria tomá-la? Claro que não. Por isso, nossa fé também tem que ser pura. Precisamos ter um tipo de fé que crê totalmente em Jesus Cristo e no que Ele fez por nós, não tirando nem acrescentando nada a ela. Se nós cremos no evangelho da água e do Espírito dado por Deus como ele é, todos nós somos salvos exatamente segundo a nossa fé. É algo indispensável ter essa fé no evangelho da água e do Espírito que crê exatamente como ele é.
A fé do apóstolo Paulo o levou a dizer: “Estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gálatas 2:20). Paulo diz aqui que ele teve que fazer alguma coisa? Nenhuma palavra foi dita sobre ele crer apenas no sangue de Jesus e fazer orações de arrependimento, nem de como ele foi circuncidado, de como ele guardava fielmente as festas solenes, ou de como ele pratica a Lei corretamente. Não havia, em outras palavras, absolutamente nenhuma obra de Paulo a ser considerada. Tudo que ele fez foi só crer em Deus e confessar: “Estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim.”
O apóstolo Paulo foi salvo porque ele só creu em Jesus e em tudo que Ele fez por ele. Como sua fé era pura! Ele simplesmente cria. Ele não disse: “Mas eu ainda não fiz isso, eu ainda não fiz aquilo.” Ele somente cria de coração que Jesus Cristo veio a essa terra como nosso Salvador, foi batizado por João Batista para salvar a todos neste mundo, levou esses pecados até a Cruz e nela foi crucificado, e depois de derramar Seu sangue e morrer, Ele ressuscitou dos mortos e assim se tornou nosso Salvador. “Estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim” (Gálatas 2:20). Você também crê dessa forma? No que diz respeito à fé de Paulo, nenhuma das suas obras teve significado algum, porque ele foi salvo de modo perfeito somente pela sua fé. Ele foi salvo por crer no evangelho da água e do Espírito exatamente como ele é. Não há outra maneira de ser salvo a não ser crendo.
E Paulo continuou dizendo: “A vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gálatas 2:20).
Paulo só foi salvo porque creu em Jesus como seu perfeito Salvador, e sua salvação não teve nada haver com suas obras. Ele não se exaltava por suas boas obras, nem confiava nas suas orações fervorosas, mas a única coisa que ele oferecia a Deus era a sua fé. Esse é o mesmo tipo de fé que Abel tinha quando ofereceu sacrifício dos primogênitos do seu rebanho e da sua gordura. Ele cria em Jesus Cristo, ‘o primogênito do seu rebanho,’ com um coração puro. Deus se agradou de Abel e aceitou seu sacrifício por causa da sua fé, ao passo que não aceitou a oferta de Caim. Por que Deus não aceitou a oferta de Caim? Porque ele ofereceu ao Senhor Deus uma oferta do fruto da terra, obras das suas próprias mãos (Gênesis 4:1-5).
O apóstolo Paulo também cria em Jesus como seu perfeito Salvador, e cria que Jesus, vendo que ele de uma maneira ou de outra morreria e iria perecer, o amou tanto que o salvou ao ser batizado, morrendo na Cruz, e ressuscitando dos mortos. Como uma criança, o apóstolo Paulo aceitou essa Verdade como ela é e creu nela, e foi assim que ele foi salvo. Você e eu também temos que ter esse tipo de fé. Todo cristão no mundo tem que ter esse tipo de fé.
Os bebês não abrem a boca quando os alimentamos? Eles abram a boca como os pintinhos. E até mesmo quando eles nos vêem comendo algum doce, eles fazem: “Ahhh,” e abrem suas boquinhas automaticamente. Você nem precisa mostrar nada para eles; é só você dizer que é hora de papar que eles abrem logo a boca. Isso porque eles entendem que quando dizemos isso é hora de alimentá-los. Esse som vocal de “ahhh” para nós pode ser algo muito comum, mas para os bebês, soa como se alguém fosse dar algo de comer a eles.
Nós precisamos ter uma fé parecida com essas crianças. Quando Deus diz: “Eu salvei vocês. Eu enviei Meu Filho a essa terra, e fiz com que Ele fosse batizado, morresse na Cruz, ressuscitasse dos mortos, e O fiz suportar toda a condenação do pecado e purificá-los completamente. E Meu Filho morreu no seu lugar, e para dar a vocês uma nova vida, Meu Filho ressuscitou. Agora vocês são salvos por causa do Meu Filho. Creiam nisso,” nós temos que dizer apenas: “sim,” e crer dessa forma. Assim como disse Paulo: “estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim,” nós somos salvos simplesmente crendo no evangelho da água e do Espírito, não na Lei, nem nas nossas próprias obras. Paulo foi salvo porque sua fé era pura.
Muitas pessoas podem até interpretar a passagem das Escrituras que vimos aqui de várias formas, mas ela deixa claro que através das obras da Lei, das orações de arrependimento, da circuncisão, ou de qualquer outra coisa, nenhum homem pode ser salvo dos seus pecados. Paulo não foi salvo por crer em Jesus e acrescentar algo mais a sua fé, mas simplesmente porque ele aceitou Jesus Cristo em seu coração e creu que Ele o salvou pelo evangelho da água e do Espírito, sem acrescentar nada a isso. É isso que Paulo está dizendo nessa passagem das Escrituras aqui. Depois que o apóstolo Paulo foi salvo, ele viveu pela fé no Filho de Deus ou não? Claro que viveu. Foi por isso que ele pregou o evangelho da água e do Espírito.
Vamos voltar para Gálatas 2:21 agora: “Não anulo a graça de Deus, pois se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu em vão.”
Paulo diz aqui que ele não anulou a graça de Deus. Essa era a fé que ele passou a ter. Ele deixou claro que sua salvação foi alcançada apenas pela sua fé na graça de Deus. Foi por isso que ele disse que se a justiça provém da Lei, Cristo morreu em vão. Se nossas obras forem consideradas o mínimo que for para nos tornarmos justos, isso só significa que Cristo morreu em vão. Se atos como as boas obras, orações de arrependimento, ou levar uma vida justa tivessem o mínimo de consideração, Cristo então morreu em vão. Em outras palavras, todas as coisas que Jesus fez por nós enquanto estava nessa terra, como ter sido batizado e morrido na Cruz, seriam consideradas totalmente inúteis – isto é, se nossas obras acrescentassem mesmo alguma coisa à nossa salvação. Não devemos anular a graça de Deus. Devemos recebê-la com ações de graças, e nos tornar um com Deus em gratidão. Já que “fomos crucificados com Cristo,” nosso coração se regozija Nele.
Você e eu temos que ser justificados pela fé, e temos que nos tornar justos pela fé. Quando cremos que Jesus nos salvou, nós nos tornamos justos. Aqueles que crêem que Deus apagou seus pecados com o evangelho da água e do Espírito são justos. É esse tipo de pessoa que nós devemos nos tornar.
“Se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu em vão” (Gálatas 2:21). Se quisermos ser purificados de todos os nossos pecados com orações de arrependimento, Jesus então veio a essa terra em vão, foi batizado em vão, e morreu na Cruz em vão também. Não é essa a questão aqui?
O que nós precisamos entender aqui é como todas essas igrejas da Galácia pereceram. Depois da morte de Paulo, as igrejas da Galácia sumiram do mapa. Isso nos mostra como é perigoso confiarmos nas próprias obras, e acrescentarmos algo às nossas obras da Lei para sermos salvos. Algo totalmente indispensável para nós é que entendamos bem como é maligno confiar nas nossas próprias obras.
Você pode até pensar: “Mas é algo realmente ruim fazer todas essas obras? Não há nada de bom em nossas obras? Eu tenho certeza que existe algo de bom nas obras que fazemos?” Todavia, pensar assim é algo extremamente perigoso. “Já que nossos pais na fé foram circuncidados, o que há de errado se nós também formos circuncidados? Vamos guardar nossas tradições” – algum de vocês pensa assim? Isso está totalmente errado. Isso não passa de hipocrisia, e é o mesmo que ensinar os outros a ser hipócritas também; é por causa disso que o evangelho da água e do Espírito é corrompido; é por causa disso que muitas pessoas estão perecendo. O que pensávamos que era bom antes de nascermos de novo, o que pensávamos ser boas obras e de bom coração, tudo de fato era maligno. Foi por isso que Paulo disse que tudo que para ele era lucro, ele considerou perda por causa de Cristo (Filipenses 3:7-8).
Alguns de vocês já não participaram de algum seminário chamado “cura interior”? Isso é um evento muito maligno. É esse tipo de coisa que anula a graça de Deus e a rejeita. Isso é apenas um paliativo que nos leva a pensar: “Eu estou magoado, mas quando eu penso em Jesus Cristo, Ele não sofreu muito mais por mim? Meus pais me magoaram, mas eles não ficaram magoados também?” Quando Jesus nos conforta e nos leva a perdoar nossos pais isso é o mesmo que perdoá-los por nós mesmos? Nós mesmos somos o objeto do perdão. Nós mesmos é que curamos nossa própria mágoa usando Jesus Cristo, e Ele é quem perdoa os outros. Algum tempo atrás eu ouvi uma fita de um seminário assim, e mesmo parecendo ser algo bom e sensato, ele de fato era algo maligno.
Nós, os cristãos em todo o mundo, temos que entender como é errado confiar nas nossas próprias obras. Visto que todos só podem ser salvos se crerem unicamente no evangelho da água e do Espírito e serem fiéis a ele, se suas obras, boas ou más, forem acrescentadas a isso, eles então não poderão ser salvos. É por isso que temos que nos desfazer delas. Se você apenas aceitar em seu coração, como uma criança, o que Jesus Cristo fez por você, você será salvo então e se tornará filho de Deus. E se você pregar esse evangelho como ele é, outros serão salvos também. Por isso está escrito: “Toda palavra de Deus é perfeita; escudo ele é para os que nele confiam” (Provérbios 30:5). Sua Palavra é tão pura. Eu dou graças e mais graças a Deus.
Quando nós lemos o livro de Gálatas, podemos entender claramente que nossas obras, boas ou más, de maneira alguma podem estar ligadas à salvação. Podemos ver como é errado associar essas coisas à salvação que Deus nos deu; podemos entender bem que a hipocrisia de Pedro foi guiar os outros de forma errada; e podemos ver muito bem onde estava o coração de Paulo quando ele repreendeu Pedro por causa disso. Além disso, nosso coração está convencido de que quando pregamos o evangelho, devemos pregá-lo na sua essência. Mesmo que os outros creiam ou não, tudo que nós temos a fazer é pregar o evangelho da água e do Espírito crendo realmente nele. Se nós adicionarmos algo mais a ele, as pessoas que nos ouvirem ficarão mais confusas, e isso fará com que seja ainda mais difícil que elas se salvem. Meus amados irmãos, nós temos que pregar a Palavra de Deus simplesmente como ela é. Mesmo agora como antes, 10, 20 anos atrás, a Verdade sempre esteve no evangelho da água e do Espírito. É por isso que falamos todos os dias do evangelho da água e do Espírito e o pregamos. Por ser a Verdade, ele não pode ser superado por mais que o preguemos repetidas vezes. Com dez anos de estrada, eu deveria pregar outra coisa só porque as pessoas estão cansadas de ouvir o mesmo evangelho? Na mesma hora que eu pregasse outra coisa, eu desapareceria como as igrejas da Galácia.
Nós temos que crer na Palavra do evangelho da água e do Espírito em sua essência. Você tem que crer no puro amor de Deus, e na salvação que Deus te deu como ela é. Se você fizer isso, você então fará parte do povo de Deus. É claro que nossas falhas sempre existirão. Mas ainda assim nós seremos povo de Deus pela fé. Quando você faz parte do povo de Deus pela fé, a Sua Palavra remove as impurezas do seu coração e te alimenta para que você cresça na fé.
Aqueles que, depois de receberem a remissão de pecados, ainda seguirem ao Senhor com seus próprios pensamentos e obras são iguais àqueles que defendem a circuncisão. Essas pessoas pensam que estão fazendo o seu melhor, mas isso só trará terríveis conseqüências. Elas estão totalmente enganadas. Por isso, nós temos que crer unicamente em Deus, nos unirmos a Ele, segui-Lo, e pregar unicamente a Verdade do evangelho. Já que nós sabemos e cremos nisso, vamos então pregar o evangelho da água e do Espírito, vamos viver pela fé.