The New Life Mission

Sermões

Assunto 18: GÊNESIS

[Capítulo 15-2] (Gênesis 15:1-6) A Mesma Fé de Abraão

( Gênesis 15:1-6 )
“Depois destas coisas veio a palavra do SENHOR a Abrão em visão, dizendo: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão. Então disse Abrão: Senhor DEUS, que me hás de dar, pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer? Disse mais Abrão: Eis que não me tens dado filhos, e eis que um nascido na minha casa será o meu herdeiro. E eis que veio a palavra do SENHOR a ele dizendo: Este não será o teu herdeiro; mas aquele que de tuas entranhas sair, este será o teu herdeiro. Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência. E creu ele no SENHOR, e imputou-lhe isto por justiça.”
 
 
Abraão Creu na Promessa de Deus?
 
Vemos no texto bíblico acima que Deus mandou Abraão olhar para as estrelas e lhe disse: “Assim será a tua descendência.” Foi esta a promessa que Deus fez a Abraão, e ele confiou totalmente em sua Palavra. Abraão creu exatamente no que Deus lhe disse, que ele faria que sua descendência fosse como as estrelas do céu. Se Deus nos perguntar se cremos na sua Palavra, temos que responder com toda certeza: “Sim, eu creio.” Só os que respondem assim ao Senhor podem crer na Palavra do evangelho da água e do Espírito.
Eu costumava acordar muito cedo e ficar contando as estrelas no céu. E se Deus me dissesse para olhar para o céu, contar as estrelas e me fizesse a mesma pergunta que fez a Abraão, dizendo: “Você crê na minha Palavra?” eu responderia que ‘sim’. Eu diria a ele: “Sim, Senhor. Eu creio em ti. E por mais que eu seja imperfeito, eu creio em ti e na tua Palavra. Eu creio em ti, que veio pelo evangelho da água e do Espírito, como meu Salvador. Senhor, quando ti vieste a essa terra, eu levaste todos os meus pecados e maldições e remiu todos eles. Como eu não podia viver segundo a sua Palavra, eu cometia muitos pecados e estava condenado ao inferno por causa disso. Mas tu vieste encarnado como um homem por mim, tirou todos os meus pecados de uma vez por todas, foi condenado por eles em meu lugar e morreu crucificado. É nisso que eu creio, Senhor. Creio também que tu foste batizado, derramaste seu sangue, ressuscitaste dos mortos e ascendeste ao céu ao terceiro dia para se assentar à destra do trono do Pai por mim e por tudo mundo.” Eu diria com toda certeza: “Eu creio na tua justiça. Eu creio em toda a justiça que tu cumpriste por mim. E eu creio em todas as promessas contidas em tua Palavra.”
Nós recebemos a eterna remissão de pecados crendo no evangelho da água e do Espírito de todo o nosso coração, crendo na Palavra de Deus. Nós não somos salvos guardando a lei. Nós alcançamos a salvação pela fé na Palavra de Deus e na sua justiça revelada nesta Palavra. A verdadeira fé para Deus é aquela que está baseada na sua Palavra escrita, não em nossos atos. O apóstolo Paulo escreveu: “Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé” (Romanos 1:17). Como diz esta passagem, é crendo na Palavra do evangelho da água e do Espírito que recebemos a remissão de pecados de uma vez por todas, não vivendo segundo a lei de Deus.
Então, se Deus me perguntasse: “Você crê na minha justiça?” eu responderia o seguinte: “Sim, Senhor. Eu conheço a tua justiça e creio nela sem duvidar. Eu creio que tu apagaste os pecados que cometerei ao longo de toda a minha vida com o evangelho da água e do Espírito, que tu me tornaste sem pecado, e que tu assim te tornaste meu Salvador. Eu creio que apesar de ser pecador por natureza, tu me tornaste justo ao apagar todos os meus pecados com tua justiça. Eu creio que tu me fizeste teu filho. E também creio que tu me deste o céu e a vida eterna.” Todos vocês que estão diante de mim hoje devem fazer a mesma confissão. Se todos vocês quiserem mesmo ser aprovados por Deus e nascer de novo como Abraão, vocês têm eu crer totalmente na Palavra da justiça de Deus.
Como vocês sabem muito bem, Deus deu a Palavra da lei aos pecadores no Antigo Testamento. E agora eu vou explicar a vocês o efeito que a lei de Deus causa em nós, e que tipo de fé nos leva a receber a sua justiça.
 
 
A Lei Estabelecida por Deus
 
Os primeiros cinco livros do Antigo Testamento – Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio – são chamados de Pentateuco. O Pentateuco fala de muitas pessoas, mas Deus chamou Abraão em especial. E como ele creu em sua Palavra, sua fé foi reputada por justiça. Deus inclui Abraão no seu povo santo.
Abraão recebeu a remissão de pecados crendo de coração na Palavra de Deus. E por causa da sua fé correta na Palavra de Deus, ele se tornou justo e parte do seu povo. Algum tempo depois, o povo de Israel, ou seja, os descendentes de Abraão foram libertos por Moisés do cativeiro que estavam no Egito há 430 anos, cruzaram o Mar Vermelho e Deus lhes deu sua lei. Em outras palavras, Deus deu a lei aos descendentes de Abraão junto ao monte Sinai no deserto. Deus assim estabeleceu sua lei e a deu ao homem, aos descendentes de Abraão, para o seu bem. Deus deu ao homem 613 mandamentos e estatutos e assim estabeleceu sua lei que deveria ser guardada por ambos.
Mas o verdadeiro propósito de Deus ter criado a lei foi ensinar o povo de Israel e guiá-lo através dela, nos ensinar como nosso coração e nossos atos são falhos, como somos pecadores. Deus nos deu 631 estatutos na sua lei. Mas ele não nos deu estes estatutos para que viéssemos a guardar todos eles. Qual foi a verdadeira razão de Deus ter nos dado sua lei? Ele nos deu sua lei para que todo ser humano entendesse que não pode ser justo perante ele através dos seus atos humanos. Melhor dizendo, Deus estabeleceu estes 613 estatutos para que todo ser humano olhasse para si mesmo e visse que não teria como escapar do inferno.
 
 
Um Voto Errado
 
O problema foi que o povo de Israel não entendeu a intenção de Deus ao dar-lhes estes 613 estatutos, e por isso juraram guardar e obedecer a todos os mandamentos dados por ele. Vamos ler Êxodo 24 agora: “Veio, pois, Moisés, e contou ao povo todas as palavras do SENHOR, e todos os estatutos; então o povo respondeu a uma voz, e disse: Todas as palavras, que o SENHOR tem falado, faremos. Moisés escreveu todas as palavras do SENHOR, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel; E enviou alguns jovens dos filhos de Israel, os quais ofereceram holocaustos e sacrificaram ao SENHOR sacrifícios pacíficos de bezerros. E Moisés tomou a metade do sangue, e a pôs em bacias; e a outra metade do sangue espargiu sobre o altar. E tomou o livro da aliança e o leu aos ouvidos do povo, e eles disseram: Tudo o que o SENHOR tem falado faremos, e obedeceremos. Então tomou Moisés aquele sangue, e espargiu-o sobre o povo, e disse: Eis aqui o sangue da aliança que o SENHOR tem feito convosco sobre todas estas palavras” (Êxodo 24:3-8).
E Deus diz em Êxodo capítulo 20: “Não terás outros deuses diante de mim; não farás para ti imagem de escultura; não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão; lembra-te do dia do sábado, para o santificar; honra a teu pai e a tua mãe; não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso testemunho contra o teu próximo; não cobiçarás.” Foi assim que Deus estabeleceu sua lei a partir de Êxodo 20:1. Os primeiros quatro mandamentos falam da nossa obrigação para com Deus, e os seis restantes falam das obrigações que temos com nosso semelhante. A partir de Êxodo capítulo 21, Deus fala sobre os preceitos éticos que devem direcionar nossas atitudes em relação a Deus e ao nosso semelhante. Por exemplo, um preceito é que não firamos para não sermos feridos. Melhor dizendo, Deus fala sobre as obrigações éticas e morais que devem ser guardadas pelo homem.
Deste modo, Deus deixou bem claro os Dez Mandamentos e outros estatutos, num total de 613 decretos. Ele então mandou Moisés ler para o povo de Israel todos os mandamentos que foram escritos em tábuas de pedra. Moisés, por sua vez, tomou a metade do sangue, a pôs em bacias, e a outra metade do sangue espargiu sobre o povo de Israel, que aceitou a lei de Deus e jurou guardá-la. Ao fazer isso, podemos ver que Deus estava dizendo ao povo de Israel: “Se vocês não guardarem os 613 estatutos que eu estabeleci, você morrerão como estes animais. A lei é a aliança que eu estabeleci entre e vocês e mim com sangue.”
Só que o povo de Israel naquela época não entendeu que não conseguiria guardar a lei. Por isso fizeram um voto a Deus: “Sim, nós guardaremos e obedeceremos a todos os estatutos da lei.” Foi algo natural os israelitas não pensarem naquela época se conseguiriam ou não guardar a Lei de Deus, pois eles achavam que guardariam os mandamentos só porque eles eram de Deus. Mas Deus sabia que o povo de Israel não conseguiria guardar toda a sua lei, e por isso lhes deu o sistema sacrifical para a salvação, para a remissão de pecados. O salário do pecado é a morte. Mas Deus fez com que todos os pecadores que não conseguiam guardar a lei fossem purificados dos seus pecados oferecendo sacrifícios segundo o justo sistema sacrificial, sacrifícios estes oferecidos pelos sacerdotes de acordo com a lei da morte.
Amados irmãos, nós simplesmente não conseguimos guardar todos os 613 mandamentos estabelecidos na lei de Deus. Em outras palavras, nós teríamos que ser condenados pelos nossos pecados. E como a lei de Deus veio a este mundo através de Moisés, todos que não vivem de acordo com ela têm que ser condenados por causa do pecado. Deus é o Todo-Poderoso, o Legislador, o Governante. E quando desobedecemos à Palavra deste Governante, temos que ser condenados por causa deste pecado. A justiça de Deus segue estritamente sua lei. E quando violamos a justa lei de Deus, temos que ser condenados segundo ela determina, pois não somos perdoados quando pedimos: “Senhor, me perdoe.” A justiça lei de Deus é justa e severa assim. Então, já que não podemos guardar os estatutos de Deus, não podemos escapar da sua justa condenação. Por mais que tentemos guardar a lei de Deus, jamais conseguiríamos isso sozinhos. Por isso que precisamos de outra lei, a lei da salvação. Já que o homem é pecador perante Deus e não pode evitar a morte e ser amaldiçoado segundo a lei de Deus, é imprescindível termos a lei da salvação que leva todo mundo a ser salvo de todos os seus pecados. Embora o homem não possa guardar os estatutos da lei de Deus, o povo de Israel não entendeu isso; foi por isso que eles fizeram um voto a Deus de que guardariam a lei.
Deus criou a lei para julgar o povo de Israel? Não, claro que não. A Bíblia diz que Deus nos deu a lei para que entendêssemos nossos pecados. E isso está bem explicado em Romanos 3:19-21: “Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus. Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado. Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas.”
O que a Bíblia quer dizer quando afirma que “nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado?” Que Deus nos deu a lei para expor nossas culpas. O objetivo da lei é nos levar a entender nossos pecados e que todos que os cometem devem ser punidos.
Há muitos líderes nas igrejas cristãs hoje em dia que ensinam seus membros que devemos obedecer à lei de Deus. Vamos pensar nisso um pouco. Quantos cristãos procuram viver segundo a Palavra da lei, que se decepcionam quando suas fraquezas e falhas sempre os levam a violar a lei? Naturalmente é admirável a atitude destes cristãos que tentam guardar a lei de Deus e seus mandamentos, mas uma coisa que precisamos entender bem aqui é que jamais conseguiremos guardar a lei de Deus.
Por isso que Deus estabeleceu o sistema sacrificial, pelo qual todos os israelitas podiam ser purificados dos seus pecados oferecendo sacrifícios de animais no Tabernáculo. Nos dias do Antigo Testamento, quando alguém passava pela entrado do Tabernáculo e entrava no seu átrio, a primeira coisa que ele via era o altar de ofertas queimadas. Você sabe o que o altar de ofertas queimadas significa espiritualmente? Para ser purificado dos seus pecados, o povo do Antigo Testamento trazia um cordeiro o bode sem defeito ao altar de ofertas queimadas e passava seus pecados para o holocausto impondo as mãos sobre sua cabeça. E quando este animal era degolado e seu sangue entregue ao sacerdote, este que ministrava no Tabernáculo pegava este sangue, o passava nas quatro pontos do altar de ofertas queimadas e o resto derramava no chão junto a este altar. A carne do holocausto então era cortada em pedaços. E estes pedaços eram oferecidos no altar de ofertas queimadas, sobre o fogo que nele ardia. E este fogo então consumida toda a carne.
O que tudo isso nos revela? Que embora o pecador tivesse que ser lançado no inferno, este holocausto recebia seus pecados pela imposição de mãos e era condenado no seu lugar. Assim, Deus preparou duas soluções para o problema do pecado. Uma delas foi sua lei, e a outra o sistema sacrificial onde o podia purificar seus pecados passando-os para o holocausto e oferecendo-o a Deus como oferta queimada. Em outras palavras, isso significa que Deus preparou o holocausto e o sumo sacerdote para nos salvar do pecado. E o sacrifício oferecido no altar de ofertas queimadas era o Senhor. Este Cordeiro sacrificial recebeu nossos pecados de uma vez por todas pela imposição de mãos, morreu na cruz, ressuscitou dos mortos e assim se tornou nosso eterno Salvador.
Só que ainda cometemos pecados neste mundo. E foi por isso que o Senhor nos deu a fé no evangelho da água e do Espírito, a fim de sermos purificados de todas as transgressões que cometeremos no futuro. Depois do altar de ofertas queimadas, vinha a pia de bronze. Esta pia, feita de bronze, tinha o formato de uma grande bacia, e ficava cheia de água. Depois de cortar o animal em pedaços e oferecê-lo no altar de ofertas queimadas, e antes de entrar do santuário onde fica a Arca da Aliança de Deus, o sacerdote tinha que lavar as mãos e os pés na pia de bronze. Só assim ele não morreria quando entrasse lá. Os sacerdotes eram responsáveis por ministrar os sacrifícios que purificam os pecados do povo, mas antes de entrar na presença de Deus, eles tinham que purificar sua sujeira na água da pia de bronze; era isso que fazia com que eles não morressem por causa dos seus pecados.
A pia de bronze era o lugar onde os sacerdotes do Antigo Testamento purificavam seus pecados. A pia era feita de bronze. Quando lemos a Bíblia, vemos que a pia foi com espelhos usados pelas mulheres de Israel. Está escrito que a pia foi feita com espelhos que as mulheres usavam naqueles dias. Deus tinha um propósito específico ao determinar que a pia do Tabernáculo fosse feita com espelhos. Foi para que todos soubessem que sua lei é um espelho que ele nos deu. Nós vemos nossa imagem no espelho. É no espelho que vemos nosso rosto, nossa cabeça e nosso corpo. Sem um espelho não sabemos se nosso rosto está sujo; e é por isso que usamos o espelho. Do mesmo modo, Deus nos leva a entender, através da sua Palavra, como o coração e os atos do homem são pecaminosos e quantos pecados cometemos, a fim de que recebamos a remissão de todos eles crendo no evangelho da água e do Espírito cumprido pelo Senhor. Esta é função da lei de Deus. A Bíblia diz que “pela lei vem o conhecimento do pecado.” A função da lei então é nos mostrar nossos pecados; é para isso que ela existe. Melhor dizendo, Deus nos deu a lei para nos mostrar como são os pecadores que ainda não receberam a remissão de pecados.
Qual é o pecado do homem então? Todo ato e pensamento que não está de acordo com a vontade de Deus é pecado. Em outras palavras, toda falha em viver segundo a vontade de Deus é pecado. O pecado do home é sua incapacidade de viver conforme os 613 mandamentos estabelecidos por Deus e segundo a sua vontade. Pecado não é apenas roubar alguma coisa; somos pecados porque nascemos em pecado e não podemos guardar a lei de Deus. Este é o verdadeiro pecado para Deus.
A lei de Deus expõe a natureza pecaminosa oculta em todo pecador. Ela revela o pecado de não se viver segundo a vontade de Deus. Por exemplo, o mandamento que nos proíbe matar revela que de fato somos homicidas. Deus nos diz: “Você vai sentir em seu coração o desejo de espancar alguém até a morte se ficar nervoso, por mais que a pessoa não tenha feito nada a você. Se você não fizer isso, você vai desejar que ela sofra uma acidente de carro e morra.” Deus assim nos mostra que pecado são todos os desejos malignos que temos no coração. E isso quer dizer que, para ele, a maldade que desejamos no coração e os pecados que cometemos em nossos atos são a mesma coisa.
Já que somos humanos, e não divinos, nós só falamos dos pecados que aparecem. Mas o que o Deus Todo-Poderoso pensa sobre isso? Se quisemos a prova dos nossos pecados, Deus nos dá uma prova irrefutável no Antigo Testamento. Pergunta e Deus: “Por que eu sou pecador?” e ele te responderá: “Você nasceu em pecado porque é descendente de Adão. Pela transgressão de um homem, todos se tornaram pecadores; esta é sua raiz. Você já nasceu pecado por ser descendente de Adão.” Assim, a Palavra de Deus nos dá a prova concreta de que todos nós somos pecadores.
Deus sabe tudo sobre nós, pois ele é onisciente e onipotente. Ele sabe tudo sobre a nossa natureza. Ele conhece o que há em nosso coração, como agimos em nossa vida, e até mesmo que pecados cometeremos no futuro. Por isso que ele nos diz: “Vocês todos serão condenados por causa do pecado que há em seu coração. Vocês têm que morrer por causa dos seus pecados. O juízo do fogo virá sobre vocês. Assim como a carne do holocausto era consumida no altar de ofertas queimadas, vocês serão lançados no lago de fogo e enxofre que nunca se apaga e sofrerão para sempre por causa dos seus pecados.” Deus nos deu o espelho da lei para entendermos nossos pecados e buscarmos Jesus Cristo, nosso Senhor.
Ninguém é capaz de cumprir toda a lei de Deus – nem eu, nem você nem ninguém. Ninguém neste mundo consegue cumprir toda a lei de Deus. Deus nos deu sua lei para que nosso coração fosse quebrantado e confessássemos: “Sim, Senhor. Tu estás certo. Eu sou mesmo pecador.” Deus está nos dizendo que devemos reconhecer que somos pecadores por natureza, a fim de que assim sejamos salvos de todos os nossos pecados crendo nele – ou seja, crendo que ele tirou todos eles e os apagou.
 
 
A Fé Correta
 
Se Deus nos perguntar: “Você conhece minha justiça? Como você a entende?” temos que responder: “Senhor, eu sei que para ti sou um pecador condenado ao inferno. Eu sou alguém que merece ser condenado por ti. Mas por ser um Deus de amor, tu vieste a essa terra na Pessoa de Jesus Cristo encarnado como um homem. Aos 30 anos, tu foste batizado por João Batista no rio Jordão por mim, a da forma mais perfeita, tu levaste todos os pecados do homem de uma vez por todas. E ao derramar seu sangue na cruz e nela morrer pelos meus pecados, tu foste condenado em meu lugar e assim me salvou de toda condenação do pecado, de todas as minhas culpas e do pecado de não guardar todos os 613 mandamentos da lei. Pai, quando tu enviaste teu único Filho Jesus Cristo a essa terra, ele levou meus pecados de uma vez por todas ao ser batizado por João Batista. Eu creio que foi assim que o Senhor me salvou do pecado. Eu creio que tu me salvaste.”
Então, quando Deus lhe perguntar: “Você crê na minha justiça?” você deve respondê-lo assim: “Sim, Senhor. Eu creio na tua justiça. Eu creio no evangelho da água e do Espírito; eu creio que tu és meu Deus; eu creio que tu és meu Senhor e Salvador. A fim de salvar um ser imperfeito como eu de todos os meus pecados, Jesus Cristo, o Filho de Deus, veio a essa terra, levou todos os meus pecados ao ser batizado por João Batista e foi condenado por mim. Eu creio que o Senhor ressuscitou dos mortos ao terceiro dia e agora está assentado à destra do trono do Pai. Eu creio que o Senhor fez tudo isso quando veio a essa terra por um só motivo: me salvar. Meus atos serão imperfeitos até quando eu morrer, mas eu fui salvo pela justiça de Deus – não pelos meus atos, ou muito menos pela lei.”
Amados irmãos, vocês conhecem a justiça de Deus? Vocês creem que Jesus Cristo, o próprio Deus, é o seu Salvador? Vocês creem que ele apagou todos os seus pecados de uma vez por todas com o evangelho da água e do Espírito? Vocês creem que Jesus Cristo levou todos os seus pecados ao ser batizado por João Batista no rio Jordão, pagou todo o salário do pecado ao derramar seu sangue na cruz, ressuscitar dos mortos, e agora está assentado à destra do trono do Pai? Você crê que Jesus nasceu nessa terra, foi batizado, morreu na cruz, ressuscitou e ascendeu aos céus por todos nós?
Deus ainda nos pergunta: “Você crê na minha justiça?” Obviamente, nossos atos ainda são falhos, mas temos fé na justiça de Deus. Nós cremos na justiça de Deus. E por crer nela, nos tornamos justos, sem pecado e sem defeito. Por causa da nossa fé na justiça de Deus, todos nós agora somos seu povo. Portanto, podemos dizer a Deus com toda certeza: “Eu não tenho pecado”, pois Jesus, cheio de amor, levou todos os meus pecados ao ser batizado no rio Jordão e ao derramar seu sangue na cruz. E como cremos no batismo e no sangue de Jesus, nós nos tornamos justos. Você e eu cremos totalmente em Jesus Cristo como nosso único e suficiente Salvador, que nos livrou de todos os nossos pecados.
Nosso Deus disse que “Porque nele [no evangelho] se descobre a justiça de Deus de fé em fé.” O que é o evangelho citado aqui? Em grego, a palavra ‘evangelho’ é euaggelion, que significa ‘boas novas’. Quais são as melhores notícias para nós então? É que embora estivéssemos condenados por não conseguirmos cumprir os 613 estatutos e mandamentos da lei de Deus, Jesus Cristo veio a essa terra e tirou todos os nossos pecados ao ser batizado e tornou justo todos que nele creem. Este é o evangelho, as melhores notícias que poderíamos receber.
Como pecadores, jamais conseguiríamos nos tornar justos sozinhos. No entanto, nosso Senhor veio a essa terra e tornou todos os pecadores justos, os salvou do pecado e os livrou do juízo. Ao vir a essa terra, Jesus recebeu todos os nossos pecados ao ser batizado e disse: “Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça” (Mateus 3:15). Foi assim que ele nos salvou de uma maneira perfeita.
A imposição de mãos e o batismo de Jesus são duas formas bíblicas de transferir nossos pecados. Nos dias do Antigo Testamento, o pecador passava seus pecados para o cordeiro impondo as mãos sobre sua cabeça; e todos os nossos pecados foram passados do mesmo modo para Jesus quando ele foi batizado no rio Jordão. Para salvar a nós, suas criaturas, o próprio Deus Todo-Poderoso, o eterno Governante, deixou seu trono de glória, assumiu a imagem do homem e nasceu nessa terra como o menino Jesus através do corpo da virgem Maria. E ao ser batizado por João Batista, ele aceitou todos os pecados de todos os pecadores deste mundo de uma vez por todas. Além disso, ao derramar seu sangue na cruz, ele nos salvou de toda a condenação dos nossos pecados. Amados irmãos, por isso Jesus foi batizado. O Senhor levou todos os pecados do mundo e dos pecadores ao ser batizado. Este é o verdadeiro evangelho, e esta é a justiça de Deus.
A justiça de Deus e o verdadeiro evangelho nada mais são do que esta obra que tornou todos sem pecado da maneira mais perfeita. A Bíblia diz que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito.” E assim como nos diz esse texto, Jesus Cristo veio a essa terra e tirou todos os nossos pecados ao ser batizado. Ele recebeu em seu corpo todos os pecados do mundo. Todos os pecados do mundo, e não apenas os seus e os meus pecados, foram passados para Jesus quando ele foi batizado.
 
 
Os que Creem no Evangelho da Água e do Espírito Foram Salvos para Sempre.
 
Antes de terminar este sermão, eu quero ler com vocês o capítulo 10 de Hebreus. Está escrito em Hebreus 10:1-2: “Porque tendo a lei a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam. Doutra maneira, teriam deixado de se oferecer, porque, purificados uma vez os ministrantes, nunca mais teriam consciência de pecado.”
Nos dias do Antigo Testamento, os israelitas passavam seus pecados para o holocausto todos os dias, o degolavam, derramavam seu sangue, queimavam sua carne no altar de ofertas queimadas, e assim ele era condenado pelo pecado em seu lugar. Mas o que tudo isso significa? Este sacrifício era o sinal da promessa que Jesus viria a essa terra, levaria todos os nossos pecados ao ser batizado, derramaria seu sangue, seria condenado na cruz por nós, e assim nos tornaria sem pecado. Em outras palavras, o ritual da imposição de mãos do Antigo Testamento era uma sombra do batismo que Jesus Cristo recebeu. Jesus foi o verdadeiro elemento, e esta Palavra do Antigo Testamento foi sua sombra. Se há uma sombra, então com certeza há um objeto que a projeta. E quando vieram os dias do Novo Testamento, Jesus Cristo, o verdadeiro elemento, veio pessoalmente a essa terra e realizou a obra de apagar todos os pecados do homem.
A Bíblia diz em Hebreus 10:9-10: “Então disse: Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro, para estabelecer o segundo. Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez.” Já que está escrito aqui: “Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade”, quem foi que veio para fazer a vontade de Deus? Quem é que diz ‘aqui venho’ nesse texto? O próprio Jesus Cristo, que veio fazer a vontade de Deus. Nenhum ser humano jamais poderia fazer a vontade de Deus. E a única maneira de fazermos a vontade de Deus é crendo de coração que Jesus apagou todos os nossos pecados quando veio a essa terra. Como Jesus cumpriu a vontade do Pai quando veio a essa terra? Ele tornou a todos sem pecado levando todos os pecados do homem ao ser batizado e condenado em seu lugar. Foi assim que Jesus cumpriu a vontade de Deus.
Deus disse: “Tira o primeiro, para estabelecer o segundo.” Amados irmãos, vocês precisam entender que jamais poderia ser salvos pela lei. Seus pecados nunca poderiam ser apagados pela lei. Por isso que Deus substituiu a lei pela lei do amor e da salvação.
E a Bíblia continua dizendo: “Pelo cumprimento dessa vontade fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Jesus Cristo, oferecido uma vez por todas” (Hebreus 10:10). Olhem bem esse texto. Por acaso diz aqui que seremos santificados no futuro? Diz que ‘fomos santificados’, o que significa que nossa santificação já foi completada. Jesus está dizendo que devemos crer nele. “Acabou. Eu já apaguei todos os seus pecados. Tudo que vocês têm a fazer agora é crer. Vocês creem em mim agora? Já que vocês creem em Deus, creiam em mim também.” Portanto, é só uma questão de tempo para que creiamos realmente em Jesus e na sua obra da salvação. Jesus é o Salvador. Ele é o próprio Deus. Ele é o Criador do universo e tudo que nele há.
Está escrito em Hebreus 10:11-14, “E assim todo o sacerdote aparece cada dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar os pecados; mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus, daqui em diante esperando até que os seus inimigos sejam postos por escabelo de seus pés. Porque com uma só oblação aperfeiçoou para sempre os que são santificados.”
Amados irmãos, Jesus apagou todos os seus pecados para sempre e completamente, como diz esse texto, ou não? Sim, ele já apagou todos eles! Vocês vão se tornar pecadores novamente se cometer um erro amanhã? Não, vocês nunca mais serão pecadores. Como diz o ditado: “Uma vez fuzileiro, sempre fuzileiro”, nós que somos justos porque recebemos de Jesus a remissão de pecados seremos sempre justos. Os que conhecem a Deus de modo correto e creem nele assim não confiam em si mesmos, muito menos olham para suas fraquezas. Eles só olham para Deus e meditam no que ele fez por eles, assim como só creem nele. Já que recebemos a salvação dos nossos pecados e a salvação de Jesus Cristo, nós somos justos. Nós somos os justos que serão sempre perfeitos.
A Bíblia diz em Hebreus 10:15-16, “E também o Espírito Santo no-lo testifica, porque depois de haver dito: Esta é a aliança que farei com eles Depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seus corações, E as escreverei em seus entendimentos.” Esta é a aliança que Jesus fez conosco depois de apagar todos os nossos pecados: “Porei as minhas leis em seus corações, E as escreverei em seus entendimentos.”
Amados irmãos, Deus nos salvou ou não? Ele salvou a todos nós. Ainda há algum pecado em nosso coração então? Não, não há. Ainda há algum pecado em nossa mente? Não, nenhum. Nós somos pecadores ou justos? Somos justos. É isso que está gravado em nossa mente. Foi isso o que Deus gravou no coração de todos que creem.
Vamos ler agora o versículo 17: “E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades.” E o versículo 18 continua dizendo: “Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado.” E é isso mesmo! Jesus apagou todos os pecados do mundo. Ele disse que “não há mais oblação pelo pecado.” Tudo está consumado! Todo crente não tem mais pecado agora. Todos que creem no evangelho da água e do Espírito foram salvos do pecado para sempre.