The New Life Mission

Termos Bíblicos

Idioma

Breves Explicações de Alguns Termos Bíblicos

Associados ao Evangelho da água e do Espírito

  • 1. Resgate

    É o preço pago para resgatar uma pessoa sequestrada, uma propriedade hipotecada ou uma dívida; a palavra é empregada mais frequentemente como representação positiva da Redenção (Êxodo 21:30, ‘soma de dinheiro’; Números 35:31-32, Isaías 43:3, ‘resgate’). No Novo Testamento, Mateus 20:28 e Marcos 10:45 descrevem resgate como ‘pagamento em dinheiro’.

  • 2. Expiar, Expiação

    É o ritual de transferência de todos os pecados do homem para Jesus. No Antigo Testamento, a expiação significava a passagem do pecado para o sacrifício através da imposição de mãos sobre a cabeça do animal. No Novo Testamento, significa o batismo que Jesus recebeu de João Batista. Em hebraico e grego, essa palavra significa a passagem do pecado para Jesus Cristo, a fim de que os pecadores voltassem a ter um relacionamento correto com Deus. O Novo Testamento ilustra bem a oferta pela expiação: o batismo de Jesus e Sua morte na Cruz.
    No Antigo Testamento: A palavra ‘expiação’ é usada quase 100 vezes no Antigo Testamento e é sempre expressada como ‘kaphar’ em hebraico (Levítico 23:27, 25:9, Números 5:8), que também significa “fazer expiação’. Expiação é a tradução de uma palavra hebraica que significa a transferência dos pecados pela imposição de mãos sobre a cabeça de um bode vivo e a confissão de todas as iniquidades dos filhos de Israel. (Levítico 16:21).
    No Novo Testamento: A Expiação está relacionada com a palavra aramaica ‘kpr’ que significa ‘cobrir’. Isto significa o batismo da Redenção de Jesus no Novo Testamento. Jesus veio a este mundo e foi batizado aos 30 anos de idade para cumprir a salvação de toda humanidade.

  • 3. A Expiação Bíblica

    A. No Antigo Testamento, a expiação era feita geralmente por meio do sacrifício de um animal (Êxodo 30:10, Levítico 1:3-5, 4:20-21, 16:6-22).
    B. No Novo Testamento, foi mantido o mesmo conceito do sacrifício da expiação do Antigo Testamento, mas a redenção do homem só pôde se realizada quando o corpo de Jesus, o Filho de Deus, foi oferecido na Cruz. O Apóstolo Paulo disse que Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados. (1 Coríntios 15:3).
    A palavra expiação foi usada não somente para se referir à morte de Cristo para expiar o pecado original, e sim para tirar todos os pecados do homem. Após o batismo, pelo qual os pecados do homem foram transferidos para Jesus (Mateus 3:15), Ele salvou o homem derramando o Seu sangue na Cruz. (Levítico 1:1-5, João 19:30). 
    O Apóstolo Paulo explica em 2 Coríntios 5:14 que “um morreu por todos,” no versículo 21, então, ele diz “por nós’, e em Gálatas 3:13 ele diz novamente: ‘Fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar’. Somente alguns versículos do Novo Testamento se referem a Jesus como sacrifício (Efésios 5:2), João 1:29, 36 (‘Cordeiro’ – João Batista) e 1 Coríntios 5:7 (‘Nosso Cordeiro pascal’ – o Apóstolo Paulo).
    Contudo, Paulo especificou que o batismo de Jesus no Rio Jordão foi a expiação por todos os pecados do mundo. Ele explica no capítulo 6 de Romanos que todos os pecados do homem foram transferidos para Jesus por meio do batismo que Ele recebeu de João Batista. 
    Ele continua explicando que a crucificação de Jesus foi o julgamento e a compensação pelo pecado, e que o sacrifício da expiação foi oferecido pela alma do homem.
    A morte de Jesus foi o cumprimento do plano de Deus de acordo com o sacrifício da expiação do Antigo Testamento. A imposição de mãos no Antigo Testamento e o batismo de Jesus no Novo Testamento está de acordo com a Lei de Deus. (Isaías 53:10, Mateus 3:13-17, Hebreus 7:1-10, 18, 1 Pedro 3:21).
    O Novo Testamento não termina com o batismo e com a morte de Jesus, mas continua nos dizendo que o cumprimento da salvação consiste em sermos batizados em Cristo e nosso velho homem morrer com Ele. (Romanos 6:3-7, Gálatas 2:19-20). 
    Isso nos mostra que Jesus Cristo foi batizado por João Batista para tirar todos os pecados do mundo e que Ele foi crucificado como resultado disso. Por meio do Seu batismo e do Seu sangue, Jesus Cristo tirou não somente os pecados do mundo, mas também nos salvou do poder de Satanás e nos deu novamente o poder de Deus, aceitando o castigo e sofrendo no lugar do homem.
    Por essa razão, a Redenção de Jesus resolveu o problema do pecado que impedia o homem de se aproximar de Deus. Este evento restaurou a paz e a harmonia entre o homem e Deus, também trouxe salvação e reconciliação (Romanos 5:11), vida (Romanos 5:17-18) e redenção (Mateus 3:15, João 1:29, Hebreus 10:1-20, Efésios 1:7, Colossenses 1:14).

  • 4. O Dia da Expiação

    Em Hebreus, este termo significa o dia de ‘cobertura’ ou ‘reconciliação’. O dia mais importante para os judeus era o Dia da Expiação, o décimo dia do sétimo mês. (Levítico 23:27, 25:9). Podemos ver no capítulo 16 de Levítico que até o Sumo Sacerdote não podia entrar no Santíssimo Lugar, exceto para cerimônias específicas nesse dia. 
    O Santíssimo Lugar em si precisava de expiação assim como o povo de Israel; por isso, o Sumo Sacerdote tinha que oferecer o sacrifício para transferir os pecados ao impor as suas mãos sobre a cabeça do holocausto. O povo de Israel se lembrava da santidade de Deus e dos seus pecados no Dia da Expiação. 
    Nessa ocasião, 15 ofertas (inclusive o bode emissário), 12 ofertas queimadas e 3 ofertas de expiação eram oferecidas a Deus. (Levítico 16:5-29, Números 29:7-11). Se contarmos “o outro cordeiro” citado em Números 28:8, eram 13 as ofertas queimadas e 4 as ofertas para expiação. 
    Israel expiava seus pecados anuais no décimo dia do sétimo mês. Da mesma forma, o dia da Expiação para o mundo inteiro foi o dia em que Jesus foi batizado por João Batista. Este foi de fato o Dia da Expiação para toda a humanidade. (Mateus 3:13-17). Foi o dia em que Deus tirou todos os pecados do mundo (Mateus 3:15). Foi o Dia da Expiação em que Deus “cumpriu toda a justiça”.

  • 5. O Sacrifício da Expiação

    No Antigo Testamento: Assim como os outros sacrifícios, o sacrifício da santificação do povo de Israel era oferecido no Tabernáculo. O Sumo Sacerdote se purificava e vestia a túnica de linho sagrada no lugar das suas vestes sacerdotais habituais, escolhia um novilho como oferta pelo pecado e um carneiro como oferta queimada por ele e pela sua casa. (Levítico 16:3-4). Então, o Sumo Sacerdote impunha as mãos sobre a cabeça das ofertas para transferir os pecados anuais do seu povo. 
    A imposição de mãos era essencial no Dia da Expiação. Se isso não fosse feito, a oferta do sacrifício não podia ser aceita, pois a expiação pelo pecado não podia ser realizada sem a imposição de mãos, pela qual os pecados anuais de Israel eram passados para a oferta.
    Levítico 16:21 diz: “Porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas rebeldias, segundo todos os seus pecados, fazendo-os assim cair sobre a cabeça do bode. E o enviará ao deserto pela mão de um homem designado para isso”.
    O Sumo Sacerdote tomava dois bodes para oferta pelo pecado e um carneiro para holocausto. (Levítico 16:5). Ele então apresentava os dois bodes perante o Senhor à porta do Tabernáculo e lançava sorte para ver quem seria do “Senhor” e o “bode emissário”. 
    O do Senhor era oferecido a Ele como oferta pelo pecado e o bode emissário era oferecido para expiar os pecados anuais do povo de Israel, sendo enviado depois ao deserto (Levítico 16:7-10). Os pecados de Israel tinham de ser transferidos para o bode emissário pela imposição de mãos. Deste modo, o bode emissário, que recebia todos os pecados de Israel, servia para que o povo de Deus fosse reconciliado com Ele. Era assim que os pecados de Israel eram purificados. 
    No Novo Testamento: Do mesmo modo, Jesus Cristo foi batizado por João Batista (a imposição de mãos no Antigo Testamento) e tirou todos os pecados do mundo como o Cordeiro sacrificial para cumprir a salvação de Deus. (Levítico 20:22, Mateus 3:15, João 1:29, 36). 
    No Antigo Testamento, antes de lançar sorte, Arão imolava o novilho como oferta pelo seu pecado e de sua casa. (Levítico 16:11). Depois então, ele pegava o incensário com brasas do altar, junto com incenso aromático, e os levava além do véu para oferecer ao Senhor. Ele então oferecia o incenso diante do Senhor para que a nuvem cobrisse o propiciatório. Ele também tomava o sangue do novilho e o aspergia com o seu dedo sobre o propiciatório sete vezes. (Levítico 16:12-19). 
    No Dia da Expiação, Arão não podia deixar de impor as mãos sobre a cabeça do bode. Ela impunha as mãos sobre a cabeça do bode e passava todos os pecados e iniquidades de Israel para sua cabeça. Então, um homem designado levava o bode emissário ao deserto e o soltava. Ele vagava no deserto levando os pecados de Israel e depois acabava morrendo. Este era o sacrifício da expiação do Antigo Testamento.
    O mesmo acontece no Novo Testamento, exceto que o bode emissário foi substituído por Jesus Cristo. Ele levou sobre Si todos os pecados do homem por meio do Seu batismo, derramou Seu sangue e morreu na Cruz por nós. 
    Agora, não pode haver salvação de todos os pecados sem o batismo e a crucificação de Jesus Cristo, o Sumo Sacerdote celestial. É assim que acontece a salvação dos nascidos de novo da água e do Espírito.

  • 6. A Imposição de Mãos, a Ordenação

    Esse foi o método que Deus usou para transferir os pecados para o sacrifício no Antigo Testamento. (Levítico 4:29, 16:21). Nos dias do Antigo Testamento, Deus permitia que as pessoas expiassem seus pecados impondo as mãos sobre a cabeça da oferta no Tabernáculo. Isso apontava para o batismo de Jesus no Novo Testamento.

  • 7. O Batismo

    Batismo significa ① ser purificado, ② ser enterrado (imergido) e, num sentido espiritual, ③ transferir o pecado pela imposição de mãos, como era feito no Antigo Testamento. 
    No Novo Testamento, o batismo que Jesus recebeu de João Batista foi para purificar todos os pecados do mundo. Por isso, ‘o batismo de Jesus’ teve o significado de tirar os pecados do homem, de purificar os pecados do mundo. 
    Jesus foi batizado por João Batista, o representante de toda humanidade e Sumo Sacerdote da linhagem de Arão, e levou sobre Si todos os pecados do homem. Este foi o propósito do Seu batismo.
    O sentido espiritual da palavra ‘batismo’ é ‘passar adiante, ser enterrado’. Sendo assim, ‘o batismo de Jesus’ significa que todos os pecados foram transferidos para Jesus e que Ele foi condenado no nosso lugar. Para salvar a homem, Jesus tinha que tirar todos os nossos pecados com o Seu batismo e morrer por eles.  
    Por isso, a morte Dele também é a minha e a sua morte, a morte de todos os pecadores deste mundo; e Sua ressurreição também é a ressurreição de todos nós. Seu sacrifício representa a salvação dos pecadores e Seu batismo é o próprio testemunho da purificação de todos os pecados do homem.  
    A Bíblia nos diz: “Por uma verdadeira figura - o batismo - vos salva”. (1 Pedro 3:21). O batismo de Jesus é a maneira justa de salvar toda a humanidade pela purificação de pecados.

  • 8. O Pecado

    Todas as coisas que se opõem a Deus é pecado. E isso diz respeito a todos os pecados, inclusive o pecado original e todas as transgressões que cometemos ao longo das nossas vidas.
    Pecado é ‘hamartia’ em grego. Sua forma verbal é ‘hamartano’, que significa ‘errar o alvo’. Por isso, um dos pecados mais graves é crer em Jesus de modo errado e não poder ser salvo por causa disso. Não conhecer a verdade e não crer nela é o mesmo que cometer o pecado da desobediência e desprezar a Deus.
    Se não quisermos pecar contra Deus, temos que entender corretamente Sua Palavra e conhecer a verdade pela qual Jesus se tornou nosso Salvador. Nós temos que crer no batismo de Jesus e na Cruz através da Palavra de Deus. É pecado não aceitar a Palavra de Deus, se desviar da verdade e crer em falsas teorias.  
    A Bíblia nos diz que o pecado mais grave é “o pecado que é para morte”. (1 João 5:16). É não crer que Deus tirou todos os pecados do mundo. Nós devemos crer no nascimento de Jesus, na purificação de pecados através do Seu batismo e na vida que Ele nos deu por Seu sangue na Cruz. É pecado quando alguém não crê nas palavras que dizem que Jesus foi batizado, morreu na Cruz e ressuscitou para nos libertar de todos os nossos pecados.

  • 9. O Arrependimento

    Quando alguém que se afastou de Deus reconhece os seus pecados, é grato a Jesus por tê-los purificado e volta para Deus, isso se chama arrependimento. 
    Todos nós somos um poço de pecados. O verdadeiro arrependimento é admitir o seguinte: que para Deus nós somos pecadores, que não temos como evitar o pecado e iremos para o inferno quando morrermos; que temos que aceitar Jesus como nosso Salvador e crer que Ele veio a este mundo para salvar pecadores como nós; que Ele tirou todos os nossos pecados (com Seu batismo), morreu e ressuscitou para nos salvar. O verdadeiro arrependimento é rejeitar os próprios pensamentos e voltar para Deus. (Atos 2:38). Arrependimento é reconhecermos nossos pecados e voltarmos para Deus, é aceitarmos a salvação da água e do sangue com todo o nosso coração. (1 João 5:6).
    O verdadeiro arrependimento é reconhecermos que somos totalmente pecadores e crermos em Jesus, no Filho de Deus, como nosso Salvador que nos salvou de todos os nossos pecados. Para sermos salvos e purificados de todos os pecados, temos que parar de tentar ser purificados pelas nossas próprias obras e reconhecer que, perante Deus e Sua Lei, somos grandes pecadores. Portanto, temos que aceitar a verdade e a salvação da água e do Espírito, salvação essa que Jesus nos deu pelo Seu batismo e pelo Seu sangue.
    O pecador tem que rejeitar seus próprios pensamentos e ter vontade para se voltar por completo para Jesus. Nós só seremos salvos quando crermos que Jesus levou sobre Si todos os nossos pecados quando foi batizado.  
    Em outras palavras, o batismo de Jesus, Sua crucificação e Sua ressurreição cumpriram a justiça de Deus e a salvação dos pecadores. Jesus veio em carne, foi batizado e crucificado para purificar todos os nossos pecados. Ter fé em tudo isso e crer que Jesus ressuscitou para se tornar o Salvador de todos os que creem Nele. Este é o verdadeiro arrependimento e a genuína fé.

  • 10. A Salvação

    Salvação no Cristianismo significa ‘libertação do poder e da punição do pecado’. Nós só recebemos a salvação quando reconhecemos que iremos para o inferno por causa dos nossos pecados e cremos que Jesus nos salvou de todos os nossos pecados através do Seu nascimento, do Seu batismo e do Seu sangue na Cruz. 
    Aqueles que não têm mais pecado por crerem na salvação de Jesus, no Seu batismo e no Seu sangue são chamados de ‘os salvos, os nascidos de novo, os justos’.
    Nós podemos aplicar a palavra ‘salvação’ àqueles que foram salvos de todos os seus pecados, inclusive do pecado original e dos seus pecados diários, crendo em Jesus. Assim como um homem que está se afogando é salvo, aquele que está se afogando no pecado do mundo pode ser salvo crendo em Jesus como seu Salvador, no Seu batismo e no Seu sangue, nas palavras da verdade espiritual.

  • 11. O Nascer de Novo

    Nascer de novo significa ‘nascer pela segunda vez’. O pecador nasce de novo e se torna justo quando ele é salvo espiritualmente crendo no batismo de Jesus e na Cruz. 
    Nós podemos nascer de novo espiritualmente por crermos no batismo e no sangue de Jesus. Os nascidos de novo são aqueles que foram purificados de todos os seus pecados e para quem Jesus “aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para a salvação”. (Hebreus 9:28).

  • 12. A Remissão de Pecados

    Este conceito importante também é conhecido como perdão de pecados. Nossos pecados são perdoados quando nós somos purificados de todos eles de uma vez por todas pelo evangelho da água e do Espírito. A fé no evangelho da água e do Espírito é o mesmo que crer numa série de verdades: na divindade de Jesus Cristo, na encarnação do Filho de Deus, no Seu batismo e crucificação que salvou todos nós, e na Sua ressurreição.  
    Jesus nos deu a redenção pela fé no Seu batismo e no Seu sangue. Como foi profetizado no Antigo Testamento, Jesus mesmo salvaria Seu povo dos seus pecados. A Redenção na Bíblia aponta para a purificação de pecados pela fé no batismo de Jesus e no Seu sangue. Todos os pecados foram transferidos para Jesus e, portanto, não há mais nenhum pecado no coração do homem.  
    Nós só podemos dizer que somos redimidos e justos depois de passarmos todos os nossos pecados para Jesus pela fé no Seu batismo.

  • 13. Jesus Cristo

    JESUS: ‘O Salvador que salvou Seu povo dos seus pecados e da condenação por causa deles’. O nome Jesus se refere ao Salvador, Aquele que salvou Seu povo dos seus pecados.
    CRISTO: ‘O Ungido’. Aqueles que eram ungidos por Deus poderiam ocupar uma dessas três funções: ① Rei, ② Profeta e ③ Sacerdote. Jesus Cristo era os três e cumpriu essas funções. Nós temos que crer em Jesus como Rei, Profeta e Sacerdote, que nos trouxe a redenção e a salvação. Só assim nós podemos chamá-Lo de ‘Jesus Cristo’. Ele é Sumo Sacerdote celestial que nos salvou de todos os pecados do mundo com Seu batismo e Seu sangue.
    Por isso, Ele é o Rei de todos aqueles que creem Nele. Ele nos ajuda a entender nossos pecados quando O buscamos. Ele nos ensinou que nós somos pecadores desde o tempo de nossos antepassados; que, como descendentes de pecadores, nascemos pecadores e estamos debaixo do juízo de Deus por causa disso. 
    Ele também nos ensinou que somos purificados dos nossos pecados através do Seu batismo e do Seu sangue. Ele fez todas essas obras por nós, pecadores.

  • 14. A Lei de Deus (Os Dez Mandamentos)

    Há 613 estatutos na Lei de Deus que se referem a nossa vida cotidiana. No entanto, seus pontos principais são os Dez Mandamentos que nós devemos guardar diante de Deus. Nele encontramos ordenanças e proibições como “faça isso’ e “não faça aquilo”. Elas são as regras pelas quais devemos viver, os mandamentos de Deus que nos foram dados para que nós conhecêssemos os nossos pecados. Através dos mandamentos de Deus, nós podemos ver como O desobedecemos (Romanos 3:19-20).
    A razão pela qual Deus nos deu Seus Mandamentos foi para que reconhecêssemos nossos pecados. Nós jamais poderemos guardar todos os mandamentos, por isso, antes de crermos em Jesus, devemos aceitar humildemente que somos pecadores. Todos nós somos pecadores e Deus sabe que nunca poderíamos viver segundo a Lei. Ele então veio a este mundo como um homem, foi batizado e condenado na Cruz. Tentar viver para guardar os mandamentos de Deus é o mesmo que cometer o pecado da arrogância. 
    A Lei nos mostra como Deus é santo e perfeito, e como o ser humano é fraco. Melhor dizendo, a santidade e a perfeição de Deus são reveladas em Sua Lei.

  • 15. O Rio Jordão onde Jesus Foi Batizado

    O Rio Jordão segue para o Mar Morto. O Mar Morto fica a 400 metros abaixo do nível do mar. Por isso, suas águas não podem fluir para lugar algum; elas ficam retidas nele. 
    A salinidade do Mar Morto é 10 vezes maior do que a de outros mares, por isso não existe vida nele. É por isso que ele é chamado de Mar Morto. 
    Jesus foi batizado no rio da morte (O Rio Jordão). Isso quer dizer que todo ser humano, exceto aqueles que não têm pecado no coração, receberão a condenação eterna por causa dos seus pecados. Então, o Rio Jordão é o rio da purificação de pecados, o rio da morte para os pecadores. Em suma, é o rio da Redenção onde todos os pecados do mundo foram purificados por Jesus, quando estes foram passados para Ele.

  • 16. Os Justos

    Esses que, por acreditarem no evangelho da água e do Espírito, receberam a remissão de todo pecado e tornaram-se limpos diante de Deus são chamados como justos. Romanos 4:7- 8 diz, "Abençoados são esses cujas maldades são perdoadas, E cujos pecados são cobertos; Abençoado é o homem a quem o SENHOR não imputará pecado". O abençoado aqui se refere a nenhum outro além do justo que recebeu a remissão dos pecados.
    Porque Deus é santo e justo, Ele não aprova esses quem têm pecados em seus corações como justos. Ser perdoado de nossas maldades e ter nossos pecados cobertos é tornar-se simples e santo por realmente acreditar em Jesus Cristo - isso é, por acreditar que nós passamos para Jesus nossos pecados com Seu batismo, e com Sua morte vicária Jesus pagou os salários de nossos pecados na Cruz por nós.
    Porque Deus não pode mentir, Ele nunca aprova esses que têm pecados como justos. Pelo contrário, Ele condena-os e os lança no fogo do inferno.
    Para tornar-se simples diante de Deus, nós devemos acreditar em nossos corações que todos os nossos pecados do passado, do presente e do futuro, já foram passados sobre Jesus de uma vez por todas quando Ele foi batizado por João Batista, e nós assim devemos cortar nossos pecados de nossos corações.
    Como tal, o justo diante de Deus se refere a esses que se tornaram simples nos seus corações por acreditar no batismo de Jesus e na Cruz. Se algumas pessoas ainda têm pecados regulares nos seus corações mesmo acreditando em Jesus e eles ainda fazem suas orações diárias de arrependimento, então tais pessoas são pecadores, não são as crianças de Deus.
    Deus não justifica o mau (Êxodo 23:7), para Ele não se pode mentir. Portanto, esses que omitem o batismo de Jesus e acreditam só no sangue da Cruz nunca poderão tornar-se justos.