Sermões

Assunto 18: GÊNESIS

[Capítulo 5-5] (Gênesis 5:1-32) Devemos Sempre Oferecer Sacrifício de Fé Crendo na Justiça de Deus

(Gênesis 5:1-32)
“Este é o livro das gerações de Adão. No dia em que Deus criou o homem, à semelhança de Deus o fez. Macho e fêmea os criou, e os abençoou, e chamou o seu nome Adão, no dia em que foram criados. E Adão viveu cento e trinta anos, e gerou um filho à sua semelhança, conforme a sua imagem, e chamou o seu nome Sete. E foram os dias de Adão, depois que gerou a Sete, oitocentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias que Adão viveu novecentos e trinta anos; e morreu. E viveu Sete cento e cinco anos e gerou a Enos. E viveu Sete, depois que gerou a Enos, oitocentos e sete anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Sete novecentos e doze anos; e morreu. E viveu Enos noventa anos; e gerou a Cainã. E viveu Enos, depois que gerou a Cainã, oitocentos e quinze anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enos novecentos e cinco anos; e morreu. E viveu Cainã setenta anos e gerou a Maalalel. E viveu Cainã, depois que gerou a Maalalel, oitocentos e quarenta anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Cainã novecentos e dez anos; e morreu. E viveu Maalalel sessenta e cinco anos e gerou a Jarede. E viveu Maalalel, depois que gerou a Jarede, oitocentos e trinta anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Maalalel oitocentos e noventa e cinco anos; e morreu. E viveu Jarede cento e sessenta e dois anos e gerou a Enoque. E viveu Jarede, depois que gerou a Enoque, oitocentos anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Jarede novecentos e sessenta e dois anos; e morreu. E viveu Enoque sessenta e cinco anos e gerou a Metusalém. E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Metusalém, trezentos anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não se viu mais, porquanto Deus para si o tomou. E viveu Metusalém cento e oitenta e sete anos e gerou a Lameque. E viveu Metusalém, depois que gerou a Lameque, setecentos e oitenta e dois anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Metusalém novecentos e sessenta e nove anos; e morreu. E viveu Lameque cento e oitenta e dois anos e gerou um filho. E chamou o seu nome Noé, dizendo: Este nos consolará acerca de nossas obras e do trabalho de nossas mãos, por causa da terra que o SENHOR amaldiçoou. E viveu Lameque, depois que gerou a Noé, quinhentos e noventa e cinco anos e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Lameque setecentos e setenta e sete anos; e morreu. E era Noé da idade de quinhentos anos e gerou Noé a Sem, Cam e Jafé”.
 
 
O texto bíblico deste capítulo, em Gênesis capítulo cinco, mostra a genealogia de Adão, e ao longo dela é mencionado diversas vezes por quanto tempo certo homem de fé viveu e quando ele morreu. A palavra “viver” aqui é “chayah” em hebraico, e além deste simples significado, esta palavra é usada de formas diversas para dizer várias coisas como “ter vida”, “continuar vivo”, “manter a vida”, “viver prosperamente”, “viver para sempre”, “ser vivificado”, “estar vivo”, “ter restaurada a vida ou a saúde”.
A genealogia de Adão é a genealogia dos justos. Melhor dizendo, quando Deus criou o homem, ele o criou para estabelecer a linhagem dos justos. Portanto, quando a Bíblia diz que os pais da fé viveram por tantos e tantos anos e depois morreram, isso significa que eles voltaram para Deus depois de transmitir sua fé para várias pessoas. Em outras palavras, eles foram para Deus depois de resgatar a alma das pessoas e trazê-las de volta à vida. Já que este mundo não foi criado simplesmente para que as pessoas nascessem nele, comessem e morressem depois de uma vida de trabalho duro, a palavra “chayah” em hebraico não deveria ser usada para pessoas carnais.
Adão foi um homem que encontrou em Deus a graça da salvação. Ele é mesmo o primeiro pai da genealogia da fé. De toda a raça humana, Adão foi o primeiro homem que recebeu a graça da salvação. Então, o que ele fez enquanto viveu seus 930 anos? Como alguém que se reveste da graça da salvação crendo em Deus, ele passou sua vida ensinando esta fé aos seus filhos. Ou seja, ele foi para Deus depois de cumprir sua tarefa sacerdotal fielmente. Então, através da linhagem de Adão, Deus garantiu que a verdadeira fé continuaria sendo propagada neste mundo. A fé de Adão, o primeiro homem de fé, foi passada para Sete, depois para Enos, Cainã, Maalalel, Jarede, Enoque, Metusalém, Lameque, e Noé até chegar a nós.
Exceto por Enoque, todos estes pais da fé viveram mais de 900 anos em média. O fato de eles terem gerados filhos até os 800 anos e depois terem ido para o Senhor significa que eles desempenharam sua função de sacerdote por um longo período de tempo. Entre eles está Enoque, que viveu por um curto período de tempo. Embora só tenha vivido nesta terra 365 anos, ele foi um homem que andou com Deus por crer em sua justiça. Sua fé agradou tanto a Deus que ele não o deixou nesta terra, mas tomou-o para si. Então, Enoque foi o primeiro homem que foi para Deus sem passar pela morte. Noé também é um representante entre os pais da fé que trouxe uma grande fé a nós. Quando Deus destruiu este mundo, ele levantou Noé como seu sacerdote.
Mas quais são as funções de um sacerdote? Ao levar o pecado dos outros a Deus e oferecer sacrifício de expiação por eles, a função do sacerdote era fazê-los receber a remissão de pecados. Melhor dizendo, os sacerdotes do Antigo Testamento eram aqueles que faziam ofertas de sacrifício para que a alma das pessoas fosse salva do pecado, e assim tornar possível que eles andassem com o Deus santo.
 
 
Este Mundo Está Sendo Inundado Agora pelo Evangelho da Água e do Espírito
 
O primeiro mundo foi julgado e destruído pela água nos dias do dilúvio de Noé. A Bíblia diz que esta água foi uma figura do batismo de Jesus: “Os quais em outro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água, que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo” (1 Pedro 3:20-21). Quando veio a esta terra, foi batizado por João Batista, derramou seu sangue até a morte na cruz e ressuscitou dos mortos, o Senhor trouxe a verdadeira salvação a todos os que creem nesta verdade no segundo mundo. Portanto, nós que cremos no evangelho da água e do Espírito também fomos salvos de todos os nossos pecados e nos tornamos filhos de Deus.
A média de expectativa de vida para você e para mim não passa de 70 a 80 anos. Mesmo assim, por crermos no evangelho da água e do Espírito, nós nascemos de novo pela fé como nossos pais da fé, e desejamos gerar filhos de Deus até o dia em que iremos para o Senhor. Nós agora ministramos como verdadeiros sacerdotes diante de Deus e continuaremos ofertando a ele o sacrifício da justiça. Nossos pais espirituais herdaram a verdadeira fé de Adão, o primeiro homem de fé, e esta fé a passou para nós através de Noé e Abraão. Agora que herdamos esta verdadeira fé e nos juntamos a esta genealogia por crermos no evangelho da água e do Espírito, precisamos refletir e ver se realmente estamos pregando fielmente esta fé como sacerdotes que ministram perante Deus.
Como a verdadeira fé é transmitida? Já que a verdadeira fé é aquela que crê no evangelho da água e do Espírito, tudo que temos que fazer é apenas crer neste evangelho da verdade e pregá-lo exatamente como ele é. Para apagar todos os pecados da humanidade, Jesus levou os pecados deste mundo ao ser batizado por João Batista e ofereceu o sacrifício perfeito da salvação ao ser condenado por estes pecados. Então, dessa forma, ele deu a remissão dos pecados a todo aquele que crê em seu sacrifício eterno de expiação e confiou a estes seu sacerdócio.
Por esta razão, todos que ainda não receberam a remissão de pecados devem primeiro confessar seus pecados a Deus, crer no evangelho da água e do Espírito dado pelo Senhor, e assim alcançar sua redenção do pecado. Se você quer se tornar uma pessoa justa, você deve fazer a seguinte confissão a Deus: “Senhor, eu cometi tal e tal pecado contra ti. Eu nasci em iniquidade, e por isso não consigo evitar o pecado ao longo da minha vida e acabarei indo para o inferno. Senhor, por favor, tenha misericórdia de mim e me salve de todos os meus pecados”. Depois disso, você deve crer no evangelho da água e do Espírito dado por Deus de todo o coração, e assim receber a remissão dos seus pecados. Então, você poderá se tornar um sacerdote espiritual perante Deus, pois agora você crê na justiça do evangelho da água e do Espírito.
É através da nossa fé no evangelho da água e do Espírito que nos tornamos sacerdotes da fé. Nós que nascemos de novo devemos primeiro cumprir fielmente nossa missão sacerdotal diante de Deus pelos pecadores deste mundo. Os sacerdotes devem orar a Deus pelos pecadores e confessar suas iniquidades perante ele, pedindo-lhe que salve sua alma, e pregar o evangelho da água e do Espírito para eles. São estes os verdadeiros sacerdotes que fazem esta obra a qual Deus aprova.
Aqueles que hoje creem no evangelho da água e do Espírito como a verdadeira salvação nunca devem se esquecer que se tornaram sacerdotes perante Deus pela fé. Estes sacerdotes fiéis devem cumprir com dedicação o sacerdócio que foi confiado a eles até o dia que o Senhor voltar a essa terra. Todo aquele que nasceu de novo deve realizar fielmente suas tarefas sacerdotais crendo na justiça que Deus cumpriu com a água e o sangue de Jesus. É por isso que todos nós devemos realizar nossas tarefas sacerdotais confiando no evangelho da água e do Espírito até o dia da volta do Senhor.
De agora em diante, lembre-se que você e eu nos tornamos espiritualmente verdadeiros sacerdotes da fé. A partir do momento que cremos no evangelho da água e do Espírito e nascemos de novo livres do nosso estado pecaminoso, nós fomos contemplados por Deus com o sacerdócio, assim como nossos pais da fé. Estes pais da fé listados na “genealogia de Adão” em Gênesis capítulo cinco viveram por muito, muito tempo cumprindo suas tarefas sacerdotais perante Deus. Do mesmo modo, enquanto vivemos nesta era do Novo Testamento, devemos crer no evangelho da água e do Espírito e cumprir fielmente nosso sacerdócio pela fé, para depois voltarmos para Deus. Agora que compreendemos que somos sacerdotes perante Deus, devemos cumprir fielmente as tarefas sacerdotais em nossa vida.
 
 
Então, Quais São as Tarefas Específicas dos Sacerdotes da Justiça?
 
Vamos examinar agora mais especificamente quais são nossas tarefas sacerdotais no que diz respeito à nossa vida de fé.
Em primeiro lugar, enquanto a porta da proclamação do evangelho estiver aberta, devemos orar pelas almas que ainda não foram salvas. “Senhor, salve do pecado todas estas almas que ainda estão aprisionadas na prisão do pecado”. Esta é uma tarefa que devemos cumprir como sacerdotes. Uma das tarefas dos sacerdotes de hoje é orar a Deus pelos pecadores. Dando um exemplo mais concreto, devemos orar por aqueles que assistem às aulas durante este acampamento para treinamento de discípulos, ou seja, na verdade praticar uma tarefa sacerdotal. Devemos orar assim por eles: “Senhor, salve aqueles que estão assistindo as aulas neste acampamento para treinamento de discípulos. Eles pecaram perante o Senhor ao quebrar sua lei, também pecaram por não crer em ti e cometeram idolatria diante de ti. Mas, Senhor, tenha misericórdia deles, e faça-os crer no evangelho da água e do Espírito por sua graça”.
Da mesma maneira, devemos orar a Deus por aqueles que ainda não nasceram de novo. Devemos orar por eles como se estivéssemos em seu lugar e também pregar o evangelho da água e do Espírito para eles. É isso o que um sacerdote deve fazer. Devemos pensar como sacerdotes, confessando o pecado deles diante de Deus por eles, e orar para que ele realmente os salve.
Em segundo lugar, devemos crer que Jesus purificou o pecado das pessoas com o evangelho da água e do Espírito e pregar este evangelho para elas. Precisamos crer também que Deus apagou todos os seus pecados com o evangelho da água e do Espírito, além de ir até eles para fazê-los conhecer esta verdade. É assim que cumpriremos nossa tarefa sacerdotal. Ao crer na justiça de Deus, nos tornamos seus sacerdotes, e eu creio que devemos cumprir fielmente as tarefas deste sacerdócio. Sobretudo, devemos reconhecer nossa própria identidade como sacerdotes de Deus.
Se você está certo sobre sua identidade como sacerdote e cumpre seu sacerdócio, você consegue então suportar os erros dos outros. Na oração do Senhor está escrito assim:
“Perdoa-nos as nossas dívidas,
Assim como nós perdoamos aos nossos devedores.
E não nos induzas à tentação,
Mas livra-nos do mal”. Mesmo para nós, os justos, nem sempre é fácil suportar quando alguém nos faz mal e nos machuca. Embora saibamos muito bem que temos que perdoar aqueles que nos machucam, em nosso coração, porém, é quase impossível realmente fazer isso. Por que isso sempre acontece? É porque embora perdoemos como o Senhor nos disse para perdoar, nós não oferecemos sacrifícios de justiça por eles de forma real.
Os justos devem oferecer sacrifício de justiça pelos outros. Quando alguém nos perturba e magoa, temos que nos lembrar que Deus também já purificou estes pecados. Se fizermos isso, poderemos perdoar todos os erros e pecados que os outros cometem contra nós. É por isto que todos os pecados do homem já foram eliminados pelo evangelho da água e do Espírito. Quando nós oferecemos o sacrifício da fé por aqueles que nos ferem, todo ódio ou feridas do nosso coração são saradas. Ao oferecer sacrifício de justiça a Deus, nosso coração ferido fica curado na hora. Como o problema do pecado das pessoas foi resolvido pela justiça de Deus encontrada no evangelho da água e do Espírito que o Senhor nos deu, é nesta justiça que se encontra o verdadeiro amor.
Antigamente, quando não conhecíamos o evangelho da água e do Espírito, não era difícil odiarmos as pessoas por causa do nosso pecado, mas hoje, neste verdadeiro evangelho nós podemos amar uns aos outros e tolerar seus erros também. É por isso que trazemos os pecados deles ao Senhor, os confessamos a ele e oferecemos sacrifício de fé através do evangelho da água e do Espírito, e, deste modo, cumprimos nossa tarefa como verdadeiros sacerdotes. Nós fazemos isso porque cremos que o Senhor apagou o pecado das pessoas com a água e o sangue, e com isso confirmamos que os pecados dos outros também foram apagados. É assim que o nosso ódio ou descaso por aqueles que pecaram contra nós é retirado. Por isso, é maravilhoso oferecer sacrifício de justiça pelos outros pela fé. E este é um sacrifício que todos que se tornaram sacerdotes devem conhecer e fazer. Através dele é que nós conseguimos suportar os outros, encará-los sem reserva alguma, e assim habitar na verdadeira luz da Palavra.
Além disso, também devemos oferecer sacrifício de fé pelos nossos próprios pecados, crendo na verdade. Assim também poderemos suportar nossa própria fraqueza pela salvação que o Senhor nos trouxe ao vir a esta terra ao ser batizado e morrer na cruz. Quando você oferece sacrifício de fé, toda culpa e desaprovação pelos seus erros ou fraqueza irão realmente desaparecer. Então, um sacerdote tem que oferecer o sacrifício da fé por si mesmo, por seus irmãos, por cada alma que ainda não recebeu a remissão de pecados, e por todas as nações do mundo. É por isso que aqueles que se tornaram sacerdotes crendo no evangelho da água e do Espírito são um povo tremendamente abençoado.
Muitos neste mundo são obsessivos compulsivos ou sofrem de outras doenças mentais como a depressão; e estas pessoas são atormentadas justamente porque não conseguem suportar a si mesmas. Então, elas maltratam tanto a si mesmas e, em alguns casos extremos, acabam até mesmo se matando. Mesmo os que receberam a remissão dos seus pecados crendo no evangelho da água e do Espírito não estão imunes a ficar presos aos seus próprios pecados. Em momentos como este, se eles não oferecem sacrifício de fé por confiarem no evangelho da água e do Espírito, afirmando que estes pecados já foram remidos, eles podem até se maltratar e acabar caindo em depressão. Isso não é impossível acontecer, mesmo com os justos.
Por isso, os sacerdotes também devem oferecer sacrifício de fé a cada dia por si mesmos e confirmar sua fé. Nossa tarefa mais elementar é oferecer sacrifício de justiça por nossos irmãos e sacrifício de salvação pela fé por todos que não receberam a remissão de pecados. E também jamais devemos esquecer de oferecer sacrifício por nós mesmos.
Está escrito na Bíblia que Jó primeiro sacrificou por si mesmo, e depois ofereceu ofertas queimadas por cada um de seus filhos. As pessoas de fé do Antigo Testamento como Noé, Abraão, Jacó e Samuel geralmente ofereciam sacrifícios a Deus com sua fé inabalável na sua justiça. Aqueles que oferecem sacrifício de fé a Deus são restaurados para ter comunhão com ele, e, por isso, eles também são fortalecidos espiritualmente para viver na luz.
Ao oferecermos sacrifício de justiça, nós também podemos estar na presença de Deus a qualquer momento. Há momentos em que os justos que vivem neste mundo percebem que seu coração fica em trevas por várias razões, incapaz de ir até Deus. Porém, mesmo quando nosso coração está turbado e em trevas assim, se nós oferecermos sacrifício de fé confiando na justiça de Deus, ele será iluminado na mesma hora. Desta forma, o próprio fato de nós, como sacerdotes, podermos oferecer sacrifício de justiça a Deus é uma tremenda alegria, um privilégio maravilhoso e uma bênção incrível. Não importa o quanto nossos problemas sejam complicados e difíceis, e não importa o quanto nós ou os outros possam pecar por fraqueza, nós devemos oferecer sacrifício de justiça a Deus todos os dias. Se os sacerdotes levarem estes pecados a Deus e confessá-los por si mesmos e também pelos outros, e também oferecer estes sacrifícios de fé crendo que Jesus Cristo resolveu todos estes pecados, nosso relacionamento espiritual com Deus será restaurado, assim como nosso relacionamento com nossos irmãos.
Quando um sacerdote que crê na justiça de Deus oferece um sacrifício, ele tem que ser o sacrifício. Esta oferta de justiça é Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus. Ao vir a essa terra como oferta de sacrifício por toda a humanidade, Jesus deu a oferta eterna de expiação com o batismo que recebeu de João Batista e do sangue que derramou na cruz. Nós devemos crer que Jesus cumpriu a justiça de Deus ao vir a essa terra, foi batizado por João Batista, derramou seu sangue até a morte e ressuscitou dos mortos.
Para oferecermos sacrifício de justiça a Deus, primeiro devemos reconhecer nossos próprios pecados. Devemos reconhecer que se tivermos pecado seremos lançados no inferno e punidos. E também para transferirmos totalmente nossos pecados para a cabeça da oferta de sacrifício, devemos impor as mãos pela fé sobre a cabeça da oferta e então degolá-la. Depois devemos colocar o sangue da expiação na tábua da nossa consciência e nos livros do juízo, assim como o sangue do animal sacrificado no Antigo Testamento era colocado nos chifres do altar de ofertas queimadas, o restante derramado, e a oferta queimada. Melhor dizendo, assim como os sacerdotes do Antigo Testamento sempre ofereciam sacrifício segundo o sistema sacrificial, nós que nos tornamos justos crendo no evangelho da água e do Espírito também devemos viver enquanto oferecemos estes sacrifícios.
Embora tentemos viver pela fé diante de Deus, conforme levamos nossa vida, a poeira do pecado se acumula em nosso coração a todo o instante. Então, quando tentamos ir até Deus, às vezes nossa consciência fica pesada. Em momentos assim, temos que levar nossos erros a Deus, admitir nossos pensamentos e ações equivocadas e reconhecer que são pecado, e que também não podemos evitar ser condenados por nossos pecados e lançados no inferno. Portanto, quando oferecermos a Deus o nosso sacrifício de fé por crermos em seu amor – ou seja, por crermos que o Senhor veio a essa terra para criaturas sem esperança como nós, levou todos os pecados deste mundo de uma vez por todas ao ser batizado por João, e foi condenado por eles na cruz – nós seremos sempre livres do pecado. Se isso já foi feito, não importa o quanto alguém seja imperfeito, ele receberá a purificação de Deus, e assim poderá se apresentar com ousadia diante de seu trono a qualquer hora, ter comunhão com ele e também receber poder espiritual e suas bênçãos celestiais.
Tanto idosos como novos, todos nós que cremos no evangelho da água e do Espírito somos sacerdotes; então, como aqueles que se tornaram sacerdotes, se nós não oferecermos o justo sacrifício de fé a cada dia, isso só mostrará que temos problemas espirituais. O que acontecerá se o sacerdote for preguiçoso? Se o sacerdote não oferece sacrifícios, ele está trazendo trevas sobre si mesmo e sobre os outros, ao invés de resplandecer a luz espiritual.
Enquanto vivemos nesta terra, nós não conseguiremos parar de pecar várias vezes. Quem dentre nós não teria poeira em seus pés enquanto andasse no deserto de pés descalços, e também não teria poeira de carvão sobre si se trabalhasse numa mina de carvão? Do mesmo modo, é impossível não pecarmos enquanto vivemos neste mundo cheio de pecado. Se pecássemos por ódio ou provocados por alguém, qualquer que fosse a razão, não poderíamos evitar cometer diversos pecados em nossa vida.
O que devemos fazer então? Já que conhecemos e cremos na justiça de Deus, devemos oferecer sacrifício de fé todos os dias. É por oferecermos sacrifício de justiça que nosso coração é liberto do pecado, e assim podemos encarar os outros mais facilmente. Mesmo se alguém errar conosco, se fizemos uma oferta por ele lembrando que o Senhor também apagou todos estes pecados e que o problema do pecado já foi resolvido espiritualmente, nós poderemos viver em paz com ele. Contudo, se nós sacerdotes não oferecermos sacrifício de justiça pelos outros, não poderemos lidar com eles e ter paz.
Além disso, um sacerdote só pode pregar o evangelho da água e do Espírito neste mundo se oferecer sacrifícios todos os dias. Para pregarmos o evangelho da água e do Espírito às pessoas deste mundo, devemos primeiro oferecer sacrifício de justiça por elas. Se estes que ainda não receberam de Deus a remissão de pecados quiserem verdadeiramente recebê-la, antes de encontrá-las, temos que levar seus pecados a Deus e oferecer a ele sacrifício de justiça por elas. “Senhor, esta pessoa cometeu pecado por não crer em ti, se opõe a ti, e ainda continua pecando. Ela também não conhece sua lei de justiça, e ainda não aceita a tua Palavra. Ela ainda é muito arrogante e soberba diante de ti, por isso é inevitável que ela seja mandada para o inferno. Senhor, salve esta alma”.
Nós temos que orar assim e buscar o Senhor. Quando pregarmos o evangelho para alguém, temos que nos aproximar dele afirmando e crendo que o Senhor já apagou todos os seus pecados com o evangelho da água e do Espírito. “Senhor, eu creio em ti. Eu creio que mesmo que este homem seja um pecador miserável, tu já apagaste todos os seus pecados com o evangelho da água e do Espírito”. Primeiro então devemos oferecer pela fé sacrifício de justiça pelos outros, e depois irmos até eles para pregarmos o evangelho. Nós, que somos sacerdotes de Deus, só poderemos pregar o evangelho da água e do Espírito para os outros com fé na verdade se oferecermos oferta de justiça por eles. Mesmo se na hora eles disserem: “Eu tenho tantos pecados que estou realmente envergonhado”, nós poderemos aceitar todos eles. “Está bem, isso não importa. Nós somos iguais a você. Mas você precisa admitir que é pecador. A Palavra de Deus diz que somos todos iguais. Apenas reconheça isso ao invés de tentar nunca mais pecar por si mesmo, olhe para dentro de si à luz da Palavra de Deus e admita que pecou. E apesar de estar destinado a ir para o inferno, o Senhor já apagou todos os seus pecados com a água e o Espírito”. Temos que ter comunhão com eles assim e levá-los a fé. Como sacerdotes de Deus, devemos encontrar os pecadores e oferecer sacrifício da salvação por eles com o evangelho da água e do Espírito. Um sacerdote deve pregar o evangelho da água e do Espírito e oferecer sacrifícios todos os dias por si mesmo, por seus colegas, por aqueles que ainda não receberam a remissão de pecados e por aqueles que ainda estão condenados ao inferno.
Amados irmãos, depois de nascermos de novo, cometemos ou não pecados enquanto levamos nossa vida de fé? Ainda somos passíveis de pecar a qualquer momento. Mesmo os que receberam a remissão de pecados ainda podem pecar. Às vezes, enquanto servem ao evangelho na igreja, até os justos podem ficar tão magoados que não queiram nem ver o rosto dos santos, assim como desiludidos com a Igreja de Deus. Você sabe o quanto o coração do homem pode ser mau, fazendo com que ele até negue a Jesus se estiver magoado? O coração do homem é até mais venenoso que a serpente. Já que até nós podemos nos desviar assim, primeiro temos que oferecer pela fé sacrifício de justiça por nós mesmos. Os que sempre oferecem sacrifício de justiça a Deus são aqueles que são espirituais, e os que oferecem sacrifício várias vezes por dia podem pregar o evangelho da água e do Espírito por todo o mundo.
E quanto a você e a mim? Até hoje nós já oferecemos muitos sacrifícios de justiça a Deus? Ou não oferecemos tantos sacrifícios assim? Você raramente oferece algum sacrifício por si mesmo, apesar de levar o pecado das pessoas a Deus e oferecer muitos sacrifícios por elas? Provavelmente alguns justos não conseguem oferecer sacrifício nem por si mesmos e nem pelos outros. É por isso que hoje eles estão vivendo em tamanha dificuldade.
  
 
Primeiro, um Sacerdote Correto Espiritualmente Oferece Sacrifício de Justiça por si Mesmo, e Só Depois Prega o Evangelho da Água e do Espírito para os Outros
 
Os sacerdotes do Antigo Testamento faziam oferta regulares duas vezes por dia, de manhã e à noite (Números 28:1-8). Se nós também levarmos nossas imperfeições e falhas pela fé no evangelho da justiça, através do qual o Senhor apagou todos os nossos pecados, e apresentarmos nossa oferta de fé dia e noite, teremos então muito mais bênçãos espirituais e seremos bem sucedidos em buscarmos a Deus. Em suma, se você oferecer seu sacrifício de fé sempre que possível, você será cheio do Espírito Santo. Por outro lado, se você negligenciar suas funções como sacerdote, você será um sacerdote sem o Espírito Santo. Então, o que você deve fazer a fim de levar uma vida de fé cheia do Espírito? Você deve sacrificar sempre que possível. O que você deve fazer para pregar bem o evangelho? Você deve apresentar sua oferta de justiça sempre que possível.
Se nosso coração estiver em trevas e descobrirmos que é difícil viver espiritualmente, embora devamos ansiar por isso, isso significa que não oferecemos oferta de fé o bastante. Não há outra resposta para isso. Se seu coração está em trevas e você está vazio do Espírito Santo, mesmo que você realmente ame a Deus e deseje servir mais ao Senhor, isso mostra que você ofereceu menos sacrifício de justiça do que deveria. É de suma importância os justos oferecerem a cada dia sacrifício de fé a Deus – ou seja, a oferta de fé. Isso é algo imprescindível para todos os justos nascidos de novo.
Os pais da fé mencionados no texto bíblico deste capítulo foram sacerdotes excepcionais diante de Deus. Começando com Adão, indo até Sete, Enos, Cainã, Maalalel, Jarede, Enoque, Metusalém, Lameque e Noé, todos eles foram sacerdotes espirituais. E tanto você como eu que herdamos esta fé também somos sacerdotes de Deus. Desde o primeiro minuto em que nascemos de novo e nos tornamos filhos de Deus crendo no evangelho da água e do Espírito, Deus nos confiou o sacerdócio, e, portanto, temos que cumprir fielmente este sacerdócio.
O que nós aprendemos no texto bíblico deste capítulo? Aprendemos que Deus nos levantou como seus sacerdotes para realizarmos a obra da salvação da humanidade. Também aprendemos nesse texto que os sacerdotes não nomeiam a si mesmos, mas são designados por Deus desde o princípio, ou seja, desde o primeiro homem Adão. Além disso, passamos a saber que Deus nos fez nascer de novo como seu povo santo à sua imagem e semelhança e nos tornou os sacerdotes da sua justiça. Portanto, não é de se estranhar que nós nos tornamos o povo justo e sacerdotes de Deus desta época, e também passamos a saber que isso está de acordo com seu propósito que foi determinado desde o princípio para nos abençoar.
Por isso, não é de se admirar que nós os crentes no evangelho da água e do Espírito sejamos os sacerdotes de Deus. Antes podia até parecer que os sacerdotes só existiam no tempo do Antigo Testamento, e que seu sacerdócio não tivesse nada a ver conosco, mas não é bem assim. Nós passamos a compreender e crer que “este é um estatuto perpétuo par que os que creem no evangelho da água e do Espírito assuma suas tarefas sacerdotais diante de Deus. Isso foi decretado por Deus desde o princípio, e esta é uma verdade imutável. Nós agora nos encontramos numa posição abençoada”. Por isso, nós os crentes no evangelho da água e do Espírito somos verdadeiramente abençoados.
Enquanto lia o texto bíblico deste capítulo, eu cheguei à seguinte conclusão: “Ah, que verdade maravilhosa! Nós os justos nascidos de novo somos os sacerdotes da justiça neste mundo, e, por essa razão, devemos oferecer o máximo que pudermos estes sacrifícios de fé por nós mesmos, por nossos irmãos, e por todo aquele a quem formos pregar o evangelho. Deste modo, nós que somos sacerdotes pregaremos este evangelho assim como oferecermos sacrifício de justiça”. Você também concorda com isso?
Como devemos levar nossa vida de fé então? Devemos oferecer ao máximo sacrifício de fé tanto por nós como pelos pecadores do mundo. Deste modo, nossa vida de fé será iluminada e poderemos andar com Deus como Enoque.